Dezembro 8, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Os russos lutam para entender a guerra na Ucrânia após a retirada de Kherson

Os russos lutam para entender a guerra na Ucrânia após a retirada de Kherson

Em uma tarde de neve em Moscou nesta semana, um punhado de pessoas entrou em um vasto salão sob os muros do Kremlin, em frente à tropa de choque armada, para assistir a uma exibição do que a Rússia ainda descreve como uma “operação militar especial” na Ucrânia depois das nove meses de guerra.

Entre imagens de cidades ucranianas bombardeadas e cadáveres ensanguentados de civis apresentados como vítimas heróicas conflitoos visitantes assistem a um vídeo triunfante sobre a recente anexação de quatro regiões ucranianas pela Rússia.

Exceto, desde que o show estreou no início deste mês, Rússia Ele se retirou da capital de um deles, Kherson, deixando para trás outdoors dizendo “A Rússia está aqui para sempre”. A cidade havia caído sob a ocupação russa em março, nos primeiros dias da invasão total de Vladimir Putin.

O teaser trailer deixou Katya, uma professora de meia-idade de Moscou que traz um grupo de alunos de 11 anos, com mais perguntas do que respostas. Ela disse que se perguntou por que todas as vítimas ocorreram.

“Ninguém entende nada”, disse ela, saindo do salão de exposições. “Primeiro chegamos a Kyiv, depois saímos – e quantos foram mortos? Depois pegamos Kherson, depois saímos de novo. E quantos foram mortos?

Pessoas visitam uma exposição sobre o que a Rússia chama de “operação militar especial” na Ucrânia no Manege Central Exhibition Hall em Moscou © Yuri Kochetkov / EPA-EFE / Shutterstock

Referindo-se aos veteranos de guerras russas anteriores em sua família, ela disse: “Até os militares sabem como a guerra é feita. Mas nem eles entendem essa estratégia”.

Para muitos em Moscou, a retirada de Kherson criou confusão e levantou questões sobre os custos da guerra para a Rússia. Acima de tudo, a notícia aumentou a profunda ansiedade do general que as pessoas sentem desde o final de setembro, quando Putin anunciou o alistamento militar e levou a guerra diretamente aos lares russos pela primeira vez.

“Todo mundo está inquieto, nervoso, ansioso”, disse Katya sobre seus amigos, colegas e familiares. “Todo mundo está deprimido.”

Embora a vida continue em Moscou como nunca antes, repleta de cafés e restaurantes, a última pesquisa da pesquisa independente Levada Center, publicada no mês passado, descobriu que 88% das pessoas estavam “preocupadas” ou “muito preocupadas” com os desenvolvimentos na Ucrânia. Apenas 36 por cento dos russos disseram acreditar que o país deveria continuar lutando, enquanto a maioria achava que era hora de negociações de paz.

No entanto, se os russos estavam cada vez mais preocupados com a guerra, eles pareciam sentir pouco apego aos territórios recém-conquistados que Moscou anexou com grande alarde depois que falsos referendos foram realizados lá. Como resultado, muitos ficaram indiferentes à perda de um lugar como Kherson.

As pessoas visitam a feira da Ucrânia.  Início da tarde no Manege Central Exhibition Hall em Moscou
Uma exposição no Manezh Central Exhibition Hall em Moscou © Yuri Kochetkov / EPA-EFE / Shutterstock

“Claro, é realmente incrível a facilidade com que as autoridades russas se despediram de Kherson”, escreveu Tatiana Stanovaya, fundadora da empresa de consultoria política R Politik, em um post nas redes sociais. E as pessoas também não parecem se apegar aos novos ‘territórios’.

Ela apontou para uma pesquisa recente da Levada que pedia aos russos que citassem os principais eventos de que se lembravam nas notícias. Apenas 9 por cento referiram-se a referendo e anexação – já que seu país afirmou ter expandido em mais de 135.000 quilômetros quadrados – apesar do evento ter ocorrido durante a pesquisa.

Lev Gudkov, da equipe de pesquisa de Levada, disse à rádio russa RTVi que o declínio de Kherson não afetaria as avaliações de Putin. Com o tempo, disse ele, isso pode corroer a confiança no presidente como líder, mas, por enquanto, “a censura e a propaganda vão suavizar o significado deste evento e a seriedade desta derrota doméstica”.

A mídia estatal disse que a retirada foi uma decisão difícil, mas necessária para salvar a vida de milhares de soldados russos. Comentaristas do campo ultranacionalista pró-guerra se opuseram à decisão e a essa interpretação, mas as críticas dessa minoria foram silenciadas recentemente, após severas advertências do Kremlin.

No entanto, o descontentamento ainda fervilhava em segredo. Um ex-funcionário de alto escalão disse que a perda de Kherson apenas seis semanas depois que Putin a declarou parte da Rússia indica a falta de planejamento estratégico do Kremlin. “Eles lidam com isso completamente mal. Eles não conseguem pensar dois passos à frente. É uma reação completa”, disse o ex-funcionário, falando anonimamente devido aos perigos de expressar críticas públicas. dentro de um mês e meio.”

A grande maioria dos russos só se importará se a Ucrânia tentar recuperar o controle da Crimeia, que Moscou anexou de Kyiv em 2014, disse Alexei Venediktov, editor de longa data da estação de rádio Echo of Moscow. A península desenvolveu um status quase mítico entre os russos, especialmente como um ótimo local de férias. Para a maioria, “a Crimeia é sagrada”, disse Venediktov.

Mas outras regiões e cidades reivindicadas pela Rússia não têm muita ressonância emocional. “Donetsk, Luhansk, algum tipo de Mykolaiv, Kherson, Zaporizhia – onde eles estão?” disse Venediktov.

O jornalista, que mantém contato com muitas pessoas em cargos de poder, apesar do fechamento forçado de sua estação de rádio em março, disse que há mal-estar entre as elites de Moscou.

Ele disse que os principais círculos políticos e empresariais não gostam de turbulência e estão perturbados com a forma como os reveses militares trazem figuras radicais e marginais, como o senhor da guerra checheno Ramzan Kadyrov e o líder paramilitar Yevgeny Prigozhin, à frente política. “Se tudo congelasse no lugar agora… eles seriam felizes.”

Mas poucos em torno de Putin ousariam falar contra a invasão, disseram oligarcas russos sob sanções ocidentais. “Os tecnocratas não têm ferramentas. É uma situação muito estável. A segurança está sob o controle de Putin. Ele faz de seus guarda-costas ministros e governadores. E a mudança na opinião pública não acontece. Milhões de oponentes da guerra foram embora.”

Ao entrar no salão de exposições ao lado da Praça Vermelha, os visitantes são recebidos por uma imersiva projeção de vídeo em 360 graus do horizonte da cidade ucraniana de Mariupol. A fumaça subia dos prédios de apartamentos destruídos na cidade, que testemunhou o mais pesado bombardeio russo da guerra, matando milhares de pessoas.

As salas subsequentes reescrevem a história da Ucrânia e suas relações com a Rússia, bem como a própria história da guerra, na tentativa de introduzir os moscovitas na realidade alternativa que permeia as notícias do país. O brutal bombardeio de Mariupol nesta primavera, por exemplo, é retratado em uma placa pendurada na parede: os 600.000 moradores da cidade foram “feitos como reféns pelo exército ucraniano”, que “destruiu seus cidadãos” enquanto “crianças foram baleadas por atiradores”.

Em uma sala toda branca, repleta de retratos de soldados russos mortos na guerra, os visitantes podem deixar mensagens no livro de visitas. É uma mistura: rabiscos de crianças, expressões de gratidão a Putin, apelos para um conflito total muito maior. E apenas uma vez: “Não à guerra!”

Reportagem adicional de Max Seddon em Riga

READ  Wordle 355 Jun 9 Dicas - Wordle hoje é muito difícil? sem spoilers PISTAS PARA AJUDAR A ENCONTRAR UMA RESPOSTA | Jogos | entretenimento