Outubro 6, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

EXCLUSIVO: Rússia começa a retirar peças de reposição de aviões devido a sanções

EXCLUSIVO: Rússia começa a retirar peças de reposição de aviões devido a sanções
  • Este conteúdo foi produzido na Rússia, onde a lei restringe a cobertura de operações militares russas na Ucrânia

MOSCOU (Reuters) – As companhias aéreas russas, incluindo a estatal Aeroflot, (AFLT.MM)Quatro fontes do setor disseram à Reuters que os aviões estão sendo desmontados para garantir peças de reposição que não podem mais comprar no exterior devido a sanções ocidentais.

Os passos estão de acordo O governo russo deu conselhos em junho Para as companhias aéreas usarem algumas aeronaves para peças de reposição para garantir que as aeronaves estrangeiras restantes continuem a voar até pelo menos 2025.

As sanções impostas à Rússia após o envio de tropas para a Ucrânia no final de fevereiro impediram suas companhias aéreas de adquirir peças ou realizar manutenção no Ocidente.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Especialistas em aviação disseram que as companhias aéreas russas provavelmente começarão a retirar peças de seus aviões para mantê-los em condições de aeronavegabilidade, mas esses são os primeiros exemplos detalhados.

Uma fonte familiarizada com o assunto disse que pelo menos um Sukhoi Superjet 100 de fabricação russa e um Airbus A350, ambos operados pela Aeroflot, foram aterrados e desmontados.

A fonte se recusou a revelar sua identidade devido à sensibilidade da questão.

A fonte disse que o Airbus A350 é novo.

A maior parte da frota de aeronaves russas consiste em aeronaves de passageiros ocidentais.

A fonte disse que o equipamento foi retirado de dois Boeing 737 e um Airbus A320 da Aeroflot, pois a empresa precisa de mais peças de reposição desses modelos para outros Boeing 737 e Airbus A320.

O Ministério dos Transportes e a Aeroflot da Rússia não responderam aos pedidos de comentários.

READ  O CDC adiciona 3 lugares à sua lista de "alto" risco, incluindo México e Emirados Árabes Unidos

‘Uma questao de tempo’

Os Superjets Sukhoi russos montados dependem fortemente de peças estrangeiras. A primeira fonte disse que um motor já foi removido de um dos aviões Superjet para permitir que outro Superjet continue voando.

Para ter certeza, os motores são trocados com frequência entre as aeronaves e geralmente são fornecidos sob contratos separados, disseram especialistas do setor. Não é considerado parte da estrutura principal.

Uma fonte da indústria ocidental disse que era “apenas uma questão de tempo” até que os jatos russos fossem desmantelados.

As novas gerações de aeronaves – A320neo, A350, Boeing 737 MAX e 787 – possuem tecnologias que devem ser constantemente atualizadas.

Fontes ocidentais disseram que dentro de um ano da entrada em vigor das sanções, seria um “desafio” manter aeronaves modernas em serviço, mesmo para a base de engenharia altamente desenvolvida e eficiente da Rússia. Consulte Mais informação

A prática de remover peças para manter outro avião voando é conhecida como transformar aviões descartados em “árvores de Natal”. Embora relativamente raro, é frequentemente associado a dificuldades financeiras e nunca ocorreu na mesma escala que a remodelação em larga escala esperada na Rússia para lidar com o impacto das sanções.

As aeronaves a jato podem ser operadas novamente desde que as peças retiradas sejam devolvidas, embora isso não necessariamente restaure a rastreabilidade necessária para que as aeronaves voltem a entrar nos mercados globais.

Muitas peças têm uma vida útil limitada que deve ser registrada.

READ  A princípio, a Europa se move para cortar o financiamento húngaro devido a danos à democracia

Quase 80% da frota da Aeroflot é composta por aeronaves Boeing (banimento) e Airbus (AIR.PA) Tinha 134 Boeings e 146 Airbuses, juntamente com quase 80 aeronaves Sukhoi Superjet-100 fabricadas na Rússia no final do ano passado, com base nos últimos dados disponíveis.

De acordo com cálculos da Reuters baseados em dados do Flightradar24, cerca de 50 aeronaves da Aeroflot – ou 15% de sua frota, incluindo aquelas retidas por sanções – não decolam desde o final de julho.

Os dados do Flightradar24 mostram que três dos sete Airbus A350 operados pela Aeroflot, incluindo um agora usado para peças, não decolam há quase três meses.

Uma segunda fonte da indústria disse que os navios-tanque russos voando em menos rotas devido às sanções ocidentais significavam que havia aviões ociosos não utilizados que poderiam ser descartados.

“Os fabricantes ocidentais estão cientes de que quase todos os Superjets estão operando na Rússia”, disse Oleg Panteleev, chefe do Aviaport Aviation Research Center. “Você poderia simplesmente parar de produzir e enviar peças – e isso prejudicaria.”

desmantelamento

O plano para o desenvolvimento da indústria de aviação russa até 2030 estimou que a Rússia pode enfrentar os maiores desafios com o A350 e a série Bombardier Q à medida que estão sendo atendidos no exterior.

O conselho do governo russo prevê o “desmantelamento parcial de certas partes da frota de aeronaves”, que manterá dois terços da frota estrangeira em operação até o final de 2025.

O principal desafio, disse Panteleev, é manter os motores e equipamentos eletrônicos avançados em boas condições.

“Vai ser difícil consertar”, disse ele.

Os dados da empresa mostraram que a Aeroflot, que já esteve entre as melhores companhias aéreas do mundo, mas agora conta com o apoio do Estado, teve uma queda de 22% no tráfego no segundo trimestre deste ano em relação ao ano passado, depois que sanções a impediram de viajar para A maioria dos destinos ocidentais.

READ  Ucrânia perde 'um batalhão inteiro' em ponte quebrada, diz Ucrânia

Garantir suprimentos de países que não impuseram sanções à Rússia provavelmente não ajudará, disseram as fontes, já que empresas da Ásia e do Oriente Médio temem o risco de sanções secundárias de governos ocidentais.

“Cada peça tem seu próprio número (único) e, se a documentação incluir uma companhia aérea russa como comprador final, ninguém aprovará o fornecimento, nem China nem Dubai”, disse a primeira fonte, acrescentando que todas as peças devem ser conhecidas. para Boeing e Airbus antes de fornecê-lo ao usuário final.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Reportagem da Reuters. Edição por Josephine Mason, Matt Skovham e Jane Merriman

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.