Revista PORT.COM - Notícias de Portugal e das Comunidades
ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Grupo de lesados do papel comercial do BES diz-se «enganado e traído» por associação
Revista PORT.COM • 09-Ago-2018
Grupo de lesados do papel comercial do BES diz-se «enganado e traído» por associação



O Grupo de Lesados do Novo Banco manifestou-se em Lisboa contra a solução alcançada pela Associação dos Enganados e Indignados do Papel Comercial, dizendo-se «enganados e traídos».

O Grupo de Lesados do Novo Banco manifestou-se no dia 9 de agosto, em Lisboa, em frente ao Palácio de Belém, contra a solução alcançada pela Associação dos Enganados e Indignados do Papel Comercial (AIEPC), dizendo-se «enganados e traídos».

Em declarações à agência Lusa, António Silva, um dos membros deste grupo de lesados do papel comercial vendido pelo antigo Banco Espírito Santo (BES), explicou que a AIEPC e as instituições financeiras «esqueceram as provisões» no acordo alcançado.

«A associação comprometeu-se a defender todos por igual, mas não o fez, porque arranjaram uma solução que pode ir até aos 50% e até 75% quando estava garantido, nas provisões, que nos pagavam na íntegra, como disse a CMVM [Comissão do Mercado de Valores Mobiliários]», acrescentou o responsável do Grupo de Lesados do Novo Banco.

Segundo António Silva, a associação também «violou o que está nos estatutos porque deviam ter posto processos coletivos, não era processos individuais». 

«Meteram um advogado para arranjar processos individuais e isso teve custas enormes a cada lesado», acusou, falando em comissões para advogados que chegam aos 13 mil euros por pessoa.

Por tudo isto, «sentimo-nos enganados e traídos, porque andámos a ser enganados pelo banco logo na altura da subscrição», mas também pela AIEPC, que «escondia informação», lamentou António Silva.

O responsável falou ainda numa carta enviada pelo gabinete do primeiro-ministro, António Costa, a este grupo de lesados, na qual se refere que «não houve propostas nem contrapropostas» da AIEPC durante o processo negocial.

«A nossa pergunta é o que é que andaram a fazer [a AIEPC] durante quatro anos em que passavam para a comunicação social que estavam a negociar», questionou o responsável, considerando que esta associação «não esteve a fazer nada» neste processo.

No final de junho, foi pago aos cerca de dois mil lesados do papel comercial vendido pelo BES, pelo fundo de recuperação de créditos, a primeira parcela das indemnizações que visam compensar parcialmente as suas perdas.

Contudo, a solução encontrada (entre a associação de lesados, Governo, CMVM, Banco de Portugal) prevê apenas o pagamento de 75% das aplicações até 500 mil euros (com limite de 250 mil euros) e de 50% para valores acima de 500 mil euros. Por isso, estes lesados continuam a exigir a devolução na totalidade dos montantes que perderam, já que, segundo alegam, de início foi-lhes dito que o Novo Banco tinha ficado com uma provisão do BES nesse sentido, razão pela qual já fizeram várias manifestações este ano.

De acordo com António Silva, a ação desta quarta-feira visou ainda, através de um abaixo-assinado entregue no Palácio de Belém, «apelar ao Presidente da República para anular os contratos ou fazer a reversão da provisão, porque os contratos que fizeram [no banco] foram uma burla». Nesta situação estão também milhares de emigrantes que investiram no BES e que se dizem enganados pela Associação Movimento Emigrantes Lesados Portugueses (AMELP), representativa de emigrantes lesados do BES.

Vindo de França, o emigrante Fernando Silva afirmou que «essa associação [a AMELP] não tem feito nada».

«Eles andam em negociações, mas o nosso dinheiro não é negociável com ninguém, isto não é como vender um tapete ou um apartamento», vincou, salientando que estes emigrantes não querem “nem 50%, nem 70%, nem 99%”, mas sim «a totalidade do dinheiro que investiram».


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Portugal – a participação jovem e a cidadania global
João Paulo Rebelo
Secretário de Estado da Juventude e do Desporto
Políticas de apoio ao regresso prioridade no orçamento para 2019
Paulo Pisco
Deputado do PS
Portugal - um país e um povo em rede
Carlos Zorrinho
Eurodeputado do PS
DISCURSO DIRETO
A escassos dois minutos... de nada
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
O papel do IAPMEI no apoio às PME´s
Nuno Mangas, presidente do conselho diretivo do IAPMEI
PORTUGAL
«Queremos portugueses com mais oportunidades no país»
José Luís Carneiro, SEC
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ