ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

'Uma faixa, uma rota' ligam Lisboa a Pequim
Revista PORT.COM • 09-Jan-2019
'Uma faixa, uma rota' ligam Lisboa a Pequim



Xi Jinping esteve, no passado mês de dezembro, dois dias em Lisboa, numa visita marcada por uma carga simbólica que reflete o excelente relacionamento político e económico entre os dois países. Portugal está na 'linha da frente' do projeto 'Uma Faixa, Uma Rota', que tem por objetivo estabelecer novas rotas comerciais com o Ocidente.

«Portugal tem uma posição geográfica e em consolidação da rota da seda marítima e terrestre. A nossa cooperação no âmbito de uma faixa e uma rota são vantagens naturais e vamos fortalecer de forma plena a nossa relação para abrir novos espaços e áreas para a nossa cooperação e benefícios recíprocos». As palavras do Presidente chinês Xi Jinping, na declaração conjunta com Marcelo Rebelo de Sousa logo no início da sua visita oficial a Portugal, espelharam bem o intenso trabalho desenvolvido pela diplomacia portuguesa nestes últimos meses e sobretudo o reforço institucional no reconhecimento daquilo que já é uma realidade vigente nos dias que correm: o excelente relacionamento político e económico entre os dois países, o reconhecimento pelas autoridades chinesas de Portugal como um parceiro estratégico de entrada, não só na União Europeia, mas sobretudo no espaço da Lusofonia e a importância estratégica de Macau neste contexto, ou seja, o papel que desempenha atualmente como ponte entre a China e os países de língua portuguesa para promover a cooperação do comércio e do investimento.

Aliás, o próprio Presidente português já tinha também deixado bem clara esta “sintonia” ao ter anunciado a assinatura do memorando de entendimento bilateral sobre a iniciativa chinesa de investimento em infraestruturas “Uma Faixa, Uma Rota”, projeto no qual Portugal está na linha da frente desde 2006, altura a partir da qual começou a ser crescente e relevante o investimento Chinês em Portugal, bem como crescimento constante na balança comercial dos dois países.

Na declaração conjunta com Xi Jinping, Marcelo Rebelo de Sousa salientou especificamente a importância deste acordo, considerando que simbolizava bem «a parceria que Portugal e a China pretendem continuar a construir, com um diálogo político regular e contínuo entre os dois países».

 

O investimento chinês

A estratégia da China tem sido bem visível na entrada de capitais chineses na estrutura acionista de algumas das mais importantes empresas portuguesas - como a EDP, a REN, a TAP, a seguradora Fidelidade, a Luz Saúde, para além do setor da Banca com o Millennium BCP, BANIF e Haitong Bank – onde a Fosun, China Three Gorges, HNA e State Grid são alguns dos principais e mais mediáticos veículos de investimento usados pelos investidores chineses para entrar em Portugal.

Olhando para esta realidade percebe-se que existe uma orientação de investimento em setores estratégicos, como é o caso da do setor da energia, e em estratégias de acesso a mercados terceiros, Europa, África e América Latina, mas também revelando uma clara aposta em indústrias de maior procura nos mercados nacional e europeu.

Em termos reais, se considerarmos período dos últimos 5 a 6 anos, os investimentos diretos chineses no país, ao qual se juntam os cerca de 2.2 milhões de euros investidos ao abrigo do programa Vistos Gold (dados a março de 2018), podem já ultrapassar os 9 mil milhões de euros (alguns analistas apontem já para os 12 mil milhões) e isto sem contabilizar os investimentos em pequenas e médias empresas. De acordo com dados recentemente conhecidos da consultora financeira Baker & Mackenzi, Portugal é o décimo país onde a China mais investiu nos últimos 17 anos. Considerando este valor de investimento, o nosso país torna-se assim o segundo país europeu em que o investimento chinês tem maior peso relativo na economia, valor que atinge quase 5% do PIB.

 

Leia o artigo na íntegra na edição de janeiro da Revista PORT.COM.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Portugal hoje, um país que incentiva ao regresso
Paulo Pisco
Deputado do PS eleito pelos portugueses na Europa
De olhos postos em África com uma estratégia de futuro
Peter Dawson
Presidente do grupo Garland
Não há tempo para se perder tempo!
Vítor Ramalho
Secretário-Geral da UCCLA
DISCURSO DIRETO
O português que ajudou a 'erguer' as memórias do World Trade Center
Luís Mendes, arquiteto
ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA
«Mobilidade no espaço da lusofonia é um dos maiores desafios»
Teresa Ribeiro, SENEC
PORTUGAL
The last man on the moon
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ