ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Paris: Emigrantes lesados do BES 'não se vão calar'
Revista PORT.COM • 18-Mar-2018
Paris: Emigrantes lesados do BES 'não se vão calar'



Os emigrantes lesados do ex-Banco Espírito Santo (BES) voltaram a manifestar-se junto à Embaixada de Portugal em Paris.

A manifestação foi organizada pelo grupo Emigrantes Lesados Unidos para denunciar a falta de proposta comercial para os clientes que subscreveram os produtos financeiros EG Premium e EuroAforro 10 e para reclamar ao Fundo de Resolução 31,7% do capital investido, depois de um acordo com o Novo Banco que lhes vai dar acesso a 75% do dinheiro nos próximos anos.

Figura habitual nos protestos dos emigrantes lesados do BES, em Paris, Manuel José Ferreira voltou a manifestar-se e levou consigo a "forquilha do diabo" que o acompanhou a todas as manifestações na capital francesa.

"Desde 2014 que a trago comigo. Isto é o símbolo do diabo e este banco não foi o diabo para nós, foi o inferno. Muitas pessoas estão doentes - que eu conheço - paralisadas até, outras já se suicidaram. A gente está à espera do dinheiro porque precisa do dinheiro. Agora mandaram 60% para o banco, mas está bloqueado cinco anos", afirmou.

O português de 63 anos, há 47 a viver em França, contou que a própria esposa está com uma depressão e referiu que ele próprio vai continuar a lutar para reaver a totalidade do capital que depositou no banco e "em solidariedade" para com os que ainda não têm qualquer proposta comercial.

"Eu penso que a uma certa altura vão ter vergonha, porque as pessoas não se vão calar. Isto são pessoas de uma certa idade que não têm nada a perder", afirmou o emigrante que assinou, em agosto do ano passado, a proposta comercial do Novo Banco para recuperar 75% do dinheiro investido numa conta a prazo por cinco anos.

Graça Cruxinho detinha as suas poupanças numa conta que diz que foi "batizada como EG Premium" e agora está "a viver uma grande depressão", depois de ter emigrado para França com 26 anos e estar "sem nada" aos 61.

"Tenho as minhas poupanças lá há mais de 20 anos, fiz confiança num banco que me traiu (...). O dinheiro que tenho está-me a fazer muita falta. Estou com a idade de parar de trabalhar e não posso parar", contou a portuguesa, sublinhando que "é uma coisa injusta que estão a fazer" depois de "se trabalhar uma vida inteira".

Um dos organizadores do protesto, Carlos Costa dos Santos, destacou que "há quem não tenha assinado proposta nenhuma" e esteja "sem nada", pelo que as manifestações vão continuar até ser encontrada uma solução para todos.

"É novamente um novo protesto contra o Banco de Portugal porque é responsável da nossa situação. Estamos aqui para reclamar o resto do nosso dinheiro. Há aqui pessoas que assinaram a última proposta, há pessoas que não assinaram e há outras pessoas que têm produtos sem solução", explicou.

A Associação Movimento Emigrantes Lesados Portugueses (AMELP) - cujos dirigentes não estiveram presentes no protesto - anunciou, a 09 de março, "avanços significativos" nas negociações para encontrar uma solução para os clientes dos produtos EG Premium e EuroAforro 10, sem se comprometer com uma data para a sua conclusão.

 

Foto em destaque ©Global Imagens


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
A relação entre Portugal e a sua Diáspora...
José Luís Carneiro
Implicações políticas da participação eleitoral nas comunidades
Paulo Pisco
Deputado do PS
Porque não te calas?
José Caria
Diretor-Adjunto PORT.com
DISCURSO DIRETO
ENTREVISTA
Berta Nunes, secretária de Estado das Comunidades
PORTUGAL
ENTREVISTA
António Saraiva, Presidente da CIP
PORTUGAL
ENTREVISTA
Luís Faro Ramos, Presidente do Camões I.P.
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ