ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Governo vai apelar às universidades para acelerarem equivalências de luso-venezuelanos
Revista PORT.COM • 11-Fev-2018
Governo vai apelar às universidades para acelerarem equivalências de luso-venezuelanos



O secretário de Estado das Comunidades comprometeu-se, perante cerca de 200 luso-venezuelanos, a interceder junto dos estabelecimentos de ensino superior nacionais com vista à agilização do reconhecimento de competências dos diplomados na Venezuela regressados a Portugal.

O compromisso de José Luís Carneiro surgiu num encontro que levou cidadãos dos dois países ao Centro Luso-Venezolano, em Santa Maria da Feira, onde o tema das equivalências universitárias foi apontado pela organização como o que motivou mais perguntas pelos participantes - inclusive por parte de Isabel Azevedo, que tendo regressado da Venezuela há três anos, declarou que dezenas de profissionais licenciados nesse país pagam valores na ordem dos "300 a 500 euros" para verem reconhecidas as suas competências académicas em Portugal e se deparam depois com processos burocráticos que se arrastam por "seis meses a um ano".

"As pessoas que vêm para aqui muitas vezes não têm dinheiro para isso e não estão a pedir nada, nem querem subsídios. Só querem é canais para se integrarem", afirmou a lusodescendente, antes de outros interlocutores apontarem o Chile e a Argentina como territórios onde as equivalências de venezuelanos foram agilizadas atendendo à crise nesse país.

Após o relato de Isabel Azevedo, que foi também aquele que mais agitou a plateia durante o evento, o secretário de Estado começou por realçar que o Governo não pode interferir na "autonomia universitária", assumindo, em seguida, o compromisso de "interpelar, numa perspetiva de cooperação, o Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas, o Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos e a Associação Portuguesa do Ensino Superior Privado, para avaliar se é possível agilizar os mecanismos de validação e reconhecimento de equivalências e competências escolares".

José Luís Carneiro insistiu, no entanto, que todos os casos pessoais de lusodescendentes que se encontrem nessa e noutras situações por regularizar - seja no contexto da formação profissional, da saúde, da habitação ou das suas pensões sociais, por exemplo - sairão sempre beneficiados se o seu primeiro passo for contactar os gabinetes municipais de apoio ao emigrante.

"Assim serão encaminhados para a estrutura regional da Direção-Geral dos Serviços Consulares e das Comunidades Portuguesas, porque é a partir dela que poderemos encaminhar as várias questões [para os serviços competentes]", explica o governante.

Quanto aos comentários recentes do deputado social-democrata José Cesário, que foi secretário de Estado das Comunidades no governo de Passos Coelho e esta semana defendeu que "há em Portugal pessoas com responsabilidades a nível político que nos últimos tempos têm desvalorizado a gravíssima situação da Venezuela", José Luís Carneiro mostrou não se rever nessas acusações.

"José Cesário tem reconhecido publicamente, nomeadamente no parlamento, o esforço do Estado Português para apoiar a comunidade portuguesa na Venezuela", observou o atual governante.

"Aliás, este tema é de tal relevo nacional que não podemos permitir que questões de natureza político-partidária se instalem numa matéria de tao grande sensibilidade", concluiu.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Emigração traz riqueza
Jack Soifer
Jack Soifer, Consultor internacional
Mudanças na legislação eleitoral, conquista ou oportunidade perdida?
José Cesário
Deputado
O Festival Kunchi e os laços ancestrais entre Portugal e o Japão
Daniel Bastos
Historiador
DISCURSO DIRETO
Macau, ponto focal do comércio Portugal-China
Paulo Alexandre Ferreira, Secretário de Estado Adjunto e do Comércio
PORTUGAL
Importância estratégica de Macau
José Caria, Diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
«Adega Mayor representa uma aposta de crescimento»
Rita Nabeiro, Diretora da Adega Mayor
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ