ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Presidente da República promulga Orçamento do Estado para 2018
Revista PORT.COM • 23-Dez-2017
Presidente da República promulga Orçamento do Estado para 2018



Marcelo Rebelo de Sousa confirmou a promulgação do Orçamento do Estado.

O Orçamento do Estado para 2018 foi votado na Assembleia da República, no passado dia 27 de novembro, e foi ontem promulgado pelo chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa, considerando que "não suscita questões e constitucionalidade que determinem a sua fiscalização preventiva".

Na nota publicada no portal da Presidência da República na Internet, o Chefe de Estado considera ainda que o diploma aprovado com votos a favor de PS, BE, PCP, PEV e PAN no dia 27 de novembro "traduz um compromisso, exprimindo uma clara maioria parlamentar" e "insere-se numa linha correta" de controlo orçamental.

Apesar da promulgação, Marcelo deixa quatro alertas ao Governo. Em primeiro lugar, o Chefe de Estado frisa que, "apesar do panorama positivo na economia europeia e mundial, a sua evolução em 2018 pode não ser tão favorável como em 2017". 

De seguida, realça que "a existência de duas eleições em 2019 não pode, nem deve significar cedência a eleitoralismos, que, além do mais, acabem por alimentar surtos sociais inorgânicos, depois difíceis de enquadrar e satisfazer". 

"O debate em torno das despesas de funcionamento do Estado não pode deixar de atender à igualdade de situações, sensatez orçamental e liberdade de escolha nas eleições parlamentares que definirão o Governo na próxima legislatura, em domínio em que não é aconselhável haver mudanças todos os quatro anos", acrescenta o Presidente na nota deixada na Presidência. 

Por último, Marcelo refere ainda que há "a necessidade de garantir duradouramente crescimento e emprego, e redução das desigualdades sociais, deve apontar para o papel crucial do investimento interno e externo, que o mesmo é dizer para o incentivo ao determinante tecido empresarial, em particular, às micro, pequenas e médias empresas, assim como para a prudência do sistema financeiro, nomeadamente quanto ao crédito imobiliário e ao consumo". 

No entanto, Marcelo Rebelo de Sousa "sublinha que o limite de endividamento público previsto no artigo 141º não pode ser ultrapassado pela execução orçamental, a menos que a Assembleia da República venha a alterá-lo, de acordo com a Constituição da República Portuguesa e com a lei".

Recorde-se que a votação final do documento teve o 'sim' favorável da maioria parlamentar de Esquerda que suporta o Governo, com os votos de PS, Bloco, PCP e PEV, mas também do partido que garantiu assento parlamentar nesta legislatura, o PAN.

Já o PSD e o CDS votaram contra o Orçamento do Estado, como já era esperado.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Significado das próximas eleições para a Assembleia da República
Paulo Pisco
Deputado do PS
Incêndios rurais: prevenir é mesmo o melhor remédio
Miguel Freitas
Sec. de Estado das Florestas
Por um regresso seguro a casa
José Artur Neves
Sec. de Estado da Proteção Civil
DISCURSO DIRETO
Monumentos ao emigrante em Portugal
Daniel Bastos, Historiador
PORTUGAL
Defesa de nova visão sobre as comunidades portuguesas
José Luís Carneiro
PORTUGAL
Um eterno e constante devir....
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ