ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Portugal coordena com outros países reconhecimento de Guaidó
Revista PORT.COM • 03-Fev-2019
Portugal coordena com outros países reconhecimento de Guaidó



O prazo dado por Portugal e outros cinco países europeus para marcação de eleições presidenciais na Venezuela termina hoje, pelo que na amanhã haverá um «reconhecimento político» individual, mas coordenado, ao opositor Juan Guiadó, disse o Governo português.

Após o fim do prazo de oito dias (a contar desde o dia 26) dado por Portugal, Espanha, França, Alemanha, Holanda e Reino Unido ao Presidente venezuelano, Nicolás Maduro, «será feito aquilo que o ultimato diz, que é reconhecer a autoridade do presidente da Assembleia Nacional [Juan Guaidó], nos termos da Constituição venezuelana», disse o ministro dos Negócios Estrangeiros português, Augusto Santos Silva.

Ainda assim, Portugal «não reconhece juridicamente governos, reconhece Estados», pelo que «não estamos a falar de uma questão jurídica e de Direito Internacional», mas sim de «um reconhecimento político», explicou o governante, que falava no final de uma reunião informal com outros homólogos da União Europeia (UE) em Bucareste, na Roménia.

Trata-se, assim, de «uma decisão nacional de cada Estado-membro», acrescentou.

«Evidentemente, os países que acompanharam a calendarização do ultimato [...] procurarão coordenar as suas decisões soberanas de forma a que, na segunda-feira, falemos todos a uma só voz porque isso dá muita força», adiantou o responsável.

Augusto Santos Silva reiterou que «só há uma saída para a crise política na Venezuela, que é a realização de eleições presidenciais, tão brevemente quanto possível, e segundo regras credíveis».

Por essa razão, na quinta-feira, a UE «renovou o apelo para que Nicolás Maduro aceite participar nesse processo», assinalou o governante.

Entretanto, a chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, anunciou a constituição de um grupo de contacto internacional para alcançar, em 90 dias, uma saída pacífica e democrática para a crise na Venezuela com a realização de eleições presidenciais.

O grupo integra, do lado europeu, a UE e Estados-membros como Portugal, Espanha, França, Itália, Alemanha, Reino Unido, Holanda e Suécia e, do lado latino-americano, Bolívia, Costa Rica, Equador e Uruguai, mas novos membros deverão ser anunciados nos próximos dias.

A primeira reunião do grupo, a nível ministerial, realiza-se na próxima semana.

Falando sobre este grupo, Augusto Santos Silva afirmou que o interlocutor venezuelano da UE é Juan Guaidó.

«O tempo de Maduro já passou e a questão é saber se a transição que é inevitável na Venezuela - porque o regime perdeu qualquer apoio popular e social e qualquer legitimidade política - se pode fazer de forma pacífica, sem confrontação interna, nem intervenção externa», adiantou Santos Silva.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
A CPLP mais perto das pessoas
Francisco Ribeiro Telles
Secretário Executivo da CPLP
Gestão multicultural das equipas
António Cunha Meneses Abrantes
Professor Auxiliar na ICN Business School de Nancy
Já se ouve o Fado na Eslovénia
João Pita Costa
Editor da revista luso-eslovena Sardinha
DISCURSO DIRETO
Memórias e recordações da emigração portuguesa na Alemanha
Daniel Bastos
PORTUGAL
«Existe muita exploração laboral perpetrada por portugueses»
Luísa Semedo
FRANÇA
«Mercado chinês tem potencial para as empresas portuguesas»
José Augusto Duarte
CHINA
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ