Dezembro 3, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Rússia veta resolução da ONU sobre anexação anunciada e China se abstém na votação

Rússia veta resolução da ONU sobre anexação anunciada e China se abstém na votação

WASHINGTON (Reuters) – A Rússia vetou nesta sexta-feira uma resolução do Conselho de Segurança da ONU apresentada pelos Estados Unidos e pela Albânia condenando a declaração de Moscou de anexar partes da Ucrânia, com a abstenção do parceiro estratégico da Rússia, a China.

Mais cedo, o presidente russo Vladimir Putin anunciou o domínio russo sobre quatro regiões que compõem 15% do território da Ucrânia – a maior anexação na Europa desde a Segunda Guerra Mundial. Esse movimento foi vigorosamente rejeitado pelos países ocidentais e até mesmo por muitos aliados próximos da Rússia.

A embaixadora dos EUA nas Nações Unidas, Linda Thomas Greenfield, apresentou a resolução que pedia aos Estados membros que não reconhecessem nenhuma mudança no status da Ucrânia e obrigava a Rússia a retirar suas forças.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Falando na câmara do conselho, ela disse que uma tentativa de anexar o território de um Estado soberano vai contra os princípios fundadores das Nações Unidas, e disse que Putin estava comemorando “esta clara violação do direito internacional” com um concerto realizado após seu anúncio da anexação na sexta-feira.

Dez países votaram a favor da resolução, enquanto China, Gabão, Índia e Brasil se abstiveram.

“Nenhum país votou na Rússia. Nenhum país”, disse Thomas Greenfield a repórteres após a reunião, acrescentando que a abstenção “claramente não foi em defesa da Rússia”.

Ela disse que Washington recorrerá à Assembleia Geral das Nações Unidas, de 193 membros, para condenar as ações da Rússia.

“Na Assembleia Geral, as nações do mundo dirão alto e claro: é ilegal e simplesmente inaceitável tentar redesenhar as fronteiras de outro país pela força”, disse Thomas Greenfield.

READ  Zelensky, da Ucrânia, pediu ao Ocidente que proíba todos os viajantes russos

Anexos “Fantasia”

A Rússia está tentando se livrar de seu isolamento internacional depois que quase três quartos da Assembleia Geral votaram para repreender Moscou e exigir que ela retirasse suas forças dentro de uma semana após a invasão da vizinha Ucrânia em 24 de fevereiro.

O embaixador russo nas Nações Unidas, Vasily Nebenzia, que levantou a mão para dar o único voto contra a resolução, disse que as regiões onde Moscou tomou o território à força e onde os combates ainda estão violentos, escolheram fazer parte da Rússia. Kyiv e líderes ocidentais denunciaram os referendos como fraude.

“Não haverá recuo, pois o projeto de resolução de hoje tentará impô-lo”, disse Nebenzia.

A única mão levantada contra a resolução “testifica mais uma vez o isolamento da Rússia e suas tentativas desesperadas de negar a realidade em nossos compromissos comuns, começando com a Carta da ONU”, disse o embaixador ucraniano nas Nações Unidas, Sergei Kisletsya.

A enviada britânica Barbara Woodward disse que a Rússia “abusou de seu poder de veto para defender suas ações ilegais”, mas disse que a anexação “não tem efeito legal”. “É uma fantasia”, acrescentou.

Pequim desconfortável

A China se absteve na votação da resolução, mas levantou preocupações sobre uma “crise prolongada e ampliada” na Ucrânia.

A China permaneceu neutra em relação ao conflito, criticando as sanções ocidentais contra a Rússia, mas deixando de endossar ou ajudar a campanha militar, apesar dos dois países declararem uma parceria estratégica “sem fronteiras” em fevereiro. Em uma admissão surpreendente, o presidente russo, Vladimir Putin, disse este mês que o líder chinês Xi Jinping tem preocupações com a Ucrânia.

O embaixador de Pequim na ONU, Zhang Jun, disse que, embora “a soberania e a integridade territorial de todos os países devam ser protegidas”, as “legítimas preocupações de segurança dos países” também devem ser levadas a sério.

READ  EUA impõem sanções a funcionários apoiados pela Rússia por 'permitir que eles roubem grãos ucranianos'

Uma autoridade dos EUA, que falou sob condição de anonimato, disse que a abstenção da China mostra que a “agitação” da Rússia e os movimentos que ameaçam a integridade territorial dos países colocam a China em uma “posição desconfortável”.

“Não temos o envolvimento da China nessa agenda mais agressiva que a Rússia está tentando vender”, disse o funcionário.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

(Reportagem de Simon Lewis e Timothy Gardner) Reportagem adicional de Michael Martina. Edição por Franklin Poole, Jonathan Otis e David Gregorio

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.