ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Emigrantes na Venezuela 'já sofreram muito' e são bem-vindos em Portugal
Revista PORT.COM • 29-Jul-2017
Emigrantes na Venezuela 'já sofreram muito' e são bem-vindos em Portugal



O ministro dos Negócios Estrangeiros assegurou que os portugueses e lusodescendentes da Venezuela são "bem-vindos" em Portugal e defendeu que os governos da República e da Madeira têm "a responsabilidade de trabalhar" juntos para facilitar a sua integração.

"Os cidadãos portugueses e lusodescendentes que estão a regressar a Portugal e em particular à Região Autónoma da Madeira são bem-vindos. Temos o dever, a responsabilidade de trabalhar em conjunto para que as condições do seu acolhimento e integração sejam as melhores possíveis. Já sofreram muito, precisam agora do nosso apoio", declarou Augusto Santos Silva, no final de uma reunião entre responsáveis do Governo da República e do Governo madeirense, que decorreu ontem no Palácio das Necessidades, em Lisboa.

Neste encontro, o secretário regional dos Assuntos Parlamentares e Europeus, Sérgio Marques, comprometeu-se a apresentar a Lisboa, dentro de duas semanas, uma estimativa sobre as necessidades daquela região autónoma para responder ao afluxo de emigrantes, que o Governo regional estima representar entre 3.500 e 4.000 pessoas, até agora.

"Estamos a fazer essa quantificação. Iremos apresentar uma estimativa o mais rigorosa possível dentro de duas semanas", disse aos jornalistas, quando questionado sobre as verbas necessárias para responder à procura dos emigrantes regressados à Madeira.

Na reunião, que foi a terceira jornada do trabalho entre o Governo central e o da Madeira sobre esta matéria, participaram os secretários regionais dos Assuntos Parlamentares e Europeus, das Finanças, da Educação, da Saúde, e vários outros dirigentes de serviços madeirenses, enquanto do lado de Lisboa, estiveram presentes representantes dos ministérios dos Negócios Estrangeiros, Finanças, Educação, Saúde, Ensino Superior, Segurança Social e Economia.

"Estamos em melhores condições para que os nossos serviços possam trabalhar para chegar melhor às questões e para que o Governo da Região Autónoma da Madeira possa proceder a um levantamento preciso das necessidades físicas, técnicas e financeiras", disse Santos Silva.

Segundo o ministro, é preciso responder "à sobrecarga física e financeira que hoje já existe sobre o sistema de saúde da Madeira", bem como à necessidade de reconhecimento de habilitações escolares e de certificação das carreiras contributivas de pensionistas, e a questões relativas a habitação, emprego e formação profissional.

Por seu lado, o governante regional saudou a cooperação "exemplar e extremamente construtiva" entre as autoridades nacionais e madeirenses.

"Temos todos o dever indeclinável de acolher e integrar bem os compatriotas que regressam, numa situação particularmente difícil", declarou Sérgio Marques, que afirmou esperar que o regresso destes cidadãos a território nacional seja "temporário", comentando que esse é o desejo dos que têm chegado.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
A relação entre Portugal e a sua Diáspora...
José Luís Carneiro
Implicações políticas da participação eleitoral nas comunidades
Paulo Pisco
Deputado do PS
Porque não te calas?
José Caria
Diretor-Adjunto PORT.com
DISCURSO DIRETO
ENTREVISTA
Berta Nunes, secretária de Estado das Comunidades
PORTUGAL
ENTREVISTA
António Saraiva, Presidente da CIP
PORTUGAL
ENTREVISTA
Luís Faro Ramos, Presidente do Camões I.P.
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ