Agosto 7, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Rússia controla o projeto de gás de Sakhalin e aumenta riscos com o Ocidente

Rússia controla o projeto de gás de Sakhalin e aumenta riscos com o Ocidente
  • Putin assinou um decreto para garantir todos os direitos na quinta-feira
  • O decreto de cinco páginas vem logo após o endurecimento das sanções ocidentais
  • Este movimento aumenta os riscos para as empresas ocidentais ainda na Rússia
  • Shell já está em negociações para vender participação da Sakhalin

TÓQUIO/LONDRES (Reuters) – O presidente Vladimir Putin elevou as apostas em uma guerra econômica com o Ocidente e seus aliados com um decreto impondo o controle total do projeto de gás e petróleo Sakhalin 2 no Extremo Oriente da Rússia, em um movimento. A Shell e os investidores japoneses podem ser forçados a sair.

O decreto, que foi assinado na quinta-feira, cria uma nova empresa que assumirá todos os direitos e obrigações da Sakhalin Energy Investment Company, por meio da qual a Shell. (coincidência) E duas tradings japonesas, Mitsui e Mitsubishi, possuem pouco menos de 50%. Consulte Mais informação

O decreto de cinco páginas, que segue as sanções ocidentais impostas a Moscou por sua invasão da Ucrânia, indica que o Kremlin decidirá agora se os parceiros estrangeiros podem ficar.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Gazprom estatal (GAZP.MM) Já detém 50% mais uma participação na Sakhalin-2, que representa cerca de 4% da produção mundial de gás natural liquefeito (GNL).

A medida ameaça desestabilizar o já apertado mercado de GNL e aumenta os riscos para as empresas ocidentais ainda na Rússia.

“O decreto russo expropria efetivamente as participações estrangeiras na Sakhalin Investment Energy, marcando uma nova escalada nas tensões em curso”, disse Lucy Cullen, analista principal da consultoria Wood Mackenzie.

Muitas empresas ocidentais já se uniram, enquanto outras disseram que vão se demitir, mas a decisão de Putin adiciona complicações a um processo já complexo para quem quer sair. Moscou está preparando uma lei, que deve ser aprovada em breve, para permitir que o Estado confisque os ativos de empresas ocidentais que decidiram sair.

READ  A interrupção da rede de Rogers atingiu milhões de canadenses, provocando indignação

A Shell, que já cancelou o valor de todos os seus ativos russos, indicou meses atrás que pretendia se retirar do Sakhalin 2 e estava conversando com potenciais compradores. Na sexta-feira, disse que estava estudando o decreto russo.

Fontes disseram que a Shell acredita que há um risco de que a Rússia nacionalize ativos de propriedade estrangeira, enquanto Putin disse repetidamente que Moscou responderá aos Estados Unidos e seus aliados com o congelamento de ativos russos e outras sanções.

O Sakhalin-2, no qual a Shell detém 27,5% menos uma participação, é um dos maiores projetos de GNL do mundo com produção de 12 milhões de toneladas. Seus embarques são direcionados principalmente para o Japão, Coréia do Sul, China, Índia e outros países asiáticos.

A japonesa Mitsui Corporation possui uma participação de 12,5% na Sakhalin-2, enquanto a Mitsubishi possui 10%.

perseguindo alternativas

O Japão, que depende muito de energia importada, disse anteriormente que não abriria mão de seus interesses no projeto.

O primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, disse na sexta-feira que a decisão da Rússia não impediria imediatamente o desenvolvimento das importações de GNL, enquanto o ministro da Indústria do Japão, Koichi Hagiuda, disse que o governo não considerou o decreto como um pedido.

“O decreto não significa que as importações de gás natural liquefeito do Japão se tornarão impossíveis imediatamente, mas é necessário tomar todas as medidas possíveis para se preparar para circunstâncias imprevistas”, disse Hagiuda a repórteres.

Ele disse que o Japão tem duas a três semanas de estoques de GNL com concessionárias e fornecedores de gás da cidade, e Hagiuda pediu suprimentos alternativos a seus pares nos Estados Unidos e na Austrália.

O Japão importa cerca de 6 milhões de toneladas por ano ou 10% de GNL a cada ano da Rússia, principalmente sob um contrato de longo prazo da Sakhalin-2.

READ  Forças de passageiros indisciplinadas voam de Londres para Los Angeles para transformá-lo em Salt Lake City

De acordo com o decreto, a Gazprom mantém sua participação, mas outros acionistas devem exigir uma participação na nova empresa do governo russo dentro de um mês. O governo então decidirá se permite que eles detenham uma parte das ações.

A Gazprom, a Sakhalin Energy e o Ministério da Energia da Rússia não responderam aos pedidos de comentários.

Um porta-voz da Mitsubishi disse que a empresa estava discutindo com parceiros em Sakhalin e o governo japonês como responder ao decreto. Mitsui não comentou imediatamente.

Ações da Mitsui & Co (8031.T) e Mitsubishi (8058.T) Ele caiu mais de 5% na sexta-feira, uma queda mais acentuada do que o mercado mais amplo. As ações da Shell em Londres permaneceram praticamente inalteradas.

O CEO da Shell, Ben van Beurden, disse a repórteres na quarta-feira que a empresa estava “fazendo um bom progresso” com seu plano de sair da joint venture Sakhalin Energy.

“Posso dizer que quando recebi uma atualização na semana passada, fiquei muito feliz com onde estamos agora”, disse ele, sem entrar em detalhes.

Fontes disseram à Reuters em maio que a Shell estava conversando com um consórcio indiano para vender sua participação. Consulte Mais informação

Saul Kavonic, chefe de pesquisa integrada de energia e recursos do Credit Suisse, disse que a produção russa de GNL de projetos como o Sakhalin-2 provavelmente será prejudicada ao longo do tempo, à medida que especialistas estrangeiros e peças de reposição se tornam indisponíveis.

“Isso apertará materialmente o mercado de GNL nesta década”, disse ele, acrescentando que qualquer aumento no envolvimento do Estado russo em projetos de GNL tornaria alguns compradores mais cautelosos em comprar carga.

Reportagem adicional de Yuka Obayashi, Sakura Murakami, Go Min Park e Kiyoshi Takenaka em Tóquio, Ron Boso em Londres, Emily Chow em Kuala Lumpur, Moyo Chuo em Cingapura; Escrito por Chang Ran Kim e Edmund Blair; Edição por Simon Cameron Moore e Carmel Crimmens

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.