Julho 17, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

A formação do ocultismo sob a Austrália pode ser o maior impacto de asteroide de todos os tempos

A formação do ocultismo sob a Austrália pode ser o maior impacto de asteroide de todos os tempos

A impressão de um artista de como seria o impacto de um asteróide na Terra.
Mark Garlick/Science Picture Library/Getty Images

  • Os cientistas descobriram vestígios do que eles acreditam ser o maior impacto de asteroide do mundo.
  • Escondida no solo na Austrália, acredita-se que a estrutura tenha cerca de 300 milhas de diâmetro.
  • Alguém disse que o impacto pode ter ocorrido há 450 milhões de anos, eliminando 85% das espécies da Terra.

O maior impacto de asteroide do mundo, com 300 milhas de diâmetro, pode estar escondido em território australiano.

Os cientistas estavam rastreando padrões “magnéticos” e “gravitacionais” que se espalhavam em círculos a partir de um ponto a cerca de 16 quilômetros de Deniliquin, em New South Wales, na Austrália.

Os cientistas dizem que a estrutura pode ser os restos de uma enorme colisão de asteroides que atingiu a Terra centenas de milhões de anos atrás.

Se confirmada, seria a maior colisão de asteróides de todos os tempos.

A memória do efeito está escondida no chão

Alguém poderia pensar que encontrar a maior colisão de asteróides do mundo deve ser bastante fácil. Mas a realidade é muito diferente.

É verdade que a colisão de asteroides Crie enormes estruturas geológicas.

A força da colisão é tão forte que pode flexionar a crosta terrestre, criando ondulações semelhantes às criadas por rochas quando atingem um lago, disse Andrew Glickson, paleogeofísico do Australian Geological Survey, em uma publicação no The Conversation August. 10.

Mas se esse impacto ocorresse, centenas de milhões de anos de erosão teriam apagado a maior parte das características visíveis do evento.

No entanto, com um pouco de paciência, os cientistas podem procurar sinais reveladores deixados para trás, disse Glickson.

READ  Vídeo Wild SpaceX mostra o mais quente retorno de foguete reutilizável

Glickson e seu colega Tony Yates disseram em Um artigo revisado por pares publicado no ano passado.

Isso é acompanhado por uma “pequena anomalia magnética” em torno do ponto central. Estes foram provavelmente causados ​​pela lixiviação de rocha derretida nos picos e bacias deixados pelo impacto.

Glickson disse que a chamada estrutura Denliquin “se estende por até 520 quilômetros de diâmetro”, ou cerca de 300 milhas.

Este seria um impacto maior do que qualquer outro impacto documentado na Terra. Isso inclui a estrutura de choque de Vredefort na África do Sul, que se acredita ter entre 100 e 200 milhas de diâmetro, e o impacto de Chicxulub, a cerca de 90 milhas de distância, que os cientistas acreditam ter causado a extinção em massa que eliminou os dinossauros.

Para confirmar a descoberta, os cientistas pretendem obter evidências físicas do próprio local.

“Para provar o impacto, precisaremos coletar evidências físicas do impacto, que só podem vir da perfuração profunda da estrutura”, disse Glickson no post.

O asteróide pode ter causado um evento de extinção em massa na Terra

Antes que os cientistas possam cavar no local, será difícil saber exatamente quando esse asteroide atingirá.

Glickson acredita que o impacto ocorreu quando a Austrália ainda fazia parte de Gondwana, um supercontinente que se separou da Pangeia e depois se transformou na América do Sul, África, Arábia, Madagascar, Índia, Austrália e Antártica.

Isso significa que terá pelo menos 180 milhões de anos e possivelmente mais.

“Especificamente, acho que pode ser causado pela chamada fase de Glaciação Hearniana, que durou entre 445,2 e 443,8 milhões de anos atrás”, disse Glickson no post.

READ  O par de buracos negros mais pesado já pesou 28 bilhões de vezes mais que o Sol

Este evento de extinção em massa foi causado pela Era do Gelo que o eliminou 85% das espécies do planeta350 milhões de anos antes da extinção dos dinossauros, disse Glickson.

Mas o efeito pode ser maior do que isso. Glickson disse que pode vê-lo datando de 514 milhões de anos.