Junho 27, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Abramovich, dono do Chelsea, adquire cidadania portuguesa

Por Andre Khalif

Lisboa (Reuters) – O dono do clube de futebol do Chelsea, o bilionário Roman Abramovich, tornou-se cidadão português e acrescentou seu passaporte europeu aos passaportes russo e israelense.

O porta-voz de Abramovich confirmou a declaração de sábado do jornal português Publiko, citando documentos do Ministério da Justiça de que o empresário russo tinha obtido a cidadania portuguesa no dia 30 de abril.

O jornal disse que o caso de Abramovich foi baseado na lei portuguesa para os descendentes de judeus sebardianos expulsos da Península Ibérica durante o julgamento provisório.

Milhares de judeus israelenses receberam a cidadania portuguesa desde que a lei foi aprovada em 2015. O número de tais pedidos tem aumentado em Portugal desde o fim da concessão de cidadania semelhante aos judeus sebárticos em Espanha em 2019.

As genealogias dos candidatos são verificadas por especialistas que procuram evidências de interesse na cultura de separd.

Abramovich doou dinheiro para projetos que homenageiam a herança judaica separática portuguesa na cidade alemã de Hamburgo, de acordo com o Portal Jewish Community Information Portal.

Embora Abramovich seja um nome de família genérico de ascendência Ashkenazi, a história dos judeus separáticos na Rússia é pouco conhecida.

Abramovich avaliou sua fortuna na indústria de petróleo da Rússia em US $ 14,3 bilhões na década de 1990, quando comprou o clube de futebol Chelsea em 2003. Ele serviu como governador regional da Rússia de 2000 a 2008 e obteve a cidadania israelense em 2018.

Havia cerca de 300.000 judeus vivendo na Espanha e, em 1492, os reis Isabella e Ferdinand ordenaram que eles e os muçulmanos do país se convertessem ou deixassem o catolicismo. Dezenas de milhares fugiram para Portugal, onde foram perseguidos ou expulsos em 1496.

READ  Economia de Portugal cresce 2,9% no 3º trimestre devido à flexibilização do COVID - 19 regras

(Reportagem de Andre Khalif, edição de Timothy Heritage)