Revista PORT.COM - Notícias de Portugal e das Comunidades
ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Foto Discurso Direto
Presidente do grupo Garland
2019-04-05
De olhos postos em África com uma estratégia de futuro

Não é novo o interesse pelo continente africano, pelo potencial de desenvolvimento e necessidades de crescimento económico, técnico e infraestrutural. Num continente que durante décadas foi assolado por guerras, regimes totalitários e onde falta quase tudo, o investimento estrangeiro e a transferência de conhecimento são, mais do que estratégicos, necessários.

No final do século passado, o fim dos conflitos armados nos países africanos lusófonos trouxe inúmeras oportunidades para os empresários portugueses. Sobretudo a partir do ano 2000, quando a crise na construção civil se começou a fazer sentir em Portugal, África, predominantemente Angola e os países do Norte, tornaram-se o el dorado das empresas lusas. Até à recessão económica em Angola, provocada pela queda dos preços do petróleo, a desvalorização do kwanza, a queda das reservas e a dificuldade em obter dólares e euros, Portugal era o principal fornecedor do país. Em 2014, o país valia mais de 6% das exportações nacionais. Como é conhecido, houve um arrefecimento das relações comerciais entre os dois países de língua portuguesa e as dívidas às empresas portuguesas continuam a ser um problema por resolver, mas um novo ciclo parece desenhar-se. O Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa tem-se mostrado empenhado em que tal aconteça, até porque na Europa se adivinha um desaceleramento da economia. África pode novamente tornar-se um mercado estratégico para o Velho Continente e, pelas relações estreitas com os países lusófonos, para Portugal.

O Grupo Garland que, com 243 anos, é uma das cinco empresas mais antigas em atividade em Portugal, é um dos líderes naquele que é o seu core business – transportes e logística. Os mercados africanos são naturalmente estratégicos para esta área de negócio. O empenho, determinação e know-how dos nossos colaboradores são fatores distintivos da nossa estrutura, permitindo agilizar todo o tipo de necessidades e especificidades de transporte para o continente africano. Por essa via de entendimento, temos, desde 2014, presença em Marrocos, onde a Garland Maroc assegura serviços transitários aéreos, marítimos, rodoviários e de granéis sólidos e líquidos. O investimento neste país do Norte de África afigurou-se como fundamental na estratégia de internacionalização do grupo. Marrocos é um mercado vizinho com 33 milhões de habitantes, estabilidade e com potencial de crescimento. Aliás, desde que a empresa arrancou que verificamos um desenvolvimento sustentado, com um leque de clientes, também ele, em crescendo. Nos restantes países africanos estabelecemos parcerias estratégicas que nos asseguram a máxima garantia de um serviço de excelência. Atualmente cobrimos todos os países do continente africano, desde Marrocos, Argélia, Tunísia, Líbia, Egipto até à Africa do Sul. Ainda recentemente criámos uma linha para o Sudão.

África é um território com um potencial enorme de desenvolvimento, apresentando necessidades quer ao nível de recursos humanos, quer a nível de infraestruturas e meios para criar essas mesmas infraestruturas. Por conseguinte, é um mercado a que estamos atentos e, este novo ciclo que parece esboçar-se, traz-nos novas perspetivas de desenvolvimento no futuro. A Garland sempre se assumiu como um parceiro logístico global perante os seus clientes e os mercados africanos são, portanto, estratégicos. As competências adquiridas ao longo de 243 anos de atividade conferem aos clientes atuais e potenciais a segurança para que possam desenvolver os seus negócios, sabendo de antemão que toda a burocracia associada ao transporte das suas mercadorias (incluindo todo o processo aduaneiro) será assegurada com o profissionalismo e know-how exigido para o efeito.

Por todas as razões que expus e por tantas outras que poderia apresentar, o continente africano é um território para o qual temos vindo a olhar com atenção e que encaramos com enorme potencial de futuro. Para a Garland e para os seus clientes que, num mundo globalizado, procuram expandir os seus negócios e precisam de soluções fiáveis para o fazer.

OPINIÃO
Portugal hoje, um país que incentiva ao regresso
Paulo Pisco
Deputado do PS eleito pelos portugueses na Europa
De olhos postos em África com uma estratégia de futuro
Peter Dawson
Presidente do grupo Garland
Não há tempo para se perder tempo!
Vítor Ramalho
Secretário-Geral da UCCLA
DISCURSO DIRETO
O português que ajudou a 'erguer' as memórias do World Trade Center
Luís Mendes, arquiteto
ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA
«Mobilidade no espaço da lusofonia é um dos maiores desafios»
Teresa Ribeiro, SENEC
PORTUGAL
The last man on the moon
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ