ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Portugal com novas regras sobre contadores domésticos e taximetros
Revista PORT.COM • 28-Abr-2017
Portugal com novas regras sobre contadores domésticos e taximetros



Novos requisitos de medição dos contadores de água e gás, e dos taxímetros e analisadores de gases de escape, entram em vigor hoje, fazendo cumprir uma diretiva comunitária de 2014 que ameaçava levar Portugal a tribunal.

O decreto-lei publicado em Diário da República, e que transpõe, com atraso, a lei da União Europeia, cria também novas coimas para quem utilizar contadores não conformes com as novas regras de medição, incluindo empresas e os próprios consumidores, e que variam entre os mil euros e os quase 45 mil euros.

A disponibilização no mercado e/ou a colocação em serviço, por qualquer operador económico, de instrumentos de medição que não satisfaçam os novos requisitos, e a violação das regras de aposição da marcação CE nos contadores, vão ser sancionadas com “contraordenações puníveis com coima no valor de 1.000 a 3.740 euros, no caso de pessoas singulares, e de 2.500 a 44.890 euros, no caso de pessoas coletivas”, segundo o diploma.

Mas o diploma ressalva que os instrumentos de medição não conformes com as novas regras “podem ser apresentados” em feiras, exposições, demonstrações e outros eventos semelhantes, “desde que um letreiro visível indique claramente que esses produtos não cumprem os requisitos” exigidos e que “não são disponibilizados no mercado nem colocados em serviço antes de estarem em conformidade”.

A avaliação e o controlo dos organismos de avaliação da conformidade dos contadores passam a ser da responsabilidade do IPAC- Instituto Português de Acreditação, enquanto organismo nacional de acreditação, mas a fiscalização do cumprimento do disposto no decreto-lei hoje publicado compete à Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE), enquanto autoridade de fiscalização do mercado.

O diploma refere também que se, durante a avaliação dos contadores, a autoridade de fiscalização do mercado verificar que o instrumento de medição não cumpre os requisitos legais, “deve exigir imediatamente” que o operador económico e todas as medidas corretivas adequadas para o pôr em conformidade com esses requisitos, para o retirar do mercado ou para o recolher num prazo razoável por si fixado.

As novas regras entram em vigor hoje, mas o ministério da Economia, autor do decreto-lei, permite um regime transitório de adaptação: “Podem ser disponibilizados (…) os instrumentos de medição colocados no mercado antes de 20 de abril de 2016 que estejam conformes (…), até ao fim do prazo de validade da aprovação de modelo”.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Significado das próximas eleições para a Assembleia da República
Paulo Pisco
Deputado do PS
Incêndios rurais: prevenir é mesmo o melhor remédio
Miguel Freitas
Sec. de Estado das Florestas
Por um regresso seguro a casa
José Artur Neves
Sec. de Estado da Proteção Civil
DISCURSO DIRETO
A emigração portuguesa para a Holanda
Daniel Bastos, Historiador
PORTUGAL
Defesa de nova visão sobre as comunidades portuguesas
José Luís Carneiro
PORTUGAL
Um eterno e constante devir....
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ