ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Termina o prazo dado por Portugal e outros países da UE a Nicolas Maduro
Revista PORT.COM • 03-Fev-2019
Termina o prazo dado por Portugal e outros países da UE a Nicolas Maduro



O prazo dado por Portugal e outros cinco países da União Europeia (UE) ao Presidente da Venezuela para convocar eleições presidenciais termina hoje, 3 de fevereiro, um dia depois de milhares de pessoas terem saído à rua em Caracas em manifestações de apoio e de oposição ao regime.

Termina hoje, dia 3 de fevereiro, o prazo dado pelos seis países da União Europeia - Portugal, Espanha, França, Alemanha, Holanda e Reino Unido - ao presidente venezuelano Nicolas Maduro, para convocar eleições presidenciais no país, precisamente um dia depois de milhares de pessoas terem saído à rua em Caracas em manifestações de apoio e de oposição ao regime.

O ministro português dos Negócios estrangeiros já tinha deixado bem claro no final da semana que após terminado este prazo seria reconhecida a autoridade do presidente da Assembleia Nacional Juan Guaidó, nos termos da Constituição venezuelana.

Recorde-se que já o Parlamento Europeu tinha reconhecido Juan Guaidó como Presidente interino da Venezuela, depois de o presidente do parlamento venezuelano assim se ter autoproclamado, e pediu também à União Europeia para rejeitar a legitimidade de Nicolas Maduro, dada a forma como decorreram as últimas eleições.

A União Europeia já tinha ameaçado com a adoção de medidas adicionais, se Nicolas Maduro não apresentasse até hoje um plano para a realização de eleições livres e democráticas, por considerar que o ato eleitoral de maio de 2018 não foi «livre, justo nem credível», faltando assim legitimidade ao líder do governo para cumprir o seu segundo mandato.

Nicolas Maduro continua a manter a posição de que não tenciona marcar novas eleições, mas mostrou-se disponível para negociar com a oposição e aparentemente continua a contar com o apoio das forças armadas venezuelanas.

No entanto, a declaração também este fim-de-semana, por parte do general da Força Aérea da Venezuela, Francisco Estéban Yánez Rodríguez, de apoio a Juan Guaidó, tornando-se, até agora, no oficial de mais alta patentea afastar-se de Nicolás Maduro poderá ser um forte indício de que as coisas estão definitivamente a mudar.

Através de vídeo partilhado nas redes sociais, Francisco Estéban Yánez Rodríguez afirmou que «90% das forças armadas não estão com o ditador, estão com o povo da Venezuela», e apelou aos militares que «não reprimam mais».


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
A CPLP mais perto das pessoas
Francisco Ribeiro Telles
Secretário Executivo da CPLP
Gestão multicultural das equipas
António Cunha Meneses Abrantes
Professor Auxiliar na ICN Business School de Nancy
Já se ouve o Fado na Eslovénia
João Pita Costa
Editor da revista luso-eslovena Sardinha
DISCURSO DIRETO
Memórias e recordações da emigração portuguesa na Alemanha
Daniel Bastos
PORTUGAL
«Existe muita exploração laboral perpetrada por portugueses»
Luísa Semedo
FRANÇA
«Mercado chinês tem potencial para as empresas portuguesas»
José Augusto Duarte
CHINA
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ