ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Empresas de mobiliário portuguesas mais cautelosas com mercado britânico
Revista PORT.COM • 23-Set-2019
Empresas de mobiliário portuguesas mais cautelosas com mercado britânico



Fabricantes de mobiliário e carpintarias portuguesas estão a reduzir a exposição ao Reino Unido devido ao risco do Brexit, optando por parcerias locais em vez de abrir espaços físicos e deslocar pessoal, afirmou o presidente de uma associação empresarial.

«O Brexit traz aos empresários um clima de receio e algumas empresas estão a optar por parcerias locais em vez de se instalarem com pessoas e abrirem loja ou armazéns», afirmou o presidente da Associação das Indústrias de Madeira e Mobiliário de Portugal (AIMMP), Vítor Poças.

Esta estratégia está a ser sobretudo adotada por empresas que, além do produto final, prestam os serviços de projeto e design de trabalhos à medida para a construção civil, obras públicas ou espaços comerciais.

Em 2018, as exportações da fileira das madeiras e mobiliário para o Reino Unido ascenderam a 202,585 milhões de euros, mais 6% do que 191,849 milhões de euros registados no ano anterior.

Mobiliário, serração de madeira e carpintaria representam 82% do total vendido pelo setor para o mercado britânico em 2018, representando não só o produto final, mas também serviços.

Segundo Vítor Poças, as empresas podem fazer os levantamentos e estudos no local, mas produzir a maioria parte dos produtos, como rodapés, aros de portas ou armários em Portugal, e a instalação é feita posteriormente pelos parceiros.

«Estão a fazer isto por precaução, para poderem sair [do Reino Unido] rapidamente», explicou à margem da London Design Fair, evento que faz parte do Festival de Design de Londres, onde a AIMMP esteve presente com cerca de cerca de 20 marcas, no âmbito do projeto Associative Design.

No entanto, vincou, o Reino Unido continua a ser um mercado importante para este setor e uma montra para o resto do mundo, razão pela qual empresas de mobiliário, iluminação e decoração continuam a apostar na presença em eventos como este ou a Decorex, que decorre entre 06 e 09 de outubro.

«Aqui temos mais de 180 metros quadrados e na Decorex vamos ter o maior espaço de sempre, com mais de 500 metros quadrados e mais de 50 empresas», adiantou.

Embora Poças admita que existe uma preocupação e consciência sobre o impacto da saída do Reino Unido da União Europeia (UE), prevista para 31 de outubro, em termos de burocracia, circulação de mão de obra e tarifas aduaneiras, disse não sentir «que o assunto seja prioritário».

«O que sentimos é que esta aposta é assumida com grande risco, porque o Reino Unido compensa em termos de visibilidade para outros países», adiantou.

Na London Design Fair estiveram empresas como Andre Teoman Studio, AroundTheTree, Castro Lighting, Duquesa & Malvada, Ferreira De Sá, Fiu - Jardins Suspensos, Granorte, IPV - Instituto Politécnico de Viseu, João Bruno Design, João Pedro Cezanne, LikeCork, Magyk, Memory Keepers, OldFox, Potzz Design, Vanessa Barragão e X8 Chairs.

Na Decorex, além destas empresas, vão ainda estar Casa Magna Collection, Covet House, Domkapa/Laskasas, Duistt Design, Ginger & Jagger, Infinite Floating, Materflora, Munna, OIA Design, Pombom, Serip e Weewood.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
A relação entre Portugal e a sua Diáspora...
José Luís Carneiro
Implicações políticas da participação eleitoral nas comunidades
Paulo Pisco
Deputado do PS
Porque não te calas?
José Caria
Diretor-Adjunto PORT.com
DISCURSO DIRETO
ENTREVISTA
Berta Nunes, secretária de Estado das Comunidades
PORTUGAL
ENTREVISTA
António Saraiva, Presidente da CIP
PORTUGAL
ENTREVISTA
Luís Faro Ramos, Presidente do Camões I.P.
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ