Fevereiro 9, 2023

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Uma solução para hipercapnia? Um novo estudo sugere fertilizar o oceano

Semear os oceanos com nanofertilizantes poderia criar um grande e necessário sumidouro de carbono. Crédito: Ilustração de Stephanie King | Laboratório Nacional do Noroeste do Pacífico

Os fertilizantes à base de ferro na forma de nanopartículas têm o potencial de armazenar o excesso de dióxido de carbono no oceano.

Uma equipe internacional de pesquisadores liderada por Michael Hochela da Laboratório Nacional do Noroeste do Pacífico Sugere-se que o uso de microrganismos pode ser uma solução para atender à necessidade urgente de remover o excesso de dióxido de carbono do ambiente terrestre.

A equipe realizou uma análise publicada na revista Nanotecnologia da Naturezasobre a possibilidade de plantar sementes para os oceanos com partículas de fertilizantes artificiais ricos em ferro perto do plâncton oceânico, plantas microscópicas críticas para o ecossistema oceânico, para aumentar o crescimento e a absorção de dióxido de carbono pelo fitoplâncton.

“A ideia é aumentar os processos existentes”, disse Hochella, pesquisador do Pacific Northwest National Laboratory. Os seres humanos têm fertilizado a terra para cultivar durante séculos. Podemos aprender a fertilizar os oceanos com responsabilidade.”

Michael Hochela

Michael Hochela é um geoquímico ambiental reconhecido internacionalmente. Crédito: Virginia Tech Photographic Services

Na natureza, os nutrientes da terra chegam aos oceanos através dos rios e levantam a poeira para fertilizar o plâncton. A equipe de pesquisa propõe levar esse processo natural um passo adiante para ajudar a remover o excesso de dióxido de carbono do oceano. Eles estudaram evidências de que a adição de combinações específicas de materiais cuidadosamente projetados pode efetivamente fertilizar os oceanos, incentivando o fitoplâncton a agir como um sumidouro de carbono. Os organismos vivos absorvem carbono em grandes quantidades. Então, quando morrerem, afundarão nas profundezas do oceano, levando consigo o excesso de carbono. Os cientistas dizem que essa fertilização proposta simplesmente aceleraria um processo natural que já está sequestrando carbono com segurança de uma forma que poderia removê-lo da atmosfera por milhares de anos.

“Neste ponto, o tempo é essencial”, disse Hochela. “Para combater o aumento das temperaturas, devemos reduzir os níveis de dióxido de carbono em escala global. Considerando todas as nossas opções, incluindo o uso dos oceanos como um sumidouro de dióxido de carbono, temos a melhor chance de resfriar o planeta.”

Extraia insights da literatura

Em sua análise, os pesquisadores argumentaram que as nanopartículas projetadas oferecem vários recursos atraentes. Altamente controlável e especialmente projetado para diferentes ambientes oceânicos. Os revestimentos de superfície podem ajudar as partículas a aderir ao plâncton. Algumas partículas também têm propriedades de absorção de luz, permitindo que o plâncton consuma e use mais dióxido de carbono. A abordagem geral também pode ser ajustada para atender às necessidades de ambientes oceânicos específicos. Por exemplo, uma área pode se beneficiar mais de partículas à base de ferro, enquanto partículas à base de silício podem ser mais eficazes em outras, dizem eles.

A análise dos pesquisadores de 123 estudos publicados mostrou que várias substâncias não tóxicas de oxigênio mineral podem promover com segurança o crescimento do plâncton. Eles argumentam que a estabilidade, a abundância de terra e a facilidade de criação desses materiais os tornam opções viáveis ​​como fertilizantes de plâncton.

A equipe também analisou o custo de criação e distribuição de diferentes moléculas. Embora o processo seja muito mais caro do que a adição de materiais não modificados, também será significativamente mais eficiente.

Referência: “Uso potencial de nanopartículas projetadas na fertilização oceânica para remoção em larga escala de dióxido de carbono atmosférico” por Peyman Babakhani, Tannabon Vinrat, Mohamed Balousha, Colaba Suratana, Carolyn L. Peacock e Benjamin S. Twining, Michael F. Hochela Jr. 28 de novembro de 2022, disponível aqui. Nanotecnologia da Natureza.
DOI: 10.1038/s41565-022-01226-w

Além de Hochella, a equipe incluiu pesquisadores da Inglaterra, Tailândia e várias instituições de pesquisa norte-americanas. O estudo foi financiado pelo Conselho Europeu de Pesquisa no âmbito do Programa de Pesquisa e Inovação da União Europeia Horizonte 2020.

READ  A missão psicológica de asteróides da NASA avança