Maio 24, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Austrália e Holanda iniciam ação da ONU contra a Rússia sobre o voo MH17

Austrália e Holanda iniciam ação da ONU contra a Rússia sobre o voo MH17

SYDNEY / AMSTERDÃ (Reuters) – A Austrália e a Holanda disseram nesta segunda-feira que iniciaram um processo judicial conjunto contra a Rússia na agência de aviação da Organização das Nações Unidas (ONU) pela queda do voo MH17 da Malaysia Airlines há oito anos.

Um Boeing 777 estava a caminho de Amsterdã para Kuala Lumpur em 17 de julho de 2014, quando o leste da Ucrânia, controlado por rebeldes, foi atingido por um míssil terra-ar de fabricação russa, segundo investigadores e promotores, matando todas as 298 pessoas a bordo. . .

O primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, disse que a Rússia é responsável sob a lei internacional e que passar o assunto para a Organização de Aviação Civil Internacional das Nações Unidas seria um passo à frente na luta pelas vítimas, incluindo 38 australianos.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

O governo holandês disse que o Conselho de Segurança da ONU foi informado da medida.

“As mortes de 298 civis, incluindo 196 holandeses, não podem e não devem ficar sem consequências. Os eventos atuais na Ucrânia ressaltam a importância vital disso”, disse o ministro das Relações Exteriores Woepke Hoekstra em comunicado.

A medida rara está prevista em um artigo da Convenção de Chicago da Organização Internacional de Aviação Civil, que visa proteger aeronaves civis do fogo de armas. Foi adicionado em 1984 depois que um avião sul-coreano foi abatido por caças soviéticos no ano anterior.

A ação da ONU é separada do julgamento holandês de assassinato de quatro suspeitos devido à sua responsabilidade criminal individual.

compensação

A Austrália disse que está buscando compensação total da Rússia pelos ferimentos e suspendendo a votação da Rússia na Organização Internacional de Aviação Civil, que estabelece padrões para viagens aéreas civis.

READ  Ministro de Taiwan: Guerra China-Taiwan terminará em 'vitória miserável'

Embora não tenha autoridade reguladora, a Organização de Aviação Civil Internacional, com sede em Montreal, está no centro de um sistema global de segurança da aviação que opera além das barreiras políticas. De acordo com o site da agência, os procedimentos de disputa foram usados ​​apenas cinco vezes.

Morrison disse que a “invasão não provocada e não provocada da Ucrânia” pela Rússia, que começou no mês passado, destacou a necessidade de responsabilizar a Rússia pelo que ele descreveu como uma “violação flagrante do direito internacional”.

A Austrália e a Holanda disseram que confiariam em evidências de que o MH17 foi abatido por um sistema de mísseis terra-ar russo que veio da Rússia sob o controle de separatistas apoiados pela Rússia e retornou à Rússia após a queda.

Moscou, que descreve suas ações na Ucrânia como uma “operação especial”, sempre negou envolvimento no MH17 e promoveu uma série de teorias alternativas, que os investigadores internacionais descartaram como não suportadas por evidências.

Negociação

Embora o resultado na ICAO seja incerto, especialistas disseram que a medida pode ser vista como outra maneira de forçar a Rússia a negociar o acidente, mesmo que continue negando qualquer envolvimento.

Em casos anteriores, uma discussão formal da ICAO também foi vista como um passo para a apresentação de um caso no Tribunal Internacional de Justiça em Haia, como o Irã havia feito contra os Estados Unidos em 1989 sobre a queda do voo 655 da Iran Airlines em 1988.

A ministra das Relações Exteriores da Austrália, Marise Payne, disse na segunda-feira que a Austrália e a Holanda buscaram negociações com a Rússia de boa fé, mas que a Rússia se retirou unilateralmente em 2020.

A Holanda disse no ano passado que queria trazer a Rússia de volta à mesa de negociações, mas não descartou uma ação legal.

READ  Rússia invade a Ucrânia e ataques de Mariupol continuam

Não foi possível obter imediatamente um comentário do Ministério das Relações Exteriores da Rússia.

Um veredicto no julgamento por assassinato, que inclui três russos e um ucraniano que ainda estão foragidos, é esperado ainda este ano. Nenhum dos réus compareceu ao tribunal holandês.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

(Reportagem de Kirsty Needham). Reportagem adicional de Stephanie van den Berg e Tim Hever. Edição por Raju Gopalakrishnan e Hugh Lawson

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.