ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Portugal apontado como exemplo de como governar superando diferenças
Revista PORT.COM • 14-Nov-2017
Portugal apontado como exemplo de como governar superando diferenças



O Presidente colombiano, Juan Manuel Santos, apontou Portugal como um exemplo 'prático e esperançoso' de como se pode governar superando as diferenças, e comentou que na Colômbia o atual executivo português seria descrito como 'variopinta' (multicolorido).

"Portugal está a dar ao mundo um exemplo prático e esperançoso de como se pode governar e se pode legislar, de como se pode ser um Estado operante respeitando e abraçando as diferenças: vocês têm um tipo de Governo que na Colômbia descreveríamos como 'variopinta' (multicolorido), a que alguns prognosticavam um fracasso rotundo", declarou Juan Manuel Santos.

O chefe de Estado colombiano falava numa sessão realizada na Assembleia da República em sua honra, conduzida pelo antigo Presidente da República António Ramalho Eanes.

"Gosto de falar de paz em Portugal, porque esta é uma nação de alma pacífica, comprometida com as liberdades, com os direitos humanos (...) e gosto de falar de paz neste recinto, na Assembleia [da República], porque aqui se respira o ar da convivência democrática e harmónica", disse o Estadista, distinguido em 2016 com o prémio Nobel da Paz pela bem-sucedida negociação de um acordo de paz com as FARC (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia), principal guerrilha do país.

Recordou que mais de meio século de "guerra irregular entre o Estado e a guerrilha" fez no seu país "mais de oito milhões de vítimas e mais de 250.000 mortos que ainda pesam na memória".

"E as guerras longas têm uma coisa: embora sejam perversas, acabamos por habituar-nos a elas, acabamos por acostumar-nos às notícias dos atentados, dos massacres, dos combates, e transformam-se em parte do cenário quotidiano, correndo-se inclusivamente o risco de começarmos a perder - como nos aconteceu a nós, colombianos - um sentido tão importante na vida, o sentido da compaixão", frisou.

Por isso, tomou a seu cargo encetar "um processo de paz necessário" e, ao cabo de seis anos de conversações, conseguiu alcançar um acordo de paz para pôr fim "ao mais absurdo dos conflitos: aquele que opõe filhos de uma mesma nação".

Numa época em que se vivem tantos problemas a nível mundial, "a única notícia boa no mundo é a paz na Colômbia", observou Juan Manuel Santos, voltando a agradecer o apoio de Portugal e deixando também uma palavra de apreço pela ajuda da União Europeia, por ter "decidido tirar da lista de organismos terroristas as FARC".

Agora, notou, "o acordo de paz transformou-se num verdadeiro laboratório que poderá ser útil para a paz noutros cenários", por consagrar "o direito à justiça, à reparação e à não-repetição".

"Mais do que um pacto contra a guerra, foi um pacto de humanidade", resumiu, explicando que as vítimas lhe "ensinaram que é possível perdoar".

Salientou, contudo, que "o acordo é só o princípio", faltando "aplicá-lo da melhor forma possível", o que também pode apresentar dificuldades, que ilustrou citando José Saramago, "um grande português".

"Como escreveu Saramago, 'é muito mais fácil educar os povos para a guerra do que para a paz: para educar no espírito bélico, basta apelar aos instintos mais básicos; educar para a paz, implica ensinar a reconhecer o outro, a ouvir os seus argumentos, a entender as suas limitações, a negociar com ele, a chegar a acordos", sublinhou.

"Este é hoje o nosso maior desafio, como sociedade", apontou o Presidente colombiano, acrescentando: "Estou otimista, porque sei que os valores da unidade, do amor, da tolerância, da compaixão são, a longo prazo, muito mais poderosos que os seus opostos do medo, do ódio, da vingança, da exclusão".

Falava do processo de paz colombiano, mas indicou que se trata de "uma verdade universal que se pode aplicar no mundo, por exemplo, ao combate ao terrorismo ou à gestão das crises dos migrantes".


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Aqui, Brasil
Francisco Serra
Cônsul honorário de Portugal em Pelotas, Brasil
Condições mais favoráveis ao exercício do direito de voto
José Vítor Soreto de Barros
Presidente da Comissão Nacional de Eleições
Brasília, El Dorado Luso
Jack Soifer
Consultor Internacional
DISCURSO DIRETO
Um zacatrás por Portugal
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
Há condições para viver em Arcos de Valdevez
João Esteves, presidente da CM de Arcos de Valdevez
PORTUGAL
A comunidade portuguesa e a Venezuela
Paulo Pisco
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ