ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Marcelo não vai à Cidade Velha de Jerusalém para evitar «problema diplomático»
Revista PORT.COM • 23-Jan-2020
Marcelo não vai à Cidade Velha de Jerusalém para evitar «problema diplomático»



O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou ontem que durante a sua permanência em Jerusalém para o Fórum Mundial do Holocausto não irá deslocar-se à Cidade Velha, para evitar «um problema diplomático».

Num período livre que teve durante a tarde de quarta feira (22), o chefe de Estado optou por visitar antes o Museu de Israel, onde passou cerca de duas horas, mostrando-se impressionado com a extensa coleção de arte e de arqueologia, que inclui raros manuscritos bíblicos.

Na parte exterior do museu, teve oportunidade de ver uma reconstituição de Jerusalém no período do Segundo Templo, antes da sua destruição pelos romanos, e no final da visita os jornalistas perguntaram-lhe se gostaria de ir à Cidade Velha: «Sim, sim, mas isso ia criar um problema diplomático», respondeu.


O Presidente da República referiu que «iria a uma área que do ponto de vista das Nações Unidas se integra na área que não é israelita» e que faria essa visita «na companhia, naturalmente, de quem são os anfitriões nesta cerimónia do Holocausto, que são israelitas».

«Eu estaria, indo lá nessas circunstâncias, a reconhecer o contrário daquilo que é uma determinação das Nações Unidas e que Portugal aceita desde sempre. Portanto, isso criaria um problema diplomático que eu não posso criar», considerou.

Marcelo Rebelo de Sousa recordou que, quando foi a Israel pela primeira vez, há mais de 30 anos, esteve na Cidade Velha de Jerusalém, um lugar sagrado para judeus, cristãos e muçulmanos, que está no centro do conflito israelo-palestiniano.

«Mas quando lá estive não era Presidente da República. E, como Presidente da República Portuguesa, era reconhecer a soberania de Israel, e isso era o contrário da posição portuguesa e o contrário da posição das Nações Unidas», reforçou Marcelo.

O chefe de Estado está em Israel para participar no 5.º Fórum Mundial do Holocausto, na quinta-feira, a convite do seu homólogo israelita, Reuven Rivlin, com quem teve uma reunião bilateral, na terça-feira, na qual disse sido acertada uma troca de visitas de Estado.

Ontem, teve um encontro com dois sobreviventes do Holocausto, em Jerusalém, quando se assinalam os 75 anos da libertação do campo de extermínio de Auschwitz, e divulgou uma mensagem sobre esta data no portal da Presidência da República na Internet.

«Nunca esqueceremos o Holocausto! Aqui em Jerusalém, onde estamos para comemorar os 75 anos da libertação do campo da morte de Auschwitz-Birkenau e lembrar as histórias de Eva, @eva.stories, a jovem de 13 anos assassinada apenas três meses antes desta libertação. Através da sua triste história, relembraremos os milhões de vítimas do Holocausto», lê-se na nota.


Etiquetas
Partilhar

NOTÍCIAS RELACIONADAS
OPINIÃO
A sua atitude de confiança conta: não só com o vírus...
Susana Cor de Rosa
Consultora empresarial
Os efeitos do medo do coronavírus...
Daniel Bastos
Historiador
Novo Coronavírus provoca epidemia com desfecho imprevisível
Alfredo Martins
Internista e Coordenador do NEDResp
DISCURSO DIRETO
A Fundação ISS e o apoio na África Lusófona
Eulalia Devesa, Diretora da Fundação ISS Mais Um Sorriso
PORTUGAL
«Cada vez faz menos sentido falar de emigração»
José Cesário, Deputado do PSD
PORTUGAL
O Projeto de Mobilidade na CPLP
Augusto Santos Silva, Ministro dos Negócios estrangeiros
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ