Agosto 7, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Espanha registra a segunda morte ligada a parede de macacos na Europa

Espanha registra a segunda morte ligada a parede de macacos na Europa

Duas amostras de casos suspeitos de varíola dos macacos passam por um processo de extração de DNA enquanto são testadas no laboratório de microbiologia do Hospital La Paz, em Madri, Espanha, em 1º de junho de 2022. REUTERS/Susana Vera

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

MADRI (Reuters) – A Espanha relatou sua segunda morte ligada à varíola no sábado, no que se acredita ser a segunda na Europa pela doença e apenas a terceira fora da África no atual surto.

A Espanha havia relatado sua primeira morte até sexta-feira, logo após o Brasil anunciar sua primeira morte relacionada à parede de macacos fora do continente africano na atual onda da doença. Consulte Mais informação

De acordo com um relatório da OMS de 22 de julho, apenas cinco mortes foram relatadas, todas na região africana. No sábado passado, a Organização Mundial da Saúde declarou o surto que se espalha rapidamente uma emergência de saúde global, o mais alto nível de alerta.

O Ministério da Saúde da Espanha disse em seu último relatório no sábado que 4.298 casos do vírus foram confirmados no país. Sem dar mais detalhes, acrescentou, dos 3.750 pacientes sobre os quais obteve informações, 120, ou 3,2%, foram hospitalizados e dois morreram.

A primeira morte ocorreu na região nordeste de Valência e a causa foi encefalite, uma inflamação do cérebro ligada à infecção, informou a mídia local, citando o departamento regional de saúde.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

(relata Joan Fauss). Edição por Hugh Lawson e David Holmes

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

READ  Biden se reunirá com o príncipe herdeiro saudita sem a presença do rei porque ele não se comprometeu a levantar o assassinato de Khashoggi