ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Parlamento recomenda a Governo política eficaz para a Língua Portuguesa
Revista PORT.COM • 10-Fev-2017
Parlamento recomenda a Governo política eficaz para a Língua Portuguesa



O Estado deve garantir, num prazo máximo de quatro anos, a criação de Escolas Portuguesas em todos os países lusófonos.

Duas resoluções que recomendam uma política ativa, eficaz da Língua Portuguesa e a sua internacionalização, assim como o desenvolvimento da rede de Ensino do Português no Estrangeiro (EPE), foram aprovadas no Parlamento e publicadas esta semana em Diário da República.

A resolução da Assembleia da República nº16/2017, aprovada em 06 de janeiro, recomenda ao Governo uma política ativa, eficaz e global de defesa e projeção da Língua Portuguesa.

De acordo com a resolução, é preciso revitalizar o empenho político e diplomático, em parceria com a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), para tornar o português uma das línguas oficiais da Organização das Nações Unidas (ONU).

Além disso, segundo a recomendação, é preciso "adotar medidas que corrijam progressivamente as desigualdades que permanecem no tratamento das comunidades portuguesas nos espaços europeu e extraeuropeu".

A resolução recomenda a continuidade na integração do EPE nos sistemas educativos locais, a valorização do ensino à distância do português a diferentes públicos e o desenvolvimento de novos mecanismos de avaliação e certificação de aprendizagens.

Recomenda ainda a formação contínua de professores, tanto presencialmente, como à distância, e o fomento ao hábito da leitura através do Plano de Incentivo à Leitura, além do alargamento da rede de leitorados e de universidades com cursos de Língua Portuguesa.

A resolução da Assembleia da República nº17/2017, aprovada também em 06 de janeiro, recomenda ao Governo medidas para a internacionalização da Língua Portuguesa e o desenvolvimento da rede do EPE.

Para tal, a resolução recomenda que a rede do EPE deve englobar cursos da iniciativa do Estado português, assim como da responsabilidade de outros Estados, associações e outras entidades privadas, nos países onde existem significativas comunidades portuguesas.

O Estado deve garantir, num prazo máximo de quatro anos, a criação de Escolas Portuguesas em todos os países lusófonos, assim como nas áreas consulares que possuam um número de, pelo menos, 200 mil cidadãos portugueses devidamente registados e referenciados, recomendou a resolução.

Deve garantir-se ainda cursos de especialização para o ensino da Língua Portuguesa de acordo com os contextos existentes, o desenvolvimento de mecanismos de avaliação exigentes, o alargamento da atual rede do EPE.

A resolução recomenda ainda que o ensino do português deve ser acompanhado de um Programa de Incentivo à Leitura e de Divulgação Cultural, além da prioridade da afirmação da Língua Portuguesa nos fóruns internacionais.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
InPortugal 2020 Paris quer desenvolver nova rede de embaixadores
Ricardo Simões
Diretor do InPortugal
Pacto Ecológico Europeu – uma primeira avaliação
Francisco Ferreira
Presidente da Direção da ZERO
Nação luso-brasileira
Igor Pereira Lopes
Jornalista e escritor
DISCURSO DIRETO
«Cada vez faz menos sentido falar de emigração»
José Cesário, Deputado do PSD
PORTUGAL
O Projeto de Mobilidade na CPLP
Augusto Santos Silva, Ministro dos Negócios estrangeiros
PORTUGAL
O Devir da Lusofonia
Isabelle de Oliveira, Investigadora
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ