ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

25 de Abril: 44 anos de Liberdade
Revista PORT.COM • 25-Abr-2018
25 de Abril: 44 anos de Liberdade



A efeméride celebra-se um pouco por todos o país, com destaque para as cerimónias oficiais em Lisboa.

Os portugueses celebram hoje o 44.º aniversário do 25 de Abril que, na capital portuguesa, é assinalado com a tradicional sessão solene no parlamento, a inauguração do jardim Mário Soares e o desfile na Avenida da Liberdade.

O presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, abriu a sessão no hemiciclo, depois de a Banda da GNR executar o Hino Nacional, nos Passos Perdidos.

Ferro Rodrigues começou por saudar os capitães de abril. 

«Eramos todos muito jovens. E ainda aqui estamos, 44 anos depois, sempre prontos para os combates da democracia», disse o presidente da Assembleia.

«44 anos depois, o regime democrático português mostra que tem sempre soluções, mesmo nos momentos mais difíceis», destacou Ferro Rodrigues durante o seu discurso, realçando o papel do Presidente da República: «Tem uma importante quota parte nos méritos de Portugal nos últimos anos».

A sessão solene terminou com o discurso do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que se centrou em três reflexões. Primeiro, Marcelo Rebelo de Sousa lembrou que «a Europa perdeu sempre em dividir-se e ganhou pouco em unir-se, em convergir» e que os europeus devem defender a paz e tomar decisões sem nunca «esquecer o mais importante: os europeus.» 

Numa segunda reflexão, o Presidente alertou para o papel das Forças Armadas, que considera «um fator de identidade nacional importante para o presente e futuro do país e não como é vista por alguns como uma reminiscência do passado».

Marcelo alertou depois para a necessidade de «renovação do sistema político, em que os políticos antecipem os desafios e não esqueçam a necessidade de permanente proximidade dos cidadãos». Isso, lembrou o Presidente, é fundamental para evitar o crescimento de populismos e de um discurso anti sistémico que abale o equilíbrio de poderes, fundamental em democracia.

No final da sessão ouviu-se ainda a canção de José Afonso, “Grândola”, entoada pelos deputados do PS e BE e a canção "Traz outro amigo também", interpretada pelo Coro dos Antigos Orfeonistas da Universidade de Coimbra.

Esta foi a terceira vez que o chefe de Estado discursou na sessão solene do 25 de Abril.

 

Jardim Mário Soares

Do parlamento, Marcelo Rebelo de Sousa, o primeiro-ministro, António Costa, e o presidente da Assembleia da República seguiram para a zona sul do jardim do Campo Grande, onde foi inaugurado o jardim Mário Soares. Na cerimónia de inauguração das obras, que representaram um investimento de 1,2 milhões de euros, estava também o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina.

O projeto para a zona sul do Campo Grande, que incide sobre uma área com 61.714 metros quadrados, assentou no redesenho do jardim, com a simplificação e sistematização da estrutura construída e da estrutura vegetal.

Acresceu uma «aposta na circulação pedonal e na utilização da zona interior do jardim, com o reforço da iluminação natural e ampliação das zonas verdes, havendo também uma melhoria no isolamento sonoro e visual», refere a Câmara de Lisboa.

Foi ainda instalado um sistema de iluminação noturno para reforço da segurança e utilização do espaço, bem como novo mobiliário urbano (bancos e papeleiras).

 

Entre a Assembleia da República e o Palácio de São Bento

Ao longo da tarde, o Marquês de Pombal vai ser palco do tradicional desfile popular, organizado pela Associação 25 de Abril. Sob o lema "Abril de novo, com a força do povo", o desfile segue até ao Rossio. 

Este ano, às habituais presenças do secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, e da coordenadora nacional do BE, Catarina Martins, junta-se o ex-ministro das Finanças do governo grego liderado por Tsipras, em 2015, Yanis Varoufákis. 

Também à tarde, o parlamento abre as portas ao público para visitas livres e atividades culturais. 

Pela primeira vez, os visitantes podem circular entre o edifício da Assembleia da República e a residência oficial do primeiro-ministro, espaços ligados por jardins comuns e, seguindo um itinerário pré-definido, podem conhecer alguns espaços do Palácio de São Bento que habitualmente não estão abertos ao público.

Estão previstas atuações musicais do Coro dos Antigos Orfeonistas da Universidade de Coimbra e da Orquestra Juvenil da Academia Musical dos Amigos das Crianças. Uma exposição sobre o "Mosteiro de São Bento da Saúde: de casa religiosa a sede do parlamento", que assinala os 400 anos do edifício onde hoje está sediada a Assembleia da República, será uma das mostras patentes ao público neste dia 25 de Abril. 

Na residência oficial do primeiro-ministro, os visitantes podem ver a chaimite Bula, que foi comandada pelo capitão Salgueiro Maia nas operações militares em 25 de Abril de 1974 e um espaço dedicado ao Orçamento Participativo Portugal 2018.

A chaimite Bula, que também transportou o último presidente do Conselho do Estado Novo, Marcello Caetano, quando saiu do Quartel do Carmo após a rendição, está estacionada nos jardins de São Bento ao lado de um conjunto de fotografias de alguns dos momentos mais marcantes do dia da revolução. 

 

Fotos ©Lusa, JN e Observador


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Macau: uma oportunidade ainda a descobrir
Alberto Carvalho Neto
Presidente da AJEPC
A importância da participação eleitoral nas comunidades
José Luís Carneiro
SECP
4 pilares para a prevenção de Alzheimer
George Perry
Diretor da Fac. de Ciências da Univ. do Texas
DISCURSO DIRETO
A preservação da memória e identidade da emigração portuguesa na toponímia
Daniel Bastos, Historiador
PORTUGAL
Portugal a votos
José Caria, Diretor-Adjunto da PORT.com
PORTUGAL
Lusos em Luanda
Jack Soifer, Consultor Internacional
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ