Revista PORT.COM - Notícias de Portugal e das Comunidades
ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Foto Discurso Direto
Consultor Internacional
2018-12-04
Manaus, seiva d'ouro

A emigração traz riqueza à família atraída por desafios. Ganha ainda o País com as remessas e inovação em novas casas. O bom repete-se! Ao contrário da muita emigração que se fixou na zona costeira e no sul do Brasil, vinda do centro e norte da Europa, para Manaus foram sobretudo portugueses e sefarditas. Muitos chegaram ao Nordeste do Brasil em veleiros simples, após 90 dias de ventos modestos. Mas o clima e a miséria fizeram com que os mais astutos e trabalhadores seguissem o caminho dos bravos navegadores e entrassem rio adentro.

Muitos ficaram pelas beiras, como os das Beiras. Outros penetraram as matas e chegaram aos baixos montes, como no Minho e Trás-os-Montes. Viviam, como muitos nas orlas de Portugal, da pesca e agricultura de sobrevivência. Encontraram ervas, frutos, até ouro e diamantes que exportaram.

Na selva encontraram o pau-rosa, do qual é extraído o fixador para os melhores perfumes do mundo. Também madeira de alto valor, que hoje está esculpida na maioria das catedrais de Portugal. E ainda pau-preto e castanha do Pará, que não é igual à nossa, mas sabe bem.

Como noutras cidades brasileiras, após algumas gerações no campo, os lusodescendentes foram caminhando para as grandes cidades e dedicaram-se à pastelaria, ao comércio, ao transporte, à carpintaria e a tudo aquilo que aprenderam com os pais e avós. Naturalmente foram-se misturando com os indígenas até que… o uso da seiva da seringueira, Hevea Brasiliensis, para o fabrico da borracha os enriqueceu de repente, na só a eles como também os sefarditas. Estávamos no fim de 1800 e estes clãs começaram a importar de Portugal, Itália e França aquilo a que os familiares na “terrinha” nem sonhavam um dia ter e muitos foram trabalhar para estes novos-ricos parentes na Amazónia.

Manaus tornou-se o centro de reembarque da borracha crua (e até alguma já semi-fabricada) para todo o mundo. O comércio floria e a elite decidiu construir o Teatro Amazonas, uma cópia do Scala de Milão, como o Teatro São Carlos em Lisboa. Uma acústica fenomenal, esculturas belíssimas, castiçais, luminárias, gobelain, pano-de-cena, tudo importado. Assim como as melhores companhias de ópera da Europa. Mas a exportação e, assim, a importação caíram após poucas décadas.

Infelizmente, na reabilitação feita em 1972, a maior parte das obras de arte desapareceram e a caixa acústica oca, por baixo da plateia, também.

Hoje, muitos dos prédios-património em Manaus ainda têm as pedras importadas do Minho e de Elvas. Os melhores colégios ainda são os fundados então pelas irmandades de Portugal e nos grémios das elites ainda se veem pequenos “restos” daquela era de riqueza e cultura, inspirada pelos desbravadores lusos. E na cidade velha vê-se a arquitetura lusa do século XIX, inconfundível. Às vezes pouco funcional, devido ao calor e a extrema humidade. Até a Festa do Boi, em Parintins, é uma lembrança do melhor de Portugal. 

OPINIÃO
Mensagem de Natal para os leitores da revista PORT.COM
Marcelo Rebelo de Sousa
Presidente da República
Manaus, seiva d'ouro
Jack Soifer
Consultor Internacional
Oportunidade de encontro com o país e com uma região
José Luís Carneiro
Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas
DISCURSO DIRETO
Quo Vadis?
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
«Tinha o sonho de ter um hotel em NY e consegui concretizá-lo»
Alfredo Pedro, empresário
PORTUGAL
«A CPLP oferece um extraordinário e estratégico instrumento»
Secretária Executiva da CPLP
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ