ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

ViniPortugal fechará o ano com exportações perto dos 737 milhões de euros
Revista PORT.COM • 23-Nov-2016
ViniPortugal fechará o ano com exportações perto dos 737 milhões de euros



Portugal perdeu, nos últimos dois anos, cerca de 70 milhões de euros em exportações no setor dos vinhos para Angola.

O presidente da ViniPortugal, Jorge Monteiro, disse prever fechar o ano com o valor das exportações de vinho a ficar perto dos 737 milhões de euros, apesar das “grandes perdas” registadas no mercado de Angola.

“Apesar da queda acentuada registada em Angola, contamos chegar ao final do ano com valores muito próximos dos do ano passado. No ano passado fechámos com cerca de 737 milhões de euros em exportações e a expectativa para este ano é fecharmos muito perto deste valor”, revelou.

“Se olharmos para as exportações globais, estamos com uma queda de 2,7 por cento, ou seja, uma queda de 13 a 14 milhões de euros”, acrescentou.

Apesar da queda acentuada no mercado angolano, Jorge Monteiro estima que o valor das exportações deste ano seja idêntico ao de 2015 devido ao crescimento em mercados alternativos e ao aumento do preço médio.

“Em quase todos os mercados estratégicos estamos a crescer e isso é o que nos tem permitido encontrar mercados alternativos ao de Angola. Isto significa que o setor dos vinhos tem uma resiliência e uma dinâmica bastante elevada, pois não é fácil perder 70 milhões de euros em dois anos num mercado e ir buscá-los a outros”, evidenciou.

Sobre o maior destino dos vinhos portugueses, o presidente da ViniPortugal informa que se trata da França, por causa do vinho do Porto.

“Retirando os vinhos fortificados – Porto e Madeira – o maior destino são os Estados Unidos da América. Estimamos fechar o ano com 75 milhões em exportações para os EUA”, destacou.

Este é aliás um destino no qual pretendem continuar a investir no próximo ano, já que se trata de “um mercado muito aberto e com grande potencial”.

“Este é um mercado onde se verifica um efeito montra, ou seja, influencia decisões de outros mercados. É aqui que estamos a meter a maior fatia de investimento: 25 por cento são colocados na América do Norte”, sustentou.

Com este investimento nos EUA, Jorge Monteiro espera continuar a crescer, tal como no mercado canadiano.

“Há cinco anos só trabalhávamos com S. Francisco e Nova Iorque [EUA] e com Montreal e Toronto [Canadá]. Agora estamos a estender a nossa intervenção e trabalhamos em mais estados nos Estados Unidos da América e em mais províncias do Canadá”, esclareceu.

Quanto aos mercados no Oriente – China, Japão e Coreia – a aposta “é feita numa lógica de longo prazo”.

“Enquanto nos Estados Unidos se fala de 75 milhões de euros em exportações, na China são 12 milhões e no Japão 5 milhões: não tem a mesma expressão, mas tem taxas de crescimento muito interessantes”, concluiu.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
A sua atitude de confiança conta: não só com o vírus...
Susana Cor de Rosa
Consultora empresarial
Os efeitos do medo do coronavírus...
Daniel Bastos
Historiador
Novo Coronavírus provoca epidemia com desfecho imprevisível
Alfredo Martins
Internista e Coordenador do NEDResp
DISCURSO DIRETO
A Fundação ISS e o apoio na África Lusófona
Eulalia Devesa, Diretora da Fundação ISS Mais Um Sorriso
PORTUGAL
«Cada vez faz menos sentido falar de emigração»
José Cesário, Deputado do PSD
PORTUGAL
O Projeto de Mobilidade na CPLP
Augusto Santos Silva, Ministro dos Negócios estrangeiros
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ