Agosto 7, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Turquia diz que portos ucranianos serão reabertos sob acordo a ser assinado sexta-feira

Turquia diz que portos ucranianos serão reabertos sob acordo a ser assinado sexta-feira
  • As Nações Unidas e a Turquia trabalharam para intermediar um acordo de exportação de grãos entre a Ucrânia e a Rússia
  • Sinais de esperança de que a crise alimentar global possa ser aliviada
  • Zelensky da Ucrânia vê potencial para ganhos no campo de batalha

(Reuters) – A Turquia disse que a Rússia e a Ucrânia assinarão um acordo nesta sexta-feira para reabrir os portos ucranianos do Mar Negro às exportações de grãos, aumentando as esperanças de que a crise global de alimentos causada pela invasão da Rússia possa ser aliviada.

Ucrânia e Rússia, ambos os maiores exportadores de alimentos do mundo, não confirmaram imediatamente o anúncio feito na quinta-feira pelo gabinete presidencial turco. Mas o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, em seu discurso de vídeo tarde da noite, deu a entender que os portos do Mar Negro de seu país podem ser abertos em breve.

O bloqueio imposto pela frota russa no Mar Negro cortou o abastecimento dos mercados em todo o mundo e aumentou os preços dos grãos desde que o presidente russo, Vladimir Putin, ordenou tropas na vizinha Ucrânia em 24 de fevereiro.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Os detalhes completos do acordo não foram divulgados imediatamente. Um porta-voz da ONU disse que o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, estava a caminho da Turquia. O gabinete do presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, disse que o acordo deve ser assinado na sexta-feira às 13:30 GMT. Consulte Mais informação

“E amanhã também esperamos notícias sobre nosso estado da Turquia – sobre a abertura de nossos portos”, disse Zelensky, cujo discurso se concentrou principalmente na capacidade das forças ucranianas de obter ganhos no campo de batalha.

READ  Lapid torna-se primeiro-ministro à medida que Israel se aproxima das eleições

Penalidades

Moscou negou a responsabilidade por exacerbar a crise alimentar, culpando o efeito assustador das sanções ocidentais pela desaceleração de suas exportações de alimentos e fertilizantes, e a Ucrânia pela mineração em seus portos do Mar Negro.

O porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Ned Price, disse que Washington se concentrará em responsabilizar Moscou pela implementação do acordo.

As Nações Unidas e a Turquia estão trabalhando há dois meses para intermediar o que Guterres chamou de um acordo “abrangente” – para reiniciar as exportações de grãos da Ucrânia no Mar Negro e facilitar os embarques de grãos e fertilizantes russos.

A Rússia disse na quinta-feira que a última rodada de sanções da União Europeia terá “sérias consequências” para a segurança e partes da economia global.

A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Maria Zakharova, disse em comunicado que o bloco de 27 países havia proposto aliviar algumas sanções anteriores em um esforço para proteger a segurança alimentar global, e Moscou espera que isso crie condições para a exportação de grãos e fertilizantes.

campo de batalha

Zelensky se reuniu com os principais líderes na quinta-feira para discutir o fornecimento de armas e intensificar os ataques aos russos. Consulte Mais informação

“(Nós) concordamos que nossas forças têm forte potencial para avançar no campo de batalha e infligir novas perdas significativas aos ocupantes”, disse Zelensky em seu discurso em vídeo.

A Ucrânia acusou a Rússia de intensificar ataques com mísseis em cidades nas últimas semanas para aterrorizar seus moradores. Moscou nega atacar civis e diz que todos os seus alvos são militares.

Kyiv espera que as armas ocidentais, especialmente mísseis de longo alcance, como o Sistema de Mísseis de Artilharia de Alta Mobilidade dos EUA (HIMARS), permitam contra-atacar e recuperar o território perdido na conquista.

READ  Manifestante de Biden corre para carreata, agente é atacado por agente do Serviço Secreto em Los Angeles

As principais linhas de frente foram em grande parte congeladas desde que as forças russas capturaram as duas últimas cidades ucranianas da região leste de Luhansk em batalhas no final de junho e início de julho. As forças russas também estão focadas na província vizinha de Donetsk.

A Rússia pretende capturar totalmente Donetsk e Luhansk em nome de seus representantes separatistas.

E ele declarou seu controle da cidade portuária de Mariupol, no sul, há dois meses, após uma batalha feroz que matou milhares e forçou centenas de milhares a fugir.

Os que ficam agora enfrentam uma nova batalha: como sobreviver sem abastecimento de água ou saneamento em uma cidade onde cerca de 90% dos prédios foram destruídos e onde lixo e restos humanos apodrecem nos escombros sob o calor do verão.

“Você faz uma fogueira, cozinha, toma café da manhã para as crianças”, disse um morador à Reuters. “À tarde você vai procurar algum trabalho ou pegar sua ração seca para alimentar o jantar das crianças. É Dia da Marmota, eles dizem: você acorda e é sempre a mesma coisa.”

A Rússia chamou sua invasão de “operação militar especial” para livrar a Ucrânia dos fascistas, uma afirmação que o governo ucraniano e seus aliados ocidentais disseram ser um pretexto infundado para uma guerra não provocada.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Reportagem dos escritórios da Reuters. Escrito por Grant McCall; Edição por Cynthia Osterman e Stephen Coates

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.