Dezembro 3, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

O CPAC retirou os tweets pró-Rússia com alguns conservadores dos EUA apoiando Putin

O CPAC retirou os tweets pró-Rússia com alguns conservadores dos EUA apoiando Putin

Republicanos proeminentes procuram contrariar o apoio dos EUA à Ucrânia apesar das ameaças da Rússia de usar armas nucleares e evidências de valas comuns e crimes de guerra facilitados por Moscou.

A Conferência de Ação Política Conservadora na sexta-feira twittou – e depois a excluiu horas depois – uma mensagem pedindo aos democratas que “acabem de dar presentes à Ucrânia” com a bandeira russa destacada. O tweet também se referia a “territórios ocupados pela Ucrânia”, o que parece legitimar as reivindicações do presidente russo, Vladimir Putin, de anexar províncias com base em um referendo que os Estados Unidos e seus aliados consideram ilegal.

Matt Schlapp, presidente do conselho do CPAC, disse no sábado que o tweet não explica o processo normal de aprovação porque ele estava viajando para uma conferência na Austrália. “Por causa da minha viagem para um fuso horário remoto, isso não foi aprovado como de costume”, disse ele em uma mensagem de texto.

Em um comunicado, o CPAC expressou seu apoio à Ucrânia, mas manteve sua oposição à ajuda dos EUA ao país em apuros.

“Devemos nos opor a Putin, mas os contribuintes americanos não devem arcar com a grande maioria dos custos”, disse o comunicado. “O tweet minimizou a situação do inocente povo ucraniano.”

O CPAC flertou repetidamente com pontos de vista pró-Putin nos últimos anos, inclusive recebendo o primeiro-ministro húngaro pró-Rússia Viktor Orban na conferência de Dallas em agosto.

O CPAC não está sozinho entre os conservadores dos EUA na oposição à ajuda ucraniana, apesar da invasão de Putin. O apresentador da Fox News, Tucker Carlson, alegou sabotagem dos EUA devido a vazamentos em um gasoduto russo para a Europa, alegações infundadas que o levaram ao ar na televisão estatal russa. O ex-presidente Donald Trump também postou uma mensagem em sua plataforma Truth Social na qual se apresenta como negociador de conflitos.

READ  O piloto russo capturado acabou por ser um mercenário Wagner

Em um comício de Trump em Michigan no sábado, a deputada Marjorie Taylor Green (R-Ge) reiterou sua oposição à ajuda dos EUA à Ucrânia e disse que o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky deveria negociar um acordo de paz com a Rússia.

“Temos muitos problemas aqui em casa e nem consigo pensar em enviar nosso dinheiro para financiar uma guerra por procuração com a Rússia”, disse ela em entrevista. “Zelensky não dirige o governo dos Estados Unidos. Ele não é nosso presidente, mas por alguma razão, Joe Biden se curva toda vez… o povo americano não se importa com aquela guerra lá.”

Em um comício em Michigan, Trump sugeriu que poderia ter impedido Putin de invadir a Ucrânia.

“Essa guerra nunca teria acontecido se eu fosse presidente e não aconteceu”, disse Trump.

Muitos republicanos seguiram os passos de Trump no absurdo para Putin, que Trump evitou indiciar e ficou do lado de suas agências de inteligência ao questionar a interferência russa nas eleições de 2016. As relações com a Ucrânia tornaram-se partidárias durante o primeiro julgamento de impeachment de Trump, depois que ele tentou usar a ajuda dos EUA para a Ucrânia para pressionar Zelensky a ir a público.Uma investigação sobre os negócios de Biden e seu filho Hunter no país.