ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Saldo migratório positivo é «sinal de confiança» para o país
Revista PORT.COM • 16-Nov-2018
Saldo migratório positivo é «sinal de confiança» para o país



O primeiro-ministro disse hoje, em Alcanena, que a notícia de que o saldo migratório foi positivo pela primeira vez desde o início da crise «é talvez o melhor sinal de confiança» para a economia e o futuro do país.

António Costa, que dedicou o dia de hoje a visitar empresas que têm contribuído para o crescimento económico do país, falava num pavilhão que a Couro Azul, indústria de curtumes de Alcanena (distrito de Santarém), está a construir para ampliar a produção, 87% da qual se destina a exportação.

Referindo os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística, que indicam que em 2017 saíram menos 20.000 pessoas do país comparativamente às que tinham emigrado em 2015 e que entraram mais 17.000 do que as que tinham imigrado nesse ano, o chefe do Governo socialista afirmou que «esta inversão do saldo migratório é o melhor sinal» para a confiança na economia e no futuro do país.

«Ninguém vem trabalhar para um país em que não tenha expectativa de poder encontrar emprego e poder desenvolver a sua carreira», disse, frisando que «quando as pessoas deixam de sair é porque acreditam» que vão poder encontrar emprego e que se podem desenvolver no país.

Costa referiu que as empresas dos diversos setores e nas mais diferentes regiões do país apontam como «um ponto crítico» para continuar a crescer o aumento e a qualificação dos recursos humanos.

«E é por isso que temos que ser um país aberto a quem aqui vem procurar emprego, temos que ser um país que se empenha em fixar aqueles que cá vivem e um país que não pode desistir de ajudar a regressar aqueles que nos anos mais duros da crise foram obrigados a sair do país e que agora devem ter a oportunidade de regressar», declarou, relembrando a proposta de que orçamento do Estado para o próximo ano permita aos que regressem em 2019 e 2020 uma isenção de 50% do IRS sobre o seu vencimento durante cinco anos.

O primeiro-ministro disse acreditar que essa medida «ajudará a motivar muitos» e «ajudará as empresas a fazer a trajetória para serem mais competitivas também na atração de pessoal», permitindo a continuação do crescimento.

Costa deixou uma «palavra de confiança» perante os «bons resultados» de uma economia que «vive um bom momento», destacando os 341 mil novos empregos criados nos últimos três anos e o facto de 89% desses postos de trabalho serem contratos sem termo, a que acrescentou a subida dos vencimentos em 3,4% no último ano, «claramente acima da inflação».


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Significado das próximas eleições para a Assembleia da República
Paulo Pisco
Deputado do PS
Incêndios rurais: prevenir é mesmo o melhor remédio
Miguel Freitas
Sec. de Estado das Florestas
Por um regresso seguro a casa
José Artur Neves
Sec. de Estado da Proteção Civil
DISCURSO DIRETO
A emigração portuguesa para a Holanda
Daniel Bastos, Historiador
PORTUGAL
Defesa de nova visão sobre as comunidades portuguesas
José Luís Carneiro
PORTUGAL
Um eterno e constante devir....
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ