ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Luso-americano ingressa no Cosmos 40 anos depois de Pelé
Revista PORT.COM • 06-Fev-2019
Luso-americano ingressa no Cosmos 40 anos depois de Pelé



Um futebolista luso-americano com raízes na Lousã, Pedro Galvão, começa em março a jogar no Cosmos, mais de 40 anos após o brasileiro Pelé e o português Seninho terem representado as cores do emblemático clube de Nova Iorque.

 

Pedro Galvão foi contratado na semana passada pelo New York Cosmos, o qual vai integrar «com sentimento de orgulho» na próxima época, a partir de 01 de março, na National Premier Soccer League, que nos Estados Unidos equivale à quarta divisão.

Para o profissional, de 29 anos, o ingresso no clube ao qual Pelé esteve ligado «é acima de tudo o reconhecimento» de uma carreira iniciada como infantil no Benfica, em Lisboa, tendo passado depois pela Académica de Coimbra e outros clubes portugueses.

«Esta contratação é o reconhecimento do trabalho que tenho vindo a desenvolver», declarou o lateral-esquerdo, que já tinha admitido vir um dia a alinhar pelos nova-iorquinos, cujo treinador, Carlos Mendes, tem também origem portuguesa.

Nos EUA, «a maioria dos futebolistas gostaria de jogar» no Cosmos, do qual o internacional Pelé, mais tarde ministro do Desporto do Brasil num governo de Fernando Henrique Cardoso, se desvinculou em 1977.

Natural de Waterbury, Connecticut, Pedro Galvão cresceu na Lousã e jogou sempre em Portugal, em diferentes escalões, até regressar em 2016 aos Estados Unidos, onde vive atualmente com a família.

Além do Benfica e da Académica, passou por clubes nacionais como o Tourizense, o Gil Vicente e o Sertanense, entre outros.

Há três anos, ingressou no FC Edmonton, da North American Soccer League, e teve na altura o primeiro contacto com o Cosmos, num jogo em que a formação canadiana ganhou aos visitantes por 2-1.

«Quero dar o máximo, poder evoluir e ajudar a fazer os jogadores mais jovens», afirmou.

Galvão quer «ser uma mais-valia» na defesa esquerda do Cosmos. Mas promete «não abdicar nunca da tarefa ofensiva».

Nascido em Waterbury, ele tem dupla nacionalidade. «Mas sinto-me orgulhosamente português», acentuou, para salientar que «o desporto corre nas veias da família».

O pai, José Manuel Galvão, jogou igualmente futebol, no Lousanense, e foi um dos primeiros internacionais das camadas jovens do Rugby da Lousã, modalidade que também praticou como sénior na Académica.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Portugal hoje, um país que incentiva ao regresso
Paulo Pisco
Deputado do PS eleito pelos portugueses na Europa
De olhos postos em África com uma estratégia de futuro
Peter Dawson
Presidente do grupo Garland
Não há tempo para se perder tempo!
Vítor Ramalho
Secretário-Geral da UCCLA
DISCURSO DIRETO
O português que ajudou a 'erguer' as memórias do World Trade Center
Luís Mendes, arquiteto
ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA
«Mobilidade no espaço da lusofonia é um dos maiores desafios»
Teresa Ribeiro, SENEC
PORTUGAL
The last man on the moon
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ