ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Atribuições de nacionalidade portuguesa a venezuelanos sobe desde 2015
Revista PORT.COM • 26-Nov-2018
Atribuições de nacionalidade portuguesa a venezuelanos sobe desde 2015



Apenas um pedido de um cidadão venezuelano foi indeferido e 41 foram concedidos em nove meses deste ano.

As atribuições de nacionalidade portuguesa a venezuelanos e lusodescendentes está a aumentar desde 2015, ocasião em que a Venezuela caiu numa crise económica, política e social, segundo dados estatísticos do Instituto dos Registos e do Notariado (IRN).

Até setembro, o IRN concedeu já 232 pedidos de nacionalidade portuguesa a cidadãos venezuelanos e de filhos de mãe portuguesa ou pai português nascidos na Venezuela. Apenas um pedido de um cidadão venezuelano foi indeferido e 41 foram concedidos em nove meses deste ano. Nos lusodescendentes, 191 receberam decisão favorável e também um não reuniu as condições para a concessão da nacionalidade portuguesa.

Em 2017, o IRN registou um total de 334 pedidos de nacionalidade portuguesa, 274 venezuelanos com residência em Portugal e 60 não residentes. Um total de 17 foi indeferido. Os dados estatísticos de 2016 referem que 209 cidadãos da Venezuela com residência em Portugal requereram a atribuição de nacionalidade (oito indeferimentos) e 54 não residentes (seis sem a concessão).

O IRN deferiu 137 pedidos de nacionalidade portuguesa de venezuelanos e lusodescendentes, 112 de residentes em Portugal e 25 não residentes, enquanto 20 foram negados.

A crise económica e social obrigou já centenas de milhares de pessoas a abandonarem a Venezuela. Muitos viajaram para o Brasil, entre eles portugueses.

A comunidade portuguesa na Venezuela é constituída por meio milhão de portugueses e lusodescendentes.

«São mais de mil os portugueses que abandonaram a Venezuela», afirmou a conselheira do Conselho das Comunidades Portuguesas na Venezuela, Maria de Lurdes Almeida, destacando que «os jovens, principalmente, querem sair», porque «não veem muito futuro». A conselheira na Venezuela disse que «as filas às portas do Consulado» português em Caracas para «tramitar a documentação» são enormes, o que «antes não acontecia».

Grande parte dos emigrantes portugueses e lusodescendentes na Venezuela regressados a Portugal está na Madeira e no distrito de Aveiro. Na Madeira, o Governo Regional estima que, desde 2015, tenham retornado cerca de 6.000 portugueses.

Em fevereiro, um estudo da Hercon Consultores indicava que a economia venezuelana se agravou desde 2014, com 89,5 dos venezuelanos a não conseguirem rendimentos suficientes para assegurar as necessidades básicas e a inflação a fixar-se acima dos 800% por ano.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Mensagem de Natal para os leitores da revista PORT.COM
Marcelo Rebelo de Sousa
Presidente da República
Manaus, seiva d'ouro
Jack Soifer
Consultor Internacional
Oportunidade de encontro com o país e com uma região
José Luís Carneiro
Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas
DISCURSO DIRETO
Quo Vadis?
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
«Tinha o sonho de ter um hotel em NY e consegui concretizá-lo»
Alfredo Pedro, empresário
PORTUGAL
«A CPLP oferece um extraordinário e estratégico instrumento»
Secretária Executiva da CPLP
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ