Julho 19, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

A guerra entre Israel e o Hamas: as últimas declarações de Netanyahu põem à prova a proposta de trégua apoiada pelos Estados Unidos

A guerra entre Israel e o Hamas: as últimas declarações de Netanyahu põem à prova a proposta de trégua apoiada pelos Estados Unidos

TEL AVIV, Israel (AP) — A viabilidade de uma proposta apoiada pelos EUA para acabar com o conflito A guerra em Gaza já dura 8 meses As dúvidas surgiram na segunda-feira, depois de o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, ter dito que só estaria disposto a concordar com um acordo de cessar-fogo “parcial” que não poria fim à guerra, comentários que causaram alvoroço entre as famílias dos reféns detidos pelo Hamas.

Numa entrevista transmitida pelo Canal 14 de Israel, uma estação conservadora pró-Netanyahu, na noite de domingo, o líder israelense disse que estava “pronto para fazer um acordo parcial – e isso não é segredo – que trará algumas pessoas de volta para nós”, em referência a isso. Quase 120 reféns ainda estão detidos na Faixa de Gaza. Mas estamos empenhados em continuar a guerra depois de esta ter terminado, a fim de cumprir o objectivo de eliminar o Hamas. “Não estou pronto para desistir disso.”

As declarações de Netanyahu não se desviaram significativamente do que tinha dito anteriormente sobre as suas condições para chegar a um acordo. Mas surge num momento delicado, uma vez que Israel e o Hamas parecem estar a afastar-se ainda mais relativamente à última proposta de cessar-fogo, e poderá representar outro revés para os mediadores que tentam pôr fim à guerra.

As declarações de Netanyahu contradizem fortemente o que foi afirmado nas declarações Esboço do acordo Foi detalhado no final do mês passado pelo presidente dos EUA, Joe Biden, que elaborou o plano como israelita e que alguns em Israel chamam de “acordo de Netanyahu”. Suas declarações podem O que aumenta a tensão nas relações de Israel com os Estados Unidoso seu maior aliado, que lançou uma grande campanha diplomática pela última proposta de cessar-fogo.

READ  Últimas notícias sobre a Rússia e a guerra na Ucrânia

O plano em três fases levará à libertação dos restantes reféns em troca da libertação de centenas de palestinianos presos por Israel. mas Desentendimentos e desconfianças continuam Entre Israel e o Hamas sobre como implementar o acordo.

O Hamas insiste que não libertará os restantes reféns a menos que haja um cessar-fogo permanente e uma retirada completa das forças israelitas de Gaza. Quando Biden anunciou a última proposta no mês passado, ele disse que incluía ambas.

Mas Netanyahu diz que Israel continua empenhado em destruir as capacidades militares e de governação do Hamas e em garantir que nunca mais será capaz de realizar um ataque semelhante ao que aconteceu em 7 de Outubro. É quase certo que uma retirada completa das forças israelitas de Gaza, onde a liderança superior do Hamas e uma grande parte das suas forças permanecem intactas, deixaria o movimento no controlo da região e capaz de a rearmar.

Isso é o que Netanyahu disse na entrevista A atual fase de combate terminaIsto abre caminho para Israel enviar mais forças para as suas fronteiras do norte para enfrentar o grupo armado libanês. Hizb AllahIsto pode abrir uma nova frente de guerra. Mas ele disse que isto não significa que a guerra em Gaza acabou.

Na segunda-feira, o ministro da Defesa, Yoav Gallant, discutiu as tensões na fronteira com o Líbano durante a sua visita a Washington com Amos Hochstein, um dos principais conselheiros de Biden. Repetiu as declarações de Netanyahu de que a guerra em Gaza está a entrar numa nova fase, o que poderá afectar outros conflitos, incluindo o conflito com o Hezbollah.

Durante a fase inicial de seis semanas do cessar-fogo proposto, os dois lados deverão negociar um acordo sobre a segunda fase, que Biden disse que incluiria a libertação de todos os reféns vivos restantes, incluindo soldados do sexo masculino, e a retirada completa de Israel de Gaza. O cessar-fogo temporário tornar-se-á permanente.

READ  Julgamento de Michael Sussman: Testemunho de um ex-funcionário do FBI apóia o caso do advogado de campanha Durham v. Clinton

O Hamas parece preocupado com a possibilidade de Israel retomar a guerra assim que os seus reféns mais vulneráveis ​​forem devolvidos. Mesmo que isso não aconteça, Israel poderá fazer exigências nessa fase das negociações que não faziam parte do acordo inicial e são inaceitáveis ​​para o Hamas – e depois retomar a guerra quando o Hamas as rejeitar.

As declarações de Netanyahu reforçaram esta preocupação. Após a sua transmissão, o Hamas disse que representava “uma confirmação inequívoca da sua rejeição” do acordo apoiado pelos EUA, que também foi aceite. Com o apoio do Conselho de Segurança das Nações Unidas.

Num comunicado divulgado no final do domingo, após a longa entrevista televisiva de Netanyahu, o movimento palestiniano disse que a sua posição “contradiz” o que a administração dos EUA disse que Israel tinha concordado. O movimento disse que a sua insistência em que qualquer acordo inclua um cessar-fogo permanente e a retirada de todas as forças israelitas de toda a Faixa de Gaza é “uma necessidade imperativa para repelir as tentativas de Netanyahu de fugir, enganar e perpetuar a agressão e a guerra de Israel”. Genocídio contra nosso povo.”

Netanyahu respondeu e disse num comunicado divulgado pelo seu gabinete que o Hamas se opõe ao acordo. Ele disse que Israel não se retiraria de Gaza até que todos os 120 reféns fossem devolvidos.

O Hamas saudou as linhas gerais do plano americano, mas propôs o que disse serem “emendas”. Durante uma visita à região no início deste mês, o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, disse que algumas das exigências do Hamas são “viáveis” e outras não, sem entrar em detalhes.

Netanyahu e Hamas Incentivos para continuar a guerra destrutiva Apesar da perda catastrófica de civis em Gaza e da raiva crescente em Israel pelo facto de, após muitos meses, Israel não ter alcançado os seus objectivos de devolver os reféns e derrotar o Hamas.

READ  O Sul do Brasil foi exposto às piores inundações em mais de 80 anos. Pelo menos 39 pessoas morreram

As famílias reféns tornaram-se cada vez mais impacientes com Netanyahu, vendo a sua aparente relutância em avançar com o acordo como manchada por considerações políticas. Um grupo que representa as famílias condenou as declarações de Netanyahu, que considerou uma rejeição israelita à recente proposta de cessar-fogo.

Ela considerou que “isto é um abandono dos 120 reféns e uma violação do dever moral do Estado para com os seus cidadãos”, lembrando que responsabiliza Netanyahu pela devolução de todos os prisioneiros.

No ataque transfronteiriço de 7 de Outubro, militantes liderados pelo Hamas mataram 1.200 pessoas e capturaram 250, incluindo mulheres, crianças e idosos. Dezenas de pessoas foram libertadas ao abrigo de um cessar-fogo temporário no final de Novembro, e as autoridades israelitas afirmam que cerca de um terço dos restantes 120 reféns estão mortos.

A guerra de retaliação israelita levou à morte de mais de 37 mil palestinianos, segundo o Ministério da Saúde, nos territórios controlados pelo Hamas. Ele levantou um Crise humanitária Deslocou a maior parte da população da região de 2,3 milhões de pessoas.

___

Magdy relatou do Cairo.

___

Acompanhe a cobertura da AP sobre a guerra em Gaza em https://apnews.com/hub/israel-hamas-war