Revista PORT.COM - Notícias de Portugal e das Comunidades
ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Foto Discurso Direto
Jack Soifer, Consultor internacional
2018-10-02
Emigração traz riqueza

A emigração traz riqueza à família atraída por desafios. Ganha o País, com remessas, poupanças e novas casas onde eles desfrutam das férias e da reforma. Sabemos muito sobre os emigrantes que foram para França, Suíça e Canadá, mas pouco sobre os que foram para a Suécia.

No início dos anos 60 houve uma grande expansão do comércio intercontinental. Isto exigiu novos navios de carga e a transição dos motores a fuel para vapor ou diesel. Os armadores europeus aumentaram o tamanho dos navios. Os estaleiros navais passaram a usar docas secas face ao novo peso.

A posição geoestratégica de Portugal trouxe investidores estrangeiros à Lisnave. Entre outros, o estaleiro Kockums, em Malmoe, Suécia. O representante sueco na Lisnave viu a qualidade de muitos dos soldadores e lembrou-se que a expansão da Kockums era travada pela falta de pessoal qualificado. Começou então a recrutar soldadores para a Suécia.

As diferenças na tecnologia eram superadas com cinco dias de qualificação na Escola Profissional que o governo sueco apoiava. Mas o estudo da língua e da cultura era pago pela Kockums no pós-laboral. O estaleiro oferecia uma habitação temporária para as famílias até arrendarem a sua própria.

O frio e as diferenças culturais eram compensados por um bom salário e adicional por horas extras. O rápido crescimento económico da Suécia naquela altura ofereceu bons salários também às mulheres. Os filhos andavam nas escolas públicas e, após as aulas, havia opções para música, desporto e outras línguas.

A IKEA facilitou aos emigrantes mobilarem, pouco a pouco, os seus lares. O sistema público de financiamento à casa própria trouxe a realização do sonho de todos, a compra da sua própria residência.

A Kockums expandiu e inovou. Com a então maior doca seca do mundo construiu petroleiros para 320 mil toneladas. Adicionou um pequeno globo na proa inferior do casco, o que reduzia a fricção e aumentava a velocidade. Construiu uma oficina para mega- secções que saiam pelo teto, que se abria. A escola profissional estava sempre a oferecer cursos, minutos após o final do turno.

Em Estocolmo já havia o Clube Luso-Sueco, com um almoço mensal aos sábados. Em Malmoe surgiu outro. Ali se falava da terrinha, dos vinhos que não chegavam à Suécia, dos planos de férias, das festas. E ainda das oportunidades de negócios em comum. Vários desses profissionais formaram pequenas oficinas de reparos,

usando a tecnologia da Kockums. As PMEs expandiram a outros setores, como o da restauração e importação.

Nos anos 80, os filhos, já com qualificação profissional na Suécia, ao deixar a casa dos pais para formar a sua família, motivaram a questão “o nosso futuro?” E muitos desses regressaram a Portugal trazendo as inovações lá praticadas para a sua terra em pleno crescimento, almejando entrar no Mercado Comum Europeu, sedenta de modernidade.

Muitos emigrantes ao regressarem com capital e tecnologia, enfrentam o problema universal de se adaptarem a burocracias para eles já ultrapassadas. Uns até influenciam algo o seu ambiente, outros ficam frustrados e desenrascam-se. Uns poucos acabam por emigrar novamente.

Mudar algumas coisas na sua terra e no seu país, é a razão de sucesso de empresas, regiões e países. Na Irlanda, o emigrante é acatado como um fator de inovação. No início dos anos 90, o país tinha um PIB per capita similar ao nosso, hoje tem 2,4 vezes mais. Graças à maior transparência, menor burocracia e uma justiça célere. A República Checa, após a queda do muro de Berlim, recebeu ex-emigrantes e modernizou a sua estrutura política, jurídica e comercial; tornou-se o país que mais atrai investidores tecnológicos na UE. E nós? O que é feito dos filhos das esforçados e simpáticos soldadores que em 1966 progrediram num país tão diferente e frio?

OPINIÃO
Portugal hoje, um país que incentiva ao regresso
Paulo Pisco
Deputado do PS eleito pelos portugueses na Europa
De olhos postos em África com uma estratégia de futuro
Peter Dawson
Presidente do grupo Garland
Não há tempo para se perder tempo!
Vítor Ramalho
Secretário-Geral da UCCLA
DISCURSO DIRETO
O português que ajudou a 'erguer' as memórias do World Trade Center
Luís Mendes, arquiteto
ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA
«Mobilidade no espaço da lusofonia é um dos maiores desafios»
Teresa Ribeiro, SENEC
PORTUGAL
The last man on the moon
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ