ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Portuguesa integra comissão da ONU para investigações na Síria
Revista PORT.COM • 15-Set-2019
Portuguesa integra comissão da ONU para investigações na Síria



A Organização das Nações Unidas (ONU) anunciou o início dos trabalhos da comissão de inquérito aos acontecimentos na província de Idlib, na Síria, para 30 de setembro, com um grupo que será integrado pela portuguesa Marta Santos Pais.

A comissão de inquérito fará uma investigação aos acontecimentos em Idlib, a última província dominada pelo grupo extremista Estado Islâmico na Síria, para determinar os factos de 17 de setembro de 2018, quando ataques aéreos destruíram infraestruturas da ONU e alvos civis.

A comissão será dirigida pelo tenente-general Chikadibia Isaac Obiakor da Nigéria e integra a representante especial do secretário-geral da ONU sobre violência contra as crianças, a advogada portuguesa Marta Santos Pais, e a assistente de operações do Alto-Comissário para os Refugiados, Janet Lim, de Singapura.

A investigação vai produzir documentos internos para o secretariado da ONU e para informação do secretário-geral, António Guterres, restritos à divulgação pública.

Os investigadores vão ter o apoio do major-general Fernando Ordoñez, do Peru e do antigo chefe regional da Comité Internacional da Cruz Vermelha, Pierre Ryter, da Suíça.

O anúncio foi feito na passada sexta-feira, em conferência de imprensa, pelo porta-voz de António Guterres, que acrescentou que a informação já foi transmitida aos governos da Síria, Rússia e Turquia, que tinham concordado na criação de uma "zona desmilitarizada" em Idlib, em setembro do ano passado.

A comissão interna vai trabalhar a partir da sede da ONU, em Nova Iorque e terá liberdade para organizar o próprio trabalho, que começa a 30 de setembro, mas ainda não existem informações sobre viagens à Síria.

A ONU não pode garantir, mas espera que os especialistas tenham acesso aos locais dos incidentes que vão ser investigados, disse o porta-voz do secretário-geral, Stephane Dujarric.

O porta-voz sublinhou que "é importante saber que as comissões de inquérito não são órgãos judiciais, não são investigações criminais, não determinam conclusões jurídicas e não consideram questões de responsabilidade legal. A sua função é averiguar os factos".

Os resultados da comissão de inquérito vão servir de ajuda para a ONU ajustar as políticas, procedimentos ou protocolos caso haja necessidade, acrescentou Stephane Dujarric.

A ONU avança assim com uma investigação à região do noroeste da Síria, depois de mais de dois terços dos 192 Estados-membros da ONU terem expressado preocupação e vontade de determinar os factos ocorridos no ano passado.

Cerca de três milhões de pessoas vivem em Idlib e, segundo a ONU, só nos últimos três meses, mais de 400.000 estão deslocadas no interior da província, que é controlada na sua maior parte pelo grupo 'jihadista' Hayat Tahrir al-Sham (HTS, ex-braço sírio da Al-Qaida).

Em setembro de 2018, mais de 30.000 habitantes de Idlib abandonaram as suas casas, fugindo aos tiros de artilharia das forças do regime sírio e aos ataques aéreos do seu aliado russo na província.

 


Etiquetas
Partilhar

NOTÍCIAS RELACIONADAS
OPINIÃO
Macau: uma oportunidade ainda a descobrir
Alberto Carvalho Neto
Presidente da AJEPC
A importância da participação eleitoral nas comunidades
José Luís Carneiro
SECP
4 pilares para a prevenção de Alzheimer
George Perry
Diretor da Fac. de Ciências da Univ. do Texas
DISCURSO DIRETO
A preservação da memória e identidade da emigração portuguesa na toponímia
Daniel Bastos, Historiador
PORTUGAL
Portugal a votos
José Caria, Diretor-Adjunto da PORT.com
PORTUGAL
Lusos em Luanda
Jack Soifer, Consultor Internacional
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ