ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Cheias do Mondego são «problema nacional» que exige novas soluções
Revista PORT.COM • 29-Dez-2019
Cheias do Mondego são «problema nacional» que exige novas soluções



Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou este fim de semana que as cheias no Baixo Mondego são «um problema nacional» que exige soluções diferentes das do passado.

«Se o problema é maior, as soluções não são exatamente as mesmas do passado», referiu o Presidente da República aos jornalistas, em Formoselha, no concelho de Montemor-o-Velho, após ter visitado alguns dos locais mais atingidos pelas cheias da semana passada.

Marcelo destacou ainda o trabalho do poder local, que «esteve presente» na realização das ações mais urgentes para minimizar a devastação causada pela subida das águas do rio Mondego, e considerou que também «o Governo percebeu a importância do que se passou».

Nas suas deslocações pelas localidades e pelos campos do Baixo Mondego, alguns ainda submersos, o Presidente da República teve a companhia do ministro do Ambiente e da Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, e dos presidentes dos municípios de Montemor-o-Velho e Soure, Emílio Torrão e Mário Jorge Nunes, respetivamente, entre outros autarcas.

Segundo Marcelo Rebelo de Sousa, as populações afetadas «estiveram solidárias» com as autarquias da região e seus representantes, enquanto o poder local, por sua vez, estando «mais próximo» dos cidadãos, respondeu às necessidades imediatas com os meios disponíveis.

A extensão dos danos provocados pelas cheias «agora é diferente», disse, admitindo também que as populações «estão atualmente mais exigentes» do que nas últimas décadas, quando outros desastres naturais idênticos afetaram a região, antes e depois de iniciadas as obras do projeto hidroagrícola do Baixo Mondego, há cerca de 40 anos.

«Isso é a democracia. A exigência subiu no tempo», sublinhou o chefe de Estado, que, nas paragens em diferentes localidades, ao longo da tarde inteira, procurou ouvir os populares, confortando-os com palavras, beijos e abraços.

Em Formoselha, foi abordado por José Pimentel, um bancário residente nesta povoação da freguesia de Santo Varão, concelho de Montemor-o-Velho.

Emocionado, este bancário de 64 anos disse a Marcelo Rebelo de Sousa que «já tinha perdido tudo» nas cheias de 2011.

Pela segunda vez, em menos de 20 anos, «fiquei agora sem nada novamente, isto é triste», afirmou.

Para José Pimentel, «é preciso instalar duas bombas junto à estação ferroviária de Alfarelos», na Linha do Norte, a fazer a trasfega de água do rio Ega para o Mondego.

«É igualmente necessário proceder ao desassoreamento do Ega», que está congestionado com inertes, corroborou António Lopes Marques, de 79 anos.

Na sequência da passagem das depressões Elsa e Fabien, Marcelo Rebelo de Sousa divulgou uma nota a dar conta de que estava a acompanhar a situação do mau tempo em Portugal, em particular no Baixo Mondego, onde a rutura de dois diques provocou cheias, e prometeu deslocar-se àquela região.

Na véspera de Natal, anunciou que iria fazer ontem (28 de dezembro) essa visita, declarando: «Vou observar, vou ver e vou contactar com a realidade, conforme prometi, no tempo adequado, que é estabilizada a situação e não durante o período crítico -- exatamente o mesmo que adotei em relação aos incêndios. Entendo que ganho em perceber o que se passou e aquilo que está a ser pensado».

Os efeitos do mau tempo provocaram três mortos e deixaram 144 pessoas desalojadas e outras 352 deslocadas por precaução, registando-se mais de 11.600 ocorrências, na maioria inundações e quedas de árvores.

O mau tempo, provocado pela depressão Elsa, entre os dias 18 e 20, a que se juntou no dia 21 a depressão Fabien, provocou também condicionamentos na circulação rodoviária e ferroviária, bem como danos na rede elétrica, afetando a distribuição de energia a milhares de pessoas, em especial na região Centro.

Foto: © Lusa


Etiquetas
Partilhar

NOTÍCIAS RELACIONADAS
OPINIÃO
Os efeitos do medo do coronavírus...
Daniel Bastos
Historiador
Novo Coronavírus provoca epidemia com desfecho imprevisível
Alfredo Martins
Internista e Coordenador do NEDResp
InPortugal 2020 Paris quer desenvolver nova rede de embaixadores
Ricardo Simões
Diretor do InPortugal
DISCURSO DIRETO
A Fundação ISS e o apoio na África Lusófona
Eulalia Devesa, Diretora da Fundação ISS Mais Um Sorriso
PORTUGAL
«Cada vez faz menos sentido falar de emigração»
José Cesário, Deputado do PSD
PORTUGAL
O Projeto de Mobilidade na CPLP
Augusto Santos Silva, Ministro dos Negócios estrangeiros
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ