ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Prémio Carlos Magno para Guterres é honra para Portugal
Revista PORT.COM • 31-Mai-2019
Prémio Carlos Magno para Guterres é honra para Portugal



«É um prémio muito importante e que sinaliza bem o contributo que António Guterres deu para a unidade europeia», salientou o primeiro-ministro António Costa na cerimónia de entrega do prémio, em Aachen, na Alemanha.

O primeiro-ministro, António Costa, considerou que a atribuição do Prémio Carlos Magno a António Guterres é «motivo de orgulho» para Portugal e também «uma mensagem política muito importante» para o reforço do papel da União Europeia na cena internacional.

«Eu acho que é um motivo de orgulho para todos nós termos finalmente um português a receber o Prémio Carlos Magno, que é um prémio muito importante e que sinaliza bem o contributo que António Guterres deu para a unidade europeia», declarou o primeiro-ministro aos jornalistas, no final da cerimónia de entrega do galardão ao secretário-geral da ONU, em Aachen, Alemanha.

Costa observou que «não é seguramente por acaso» que António Guterres é o primeiro português primeiro a receber este prémio, tal com foi o primeiro português a ser eleito secretário-geral da ONU, «e isso significa o grande compromisso que ele tem com os valores que, como ele aqui evocou, sempre se bateu desde a sua juventude, e a forma como ganhou e construiu um prestigio internacional muito relevante, o que não deixa de ser obviamente importante para Portugal».

O chefe de Governo considerou que a atribuição a Guterres do Prémio Carlos Magno, pela sua defesa do modelo europeu de sociedade, do pluralismo, tolerância e diálogo, «também é uma mensagem política muito importante».

«Em primeiro lugar, de como a União Europeia é fundamental para reforçar o multilateralismo, de como é essencial para termos um mundo mais solidário, que respeite o principio do estado de direito, da boa convivência entre os povos, reforçar as Nações Unidas, e também - uma prioridade clara em todos os discursos –, a necessidade de focarmo-nos no combate às alterações climáticas, de reforçar o nosso modelo social para assegurar uma boa transição para a sociedade digital com coesão, e a necessidade de não nos fecharmos sobre nós próprios, e, pelo contrário, nunca nos esquecermos que o estatuto internacional dos refugiados foi criado precisamente para proteger os europeus vítimas da II Guerra Mundial», disse.

Na sua intervenção, após ser galardoado, o secretário-geral da ONU, António Guterres, apelou à Europa que defenda com mais vigor o multilateralismo, atualmente «sob fogo» na cena mundial, garantindo que, pela sua parte, continuará a defender de forma apaixonada o pluralismo e a tolerância.

Guterres insistiu na necessidade imperiosa de uma agenda multilateral «nestes tempos de grande ansiedade e desordem geopolítica», e argumentou que a União Europeia tem uma responsabilidade acrescida na sua defesa, até por ser «pioneira, mas também um posto avançado do multilateralismo e o primado do direito».

«Como secretário-geral das Nações Unidas, nunca senti tão claramente a necessidade de uma Europa forte e unida», disse, apontando que o mundo enfrenta atualmente «três desafios sem precedentes» que agravam os riscos de confrontação e exigem respostas vigoras: as alterações climáticas – que classificou como sendo «hoje uma questão de vida ou morte» -, a demografia e migrações, e a era digital.

 

Marcelo felicita Guterres

Segundo uma nota divulgada no portal da Presidência da República na Internet, o chefe de Estado «enviou uma mensagem calorosa» a António Guterres, «primeiro galardoado português» com este prémio, que é atribuído desde 1950 a personalidades que tenham contribuído para a unidade do continente europeu.

Marcelo Rebelo de Sousa defende que, neste momento, «é particularmente relevante e significativa a atribuição a António Guterres do prestigiado prémio - na senda de personalidades que tanto contribuíram para a unidade da Europa como Jean Monet, Konrad Adenauer, Winston Churchill, François Mitterrand, Papa João Paulo II, Angela Merkel e Emmanuel Macron».


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Significado das próximas eleições para a Assembleia da República
Paulo Pisco
Deputado do PS
Incêndios rurais: prevenir é mesmo o melhor remédio
Miguel Freitas
Sec. de Estado das Florestas
Por um regresso seguro a casa
José Artur Neves
Sec. de Estado da Proteção Civil
DISCURSO DIRETO
Monumentos ao emigrante em Portugal
Daniel Bastos, Historiador
PORTUGAL
Defesa de nova visão sobre as comunidades portuguesas
José Luís Carneiro
PORTUGAL
Um eterno e constante devir....
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ