ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Haddad diz que Portugal é exemplo de superação da política de austeridade
Revista PORT.COM • 17-Out-2018
Haddad diz que Portugal é exemplo de superação da política de austeridade



Segundo o candidato às presidenciais brasileiras, «o que foi desenvolvido [em Portugal] é um exemplo importante para todos nós e vem de encontro ao que também defendemos».

O candidato Fernando Haddad, do Partido dos Trabalhadores (PT), assume que se for eleito na segunda volta das presidenciais brasileiras vai reforçar a relação de proximidade do Brasil com Portugal, numa perspetiva de combate à política de austeridade.

«Pretendemos reforçar estas relações e se aproximar numa perspetiva de enfrentamento bem-sucedido à política de austeridade, desenvolvido pelo governo português quando esta [política] lhe foi imposta durante a crise de 2009 – 2010», afirmou o candidato, numa resposta por escrito a uma questão colocada pela agência Lusa.

«O que foi desenvolvido [em Portugal] é um exemplo importante para todos nós e vem de encontro ao que também defendemos», acrescentou.

Sobre as negociações de um acordo de livre comércio entre o Mercosul - bloco económico fundado pelo Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai - e a União Europeia (EU), o candidato disse que se for eleito apoiará «todos os acordos destinados a ampliar comércio e investimentos mútuos, desde que tais acordos sejam simétricos e beneficiem os setores produtivos nacionais».

«O plano de Governo não apoia acordos assimétricos que contenham cláusulas, como as relativas ao regime jurídicos dos investimentos externos, compras governamentais e propriedade intelectual, que impeçam o Estado brasileiro de desenvolver políticas de desenvolvimento, de ciência e tecnologia e de industrialização", acrescentou.

Nesse sentido, Haddad, que disputa a segunda volta das presidenciais brasileiras contra o candidato Jair Bolsonaro, do Partido Social Liberal (PSL), avaliou que «é muito pior um acordo ruim, que comprometerá nosso desenvolvimento e nossa soberania, que nenhum acordo».

«No caso específico do acordo com a UE, também preocupa-nos o manto de sigilo que vem cercando ultimamente as negociações. Na gestão Haddad, tais negociações terão de ser transparentes e deverão contar com participação ativa de trabalhadores urbanos e rurais, empresários, intelectuais, parlamentares, ONG especializadas», apontou.

«Esperamos chegar a um acordo equilibrado com a UE e com todos os outros blocos econômicos e países», concluiu.

Haddad pretende também retomar parcerias com África iniciadas por Lula da Silva.

«A relação com os países africanos será de parceria e respeito. O Brasil tem uma dívida política histórica com a África, particularmente, com Angola, Moçambique, Cabo Verde, Guiné-Bissau e São Tomé e Príncipe, desde o escravagismo», sublinhou o candidato.

«Poderíamos ter contribuído mais no passado para que estes países alcançassem sua independência e desenvolvimento. O Plano de Governo defende que devemos prosseguir com a política de parceria em relação a eles [países africanos] iniciada durante o governo do Presidente Lula [da Silva]», acrescentou.

Haddad também assume ser favorável a mudanças na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

«Queremos que a CPLP avance para além de sua afinidade cultural e linguística que esteve mito presente na sua criação para uma relação também económica, comercial, de promoção de investimentos e de cooperação para o desenvolvimento, entretanto, considerando as assimetrias que existem entre os países da comunidade, bem como a sua soberania», apontou.

O sucessor do ex-Presidente Lula da Silva - preso por corrupção e proibido pela Justiça de participar das eleições após ser condenado em segunda instância - na lista do PT, segue em desvantagem na última sondagem divulgada na semana passada pelo Instituto Datafolha, com 42% das intenções de voto, 16 pontos percentuais atrás de Bolsonaro (58%) na preferência dos eleitores.

A segunda volta das eleições presidenciais do Brasil acontece no próximo dia 28 de outubro.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Aqui, Brasil
Francisco Serra
Cônsul honorário de Portugal em Pelotas, Brasil
Condições mais favoráveis ao exercício do direito de voto
José Vítor Soreto de Barros
Presidente da Comissão Nacional de Eleições
Brasília, El Dorado Luso
Jack Soifer
Consultor Internacional
DISCURSO DIRETO
Um zacatrás por Portugal
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
Há condições para viver em Arcos de Valdevez
João Esteves, presidente da CM de Arcos de Valdevez
PORTUGAL
A comunidade portuguesa e a Venezuela
Paulo Pisco
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ