ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Governo português acompanha situação dos indocumentados dos EUA
Revista PORT.COM • 11-Set-2017
Governo português acompanha situação dos indocumentados dos EUA



A Casa Branca anunciou na passada terça-feira que vai terminar de forma gradual com o programa que protege 800 mil jovens indocumentados que chegaram aos EUA quando eram crianças, dando um prazo de seis meses para o Congresso encontrar uma solução legal para as pessoas protegidas pelo programa.

O Governo está a acompanhar com “calma e muita atenção” a decisão de Washington de terminar o programa que protege jovens indocumentados, insistiu o chefe da diplomacia portuguesa, que elogiou a iniciativa lançada pelo anterior Presidente norte-americano.

“Vamos aguardar com calma, mas com muita atenção, de modo a que possamos cumprir o nosso dever, que é proteger os nossos cidadãos que residem nos EUA, em particular crianças e adolescentes, que podem ser as vítimas principais de qualquer mudança inopinada na política norte-americana”, disse à Lusa o ministro dos Negócios Estrangeiros, que participou na reunião informal do Conselho de Ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia (‘Gymnich’), em Tallin, Estónia.

Augusto Santos Silva referiu que o processo “está numa fase muito inicial” e “ainda nem sequer está plenamente estabelecido do lado norte-americano” e, por isso, “é muito importante ainda perceber com clareza quais são as intenções e propósitos das autoridades norte-americanas”.

O governante português elogiou o programa ‘Deferred Action for Childhood Arrivals’ (DACA), criado há cinco anos pelo anterior Presidente, Barack Obama, que protege 800 mil jovens indocumentados – os chamados ‘dreamers’ (sonhadores).

O eventual cancelamento do programa deverá afetar centenas de portugueses, segundo estimativas de fontes da comunidade.

“O DACA é muito razoável, muito moderado, está muito longe de ser um processo de regularização dinâmica de imigrantes ilegais […]. Nos critérios europeus e portugueses, é um programa muito moderado”, considerou.

A iniciativa, continuou, “procura proteger pessoas, em particular crianças e jovens, que já estão nos Estados Unidos”, nomeadamente no processo de escolarização.

“Tem ajudado à integração de pessoas na sociedade americana e isso é positivo, como aliás a tradição histórica dos Estados Unidos mostra melhor que qualquer outra”, considerou.

Questionado sobre o impacto da decisão na comunidade portuguesa nos EUA, Santos Silva comentou que “naturalmente, as pessoas têm transmitido alguma ansiedade”.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
A Santa Casa da Misericórdia de Paris
Daniel Bastos
Historiador
Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades
José Cesário
Deputado
Ser português fora é ter Portugal dentro
Isabelle Coelho-Marques
Presidente da NYPALC
DISCURSO DIRETO
Portugal Maior
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
«Português é uma língua com valor universal»
Luís Faro Ramos, presidente do Instituto Camões
PORTUGAL
«A China está pronta para nos acolher»
José Augusto Duarte, Embaixador de Portugal na China
CHINA
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ