Janeiro 27, 2023

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Cientistas descobriram um enorme par de buracos negros supermassivos que estão destinados a colidir

Os cientistas descobriram um par de buracos negros supermassivos que devem se fundir em uma singularidade massiva. As descobertas podem ajudar os astrônomos a entender o que acontecerá quando nossa galáxia, a Via Láctea, se fundir com a galáxia de Andrômeda em 4,5 bilhões de anos.

Acredita-se que os buracos negros supermassivos estejam no coração de todas as grandes galáxias, crescendo à medida que atraem e devoram grandes quantidades de poeira, gás e estrelas do ambiente espacial circundante. Quando galáxias errantes colidem umas com as outras, as monstruosas singularidades em seus núcleos também se aproximam.

Os buracos negros recém-descobertos foram descobertos por cientistas observando as consequências de uma única fusão galáctica ocorrendo a cerca de 480 milhões de anos-luz da Terra, na constelação de Câncer.

O par energético foi visto alimentando-se de uma tempestade de material perturbado por um colapso cósmico e representa os buracos negros mais próximos que a humanidade já descobriu que foram selados durante o processo de fusão.

Os cientistas usaram o Atacama Large Millimeter Array/Partial Array (ALMA) para observar o ambiente espacial brilhante e empoeirado no centro da fusão, a fim de identificar buracos negros. A dupla caótica – conhecida coletivamente como UGC4211 – foi alvo de uma constelação de sete observatórios poderosos, incluindo o Telescópio Espacial Hubble em órbita.

Os dados dessas observações revelaram que os buracos negros tinham entre 125 e 200 milhões de vezes a massa do nosso sol, de acordo com um comunicado da NASA. Fundação Simmons Em Nova Iórque. Esses corpos celestes estão separados por uma distância de apenas 750 anos-luz e provavelmente se fundirão em algumas centenas de milhões de anos.

READ  Estranho estrondo de luz que sobrou do lançamento de um míssil SpaceX sobre o Oceano Atlântico

Os cientistas por trás do artigo detalhando a descoberta – publicado em Cartas do Diário Astrofísico Use os dados para estimar a quantidade de buracos negros supermassivos que podem se fundir em todo o universo. A equipe estimou que provavelmente existia uma população surpreendentemente grande e que as forças extremas em jogo durante as fusões provavelmente criariam um coro de fundo de poderosas ondas gravitacionais.

As ondas gravitacionais são ondulações poderosas no espaço-tempo que podem ser criadas pelos movimentos de objetos massivos, como a fusão de buracos negros. À medida que uma onda gravitacional se afasta de sua fonte, ela comprime e estica toda a matéria em seu caminho, criando turbulência que pode ser medida na Terra com instrumentos baseados em laser de última geração.

“Pode haver muito mais pares de buracos negros supermassivos crescendo nos centros das galáxias que não conseguimos identificar até agora”, disse Ezequiel Traister, astrônomo da Universidad Cattolica de Chile e coautor do novo artigo. em uma nova declaração. “Se for esse o caso, em um futuro próximo estaremos observando repetidos eventos de ondas gravitacionais causados ​​pela fusão desses objetos em todo o universo.”

Essa descoberta também permitirá aos cientistas entender melhor o que acontecerá com a Via Láctea em um futuro distante. Daqui a bilhões de anos, nossa galáxia se fundirá com sua vizinha espiral maior – a Galáxia de Andrômeda.

O investigador sênior da Eureka Scientific e principal autor do novo estudo, Michael Koss, comentou no comunicado divulgado pelo site do National Radio Astronomy Observatory.

“O que acabamos de estudar é uma fonte que está no último estágio da colisão, então o que estamos vendo pressagia essa fusão e também nos dá uma visão sobre a relação entre os buracos negros que se fundem, crescem e eventualmente produzem ondas gravitacionais”.

READ  O veículo Starship Super Heavy da SpaceX testa 14 motores

Atenha-se ao IGN para se manter atualizado com os últimos desenvolvimentos no mundo da ciência.

Anthony é um colaborador freelance que cobre notícias sobre ciência e videogames para a IGN. Ele tem mais de oito anos de experiência cobrindo desenvolvimentos inovadores em vários campos científicos e não há tempo para enganá-lo. Siga-o no Twitter @BeardConGamer

Crédito da imagem: ALMA (ESO/NAOJ/NRAO); M. Weiss, NRAO/AUI/NSF