Revista PORT.COM - Notícias de Portugal e das Comunidades
ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Foto Discurso Direto
Deputado do PS eleito pelos portugueses na Europa
2019-04-05
Portugal hoje, um país que incentiva ao regresso

Portugal é hoje um país muito diferente do que era há quatro anos, quando o Governo do PS, apoiado no Parlamento pelos partidos à esquerda, iniciou a governação com a determinação de pôr fim à austeridade e à perda de rendimentos e de direitos, que durante a crise foram tão duramente atingidos.

O período de austeridade com medidas que foram muito para além do que tinha sido acordado com as instituições internacionais (a famosa troika), reduziu enormemente o rendimento das famílias e das empresas, gerou muito desemprego e levou a níveis de emigração só comparáveis aos piores anos da década de 60 e 70. Foi um período negro, em que muitos membros do anterior Governo do PSD-CDS sugeriam que, perante tamanha crise, o melhor que os portugueses tinham a fazer era emigrar.

Ao contrário do que então aconteceu, o atual Governo criou incentivos para que os portugueses possam regressar ao país. Isto é inédito na nossa história. É não apenas um gesto reparador, mas também uma forma de reconhecimento do grande valor que o Governo atribui aos seus cidadãos residentes no estrangeiro e da sua importância para o desenvolvimento do país.

Além de um programa em parceria entre a Secretaria de Estado das Comunidades e a Fundação AEP, “Regresso de uma Geração Preparada”, deve-se assinalar, entre outros, os importantes apoios ao regresso dos nossos compatriotas na Venezuela, mas acima de tudo, as medidas fiscais que entraram em vigor com o atual orçamento de Estado que isentou 50 por cento dos rendimentos do trabalho em sede de IRS.

Aquando da apresentação do Orçamento de Estado para 2019, o Ministro das Finanças, Mário Centeno, hoje também presidente do Eurogrupo, foi muito expressivo na forma como apresentou esta medida inovadora. Disse que Portugal é hoje um país atrativo tanto para investir como para trabalhar, um país em crescimento e com condições para atrair quem foi obrigado a partir por falta de oportunidades. O Programa Regressar é uma mensagem muito clara do Governo para todos os que partiram. Portugal está diferente e é hoje um país melhor, disse.

Também disse que não é um incentivo fiscal que, por si só, vai constituir um atrativo o suficiente para quem queria regressar a Portugal. Mas o Programa Regressar é apenas uma de um conjunto de medidas que o Governo tem em preparação para incentivar o regresso.

Com efeito, está em preparação um pacote de medidas muito importante para complementar o incentivo fiscal de 50% dos rendimentos isentos de IRS, que incide sobre diversas áreas, como a legalização de automóveis, impostos, reformas, acesso a documentos, emprego, saúde ou educação.

Entretanto, o salário mínimo aumentou para 635 euros, a função pública tem mais 24 mil funcionários, dos quais 8 mil na saúde e 7,7 mil na educação. Aumentaram os rendimentos e reduziu-se a pobreza. Ao longo da legislatura, os portugueses tiveram uma redução nos impostos de mais de mil milhões de euros. O desemprego caiu para perto de um terço daquilo que era no final de 2013 e criaram-se mais 350 mil novos empregos. Hoje Portugal precisa de mão de obra. Uma boa evidência desta evolução positiva é o facto do desemprego jovem ter caído de mais de 30 cento para cerca de 18 por cento. Só em 2017, mais 126 mil jovens com formação superior encontraram emprego, o que é um dos grandes indicadores do dinamismo e transformação da economia portuguesa.

Portugal é hoje, por isso, um país mais justo, solidário e com melhores perspetivas de futuro. É um país com um grande prestígio internacional, que no estrangeiro é mesmo visto como um exemplo.

E disto só nos podemos orgulhar. 

OPINIÃO
Portugal hoje, um país que incentiva ao regresso
Paulo Pisco
Deputado do PS eleito pelos portugueses na Europa
De olhos postos em África com uma estratégia de futuro
Peter Dawson
Presidente do grupo Garland
Não há tempo para se perder tempo!
Vítor Ramalho
Secretário-Geral da UCCLA
DISCURSO DIRETO
O português que ajudou a 'erguer' as memórias do World Trade Center
Luís Mendes, arquiteto
ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA
«Mobilidade no espaço da lusofonia é um dos maiores desafios»
Teresa Ribeiro, SENEC
PORTUGAL
The last man on the moon
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ