Setembro 27, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Este primeiro mapa aquático de Marte pode ajudar a NASA a escolher onde pousar

Cientistas da Agência Espacial Européia (ESA) criaram o primeiro mapa aquático de Marte, baseado em dados do Mars Express e do Mars Reconnaissance Orbiter da NASA.

Enquanto a ideia de enviar humanos a Marte já foi relegada à ficção científica, a NASA espera que se torne realidade no final dos anos 2000.

Mas uma das principais questões que precisamos resolver antes de decolar para o Planeta Vermelho é onde pousar.

Agora, cientistas da Agência Espacial Europeia (ESA) criaram o primeiro mapa aquático de Marte, com base em dados do Mars Express e do Mars Reconnaissance Orbiter da NASA.

A equipe espera que o mapa mude a maneira como pensamos sobre o passado aquático de Marte e ajude a determinar onde pousar no Planeta Vermelho no futuro.

Cientistas da Agência Espacial Européia (ESA) criaram o primeiro mapa aquático de Marte, baseado em dados do Mars Express e do Mars Reconnaissance Orbiter da NASA.

Marte: o básico

Marte é o quarto planeta a partir do sol, com um mundo desértico frio e empoeirado que está quase morto com uma atmosfera muito fina.

Marte também é um planeta dinâmico com estações, calotas polares, cânions e vulcões extintos, evidência de que era mais ativo no passado.

É um dos planetas mais explorados do sistema solar e o único planeta que os humanos enviaram seus rovers para explorar.

Um dia em Marte leva pouco mais de 24 horas e um ano são 687 dias terrestres.

fatos e figuras

orbital: 687 dias

área de superfície: 144,8 milhões de quilômetros quadrados

distância do sol: 227,9 milhões de km

gravidade: 3,721 m/s²

raio: 3.389,5 km

luas: Fobos, Deimos

O mapa mostra os locais e a abundância de minerais hidratados em Marte.

Esses minerais são de rochas que foram quimicamente alteradas pela água no passado e geralmente são convertidas em argilas e sais.

Embora você possa pensar que esses minerais de água seriam poucos e distantes entre si, a maior surpresa é sua prevalência em Marte, onde o mapa revelou centenas de milhares dessas áreas.

READ  Orçamento da NASA 2023: a proposta de US $ 26 bilhões de Biden abre caminho para a primeira exploração humana em Marte

“Este trabalho agora demonstrou que quando você estuda a topografia antiga em detalhes, não ver esses minerais é realmente muito estranho”, disse o Dr. John Carter do Astrophysical Institute Spatial.

A grande questão agora é se essa água é contínua ou confinada a períodos mais curtos e intensos.

A Agência Espacial Européia espera que o mapa sirva como uma ferramenta melhor para responder a essa pergunta.

“Acho que simplificamos coletivamente Marte”, disse o Dr. Carter.

Os cientistas estavam anteriormente inclinados a acreditar que apenas alguns tipos de minerais de argila foram formados em Marte durante o período úmido marciano.

Então, à medida que a água secou gradualmente, os sais foram produzidos em todo o planeta.

No entanto, o novo mapa mostra que o processo provavelmente foi muito mais complicado do que isso.

Embora muitos dos sais possam ter se formado mais tarde que as argilas, o mapa mostra que há exceções.

Dados do Mars Reconnaissance Imaging Spectrometer (CRISM) da NASA mostraram que a cratera Jezero exibe uma rica variedade de minerais hidratados.

Dados do Mars Reconnaissance Imaging Spectrometer (CRISM) da NASA mostraram que a cratera Jezero exibe uma rica variedade de minerais hidratados.

O instrumento Mars Express Observatoire pour la Mineralogie, l'Eau, les Glaces et l'Activité (OMEGA) da Agência Espacial Europeia é mais adequado para mapeamento com resolução espectral mais alta e fornece cobertura global de Marte

O instrumento Mars Express Observatoire pour la Mineralogie, l’Eau, les Glaces et l’Activité (OMEGA) da Agência Espacial Europeia é mais adequado para mapeamento com resolução espectral mais alta e fornece cobertura global de Marte

O solo lunar pode ser usado para converter dióxido de carbono em combustível de foguete para alimentar missões a Marte

Um novo estudo descobriu que o solo lunar poderia ser convertido em combustível de foguete para alimentar futuras missões a Marte.

A análise de grãos de sujeira trazidos pela espaçonave chinesa Chang’e 5 descobriu que o regolito na lua contém compostos que convertem dióxido de carbono em oxigênio.

O solo é rico em ferro e titânio, que atuam como catalisadores sob a luz solar e podem converter dióxido de carbono e água liberada pelos corpos dos astronautas em oxigênio, hidrogênio e outros subprodutos úteis, como metano, para alimentar uma base lunar.

READ  O Telescópio Hubble confirma que a gigantesca restrição do sistema solar interno é a maior notícia e pesquisa já vista

À medida que o oxigênio e o hidrogênio liquefeitos produzem combustível para foguetes, também abre a porta para uma estação de combustível interplanetária para reduzir os custos na Lua para viagens ao Planeta Vermelho e além.

“A evolução de muita água para nenhuma água não é tão direta quanto pensávamos, a água não parou da noite para o dia”, explicou o Dr. Carter.

Vemos tanta diversidade em contextos geológicos que nenhum processo simples ou linha do tempo pode explicar o desenvolvimento da mineralogia em Marte.

Este é o primeiro resultado do nosso estudo. A segunda é que, se você excluir os processos da vida na Terra, Marte exibe uma variedade de minerais em ambientes geológicos, assim como a Terra.

Para criar o mapa, a Agência Espacial Europeia usou dados de várias ferramentas.

Por exemplo, dados do Mars Reconnaissance Imaging Spectrometer (CRISM) da NASA mostraram que a cratera Jezero exibe uma rica variedade de minerais hidratados.

Enquanto isso, o instrumento Mars Express Observatoire pour la Mineralogie, l’Eau, les Glaces et l’Activité (OMEGA) da Agência Espacial Européia é mais adequado para mapeamento com resolução espectral mais alta e fornece cobertura global de Marte.

Os pesquisadores esperam que o mapa seja útil para a NASA, pois escolhe onde pousar em Marte no futuro.

Esta notícia vem antes da missão Artemis I da NASA, que está programada para ser lançada em 29 de agosto, abrindo caminho para futuras missões à Lua e Marte.

“Artemis I será um teste de voo não tripulado que fornece uma base para a exploração humana do espaço profundo e demonstra nosso compromisso e capacidade de estender a presença humana à Lua e além”, explicou a NASA.

Se as missões Artemis forem bem-sucedidas, a NASA pretende lançar astronautas a Marte no final dos anos 1930 ou início dos anos 1940.

READ  Marte já está destruído: humanos deixaram mais de 15.000 libras de detritos no planeta vermelho

A NASA planeja enviar uma missão tripulada a Marte na década de 2030 após o primeiro pouso na lua

Marte se tornou o próximo salto gigante para a exploração espacial da humanidade.

Mas antes que os humanos cheguem ao Planeta Vermelho, os astronautas darão uma série de pequenos passos de volta à Lua para uma missão de um ano.

Detalhes importantes na órbita lunar foram revelados como parte da linha do tempo dos eventos que levaram às missões a Marte na década de 1930.

A NASA delineou seu plano de quatro estágios (foto) que espera um dia permitir que os humanos visitem Marte na Cimeira Humans to Mars realizada em Washington, DC ontem.  Isso implicará várias missões à Lua nas próximas décadas

A NASA delineou seu plano de quatro estágios (foto) que espera um dia permitir que os humanos visitem Marte na Cimeira Humans to Mars realizada em Washington, DC ontem. Isso implicará várias missões à Lua nas próximas décadas

Em maio de 2017, Greg Williams, vice-diretor assistente de política e planejamento da NASA, delineou o plano de quatro fases da agência espacial que espera um dia permitir que humanos visitem Marte, bem como o prazo projetado para isso.

A primeira e a segunda fase Incluirá vários voos para o espaço lunar, para permitir a construção de um habitat que fornecerá uma área de preparação para o voo.

A última peça de hardware entregue será o rover Deep Space Transport que mais tarde será usado para transportar uma tripulação para Marte.

Uma simulação da vida em Marte será realizada por um ano em 2027.

A terceira e quarta fases começarão após 2030 e incluirão expedições tripuladas contínuas ao sistema de Marte e à superfície marciana.