Fevereiro 4, 2023

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Ministro das Finanças de Portugal apoia flexibilização da regra da dívida da UE

LISBOA, 16 de novembro (Reuters) – O ministro das Finanças de Portugal apoiou uma proposta da Comissão Europeia para mudar as regras fiscais da UE para permitir que os governos negociem caminhos de redução de dívidas pessoais.

A regra atual é que os países da zona do euro devem reduzir sua dívida em 1/20 de seu PIB a cada ano, se ela exceder 60%.

A nova proposta permitiria que cada país concordasse com seu próprio caminho de redução da dívida ao longo de quatro a sete anos, com o acordo da Comissão e de outros ministros das finanças da UE.

Em entrevista à Reuters, o ministro das Finanças, Fernando Medina, disse que Portugal manteve as regras fiscais, apesar de ter sido suspenso durante a pandemia, e saudou a ideia de “metas mais realistas e alcançáveis” e mais “autoridade” para os estados individuais.

No entanto, ele pediu mais “discussão aberta” sobre os critérios de gastos e o compartilhamento de poderes entre a Comissão, os Estados membros e o Conselho.

Portugal quer que o programa de crédito conjunto SURE, que financiou o programa de subsídios de desemprego durante a pandemia, se torne permanente, disse Medina. No entanto, ele alertou contra muitos gastos prioritários, como investimentos em defesa ou mudança climática, sendo isentos das regras de déficit.

“Você corre o risco de aumentar as diferenças entre os países europeus – aqueles com maior margem orçamentária ou maior limite de crédito podem investir mais sem estarem sujeitos às mesmas regras que os outros”, disse.

Medina sinalizou que o BCE quer adotar uma postura de política monetária mais cautelosa para permitir que os aumentos anteriores entrem em vigor e evitar um “pior cenário” de hiperinflação e recessão, ecoando pedidos semelhantes de outros.

READ  As restrições nas instalações comerciais foram reduzidas

Enquanto as interrupções na cadeia de suprimentos pós-pandemia e a guerra na Ucrânia aumentaram os preços da energia, matérias-primas e alimentos importados, o BCE foi “sábio” em não aumentar as taxas, pois as causas e os efeitos dos aumentos de preços são multifacetados.

“A terceira fase… exigirá uma coordenação mais forte entre as políticas monetária e fiscal para controlar a inflação, mas… evitar o risco de recessão”, afirmou. “É uma estrada muito estreita que requer uma navegação crítica.”

O BCE elevou as taxas em 200 pontos-base desde julho, apertando em seu ritmo recorde, e o mercado está precificando o próximo movimento na forma de um aumento de 50 ou 75 pontos-base que sugere que está na metade do caminho. Chega em dezembro.

(Reportagem de Sergio Gonçalves e Aislinn Laing, edição de Andre Caleb e Emilia Sithole-Madaris)

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.