ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Portugueses trabalham cada vez mais horas, saúde e família em risco
Revista PORT.COM • 24-Nov-2016
Portugueses trabalham cada vez mais horas, saúde e família em risco



Em Portugal, ao contrário do resto da Europa, trabalha-se cada vez mais horas, especialmente quadros e chefias, e o fenómeno tem implicações nas relações familiares mas também na saúde.

O aumento da permanência no local de trabalho tem vindo a aumentar e isso tem implicações na saúde, aumentando a hipertensão, as doenças cardiovasculares ou a diabetes, mas também os casos de depressão, ansiedade e insónia, disse à Lusa o psiquiatra Pedro Afonso.

Professor de psiquiatria na Faculdade de Medicina de Lisboa, no Instituto de Ciências da Saúde da Universidade Católica e na AESE-Business School, Pedro Afonso cita um estudo desenvolvido na Escola de Negócios segundo o qual 53% dos inquiridos trabalhava mais do que a carga horária média.

A AESE é a primeira “Business School” de Portugal e dedica-se à formação específica em direcção e gestão de empresas. Segundo Pedro Afonso para o estudo foi utilizada o critério da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), que indica as 48 horas por semana como máximo, sendo que a maioria dos portugueses inquiridos trabalhava 54.

“Parece ser um fenómeno cultural português e em todas as profissões. De tal maneira que quem não fica mais horas a trabalhar é censurado, quer pelos seus pares quer pelas chefias”, disse.

Ainda citando o estudo, que será divulgado em breve, são os cargos de chefia que mais trabalham, “pelo que o fenómeno é transmitido de cima para baixo”.

E dos inquiridos, disse Pedro Afonso, “11% tomava ansiolíticos e antidepressivos, o que é muito tendo em conta que a média etária rondava os 40 anos”. Uma situação, acrescentou, “que talvez explique porque é que Portugal é o principal consumidor per capita de psicotrópicos”.

O psiquiatra compara o fenómeno a uma “nova escravatura”, porque acaba por destruir a família (“o escravo era o que não tinha direito a constituir família”), já que “o excesso de carga horária aumenta o risco de divórcio”. E depois, adiantou, “como os escravos, o excesso de trabalho coloca em risco a saúde a própria vida”.

Pedro Afonso defendeu ainda que as novas tecnologias não vieram reduzir a carga horária mas que pelo contrário “invadiram a vida privada” e que a “pressão vertical” para se trabalhar mais é “cada vez maior”, dando como exemplo as sociedades de advogados, onde por norma se trabalha horas a mais.

“Hoje é mal visto quem sai a horas. Não interessa a produtividade. Nos países nórdicos trabalham menos e não consta que tenham menos produtividade. Estar presente não está obrigatoriamente relacionado com o aumento da produtividade”, disse.

Ao contrário, acrescentou o psiquiatra, o cérebro tem limites e com o aumento das horas de trabalho o rendimento diminui e aumenta a probabilidade de erro. E também é comprometida a qualidade de vida e uma adequada conciliação entre o trabalho e a família.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Quanto 'vale' o investidor da Diáspora?
José Caria
Diretor Adjunto da PORT.COM
Sagres, uma marca de bebida com história e identidade
Nuno Pinto Magalhães
Diretor de Relações Institucionais da SCC
Felicidade? Lusodescendentes! Exemplo: São Paulo
Jack Soifer
Consultor Internacional
DISCURSO DIRETO
Encontro Intercalar na Madeira será iniciativa coroada de êxito
José Luís Carneiro, SEC
PORTUGAL
Invest Madeira: o epicentro da vontade dos investidores
Ana Filipa Ferreira, Dir. Invest Madeira
PORTUGAL
Sejam bem-vindos à Madeira!
Miguel Albuquerque
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ