ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Portugal divulga este mês plano de contingência para 'hard' Brexit
Revista PORT.COM • 04-Jan-2019
Portugal divulga este mês plano de contingência para 'hard' Brexit



O Governo português vai divulgar este mês um plano de contingência no caso de um Brexit sem acordo e pretende assegurar a concertação de posições com o novo Governo do Brasil, referiu o ministro dos Negócios Estrangeiros.

«Temos trabalhado no plano de preparação para o Brexit, que tem uma componente no caso de uma saída ordenada do Reino Unido com acordo, e tem uma componente de contingência, se a saída for feita sem acordo, absolutamente indesejável do nosso ponto de vista», disse Augusto Santos Silva, à margem da sessão inaugural do seminário diplomático 2019, que termina hoje, em Lisboa.

O ministro português recordou, nas declarações aos jornalistas, que a Comissão Europeia já divulgou em dezembro um plano de contingência com as medidas que devem ser adotadas a nível europeu, em particular nas áreas de circulação de pessoas, transportes e serviços financeiros básicos.

«Essas medidas já foram decididas, a sua lógica é prolongar unilateralmente o 'status quo' atual durante mais uns mese»", assinalou, quando o parlamento britânico se prepara para discutir e votar o acordo do 'Brexit' negociado entre Londres e a União Europeia (UE), e com a possibilidade de uma rejeição do texto e uma eventual saída desordenada em 29 de março.

«Há uma componente nacional que está a ser preparada pelo Governo português e que tornará público em janeiro», confirmou Augusto Santos Silva.

«Se essa votação chumbar o acordo, Portugal tornará imediatamente público o seu plano de contingência para o cenário de saída sem acordo; ou se o processo britânico se arrastar, teremos de tomar público o nosso plano de contingência. Diria que no mês de janeiro o plano de contingência nacional será também público», acrescentou, incluindo no caso de um eventual e novo adiamento da decisão britânica.

Augusto Santos Silva revelou ainda que já foi preparada uma campanha entre o ministério da Administração Interna e o ministério dos Negócios Estrangeiros dirigida aos cidadãos britânicos residentes em Portugal e destinada a «salvaguardar» os seus direitos no pós-Brexit.

«Se a sua situação em Portugal já estiver regularizada, se tiverem autorizações permanentes de residência, não precisam de fazer nada. Se estiverem a residir em Portugal, mas ainda não tiverem comunicado a residência às autoridades municipais, devem fazê-lo. De uma maneira, se houver acordo, e de uma outra maneira se não houver acordo. Temos uma campanha própria e pronta para esses dois cenários».

O chefe da diplomacia portuguesa sustentou ainda que os 27 Estados-membros da UE se contiveram «durante muito tempo» na publicação dos seus planos de contingência, em caso de não acordo, «apenas para não criar a ideia de que nós já estávamos a dar por adquirido que o esforço do Governo britânico em negociar connosco tinha sido em vão».

No entanto, e com a aproximação do dia 29 de março, a data para o abandono definitivo do Reino Unido, é preciso divulgá-lo, disse.

O ministro dos Negócios Estrangeiros recordou ainda que Portugal, logo após o referendo britânico de junho de 2016 que ditou a saída da UE, ativou de imediato «o processo para obter todas as garantias para os portugueses que residem no Reino Unido», que foram «garantidas» num processo que «está a decorrer normalmente».


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Significado das próximas eleições para a Assembleia da República
Paulo Pisco
Deputado do PS
Incêndios rurais: prevenir é mesmo o melhor remédio
Miguel Freitas
Sec. de Estado das Florestas
Por um regresso seguro a casa
José Artur Neves
Sec. de Estado da Proteção Civil
DISCURSO DIRETO
Monumentos ao emigrante em Portugal
Daniel Bastos, Historiador
PORTUGAL
Defesa de nova visão sobre as comunidades portuguesas
José Luís Carneiro
PORTUGAL
Um eterno e constante devir....
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ