Junho 29, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Aqui está o que aconteceu durante o acoplamento da espaçonave “Boeing”.

Aqui está o que aconteceu durante o acoplamento da espaçonave "Boeing".

A missão começou na quinta-feira à noite com o lançamento na Flórida, e o Starliner – projetado para transportar astronautas, mas voando sem pessoas para este teste – atracou na Estação Espacial Internacional na sexta-feira à noite às 20h28 ET. TO acoplamento ocorreu cerca de uma hora mais tarde do que o esperado, pois as equipes de terra trabalharam em alguns problemas, incluindo um problema de software que fazia com que os gráficos fossem distorcidos, como um mapa GPS desalinhado. Também houve problemas com os sensores e alguns componentes de encaixe que não estavam se movendo corretamente no início.

A cápsula contém um anel de encaixe que aparece quando se aproxima de sua porta e é usado como trava para a Estação Espacial Internacional. Durante a primeira tentativa de encaixe, alguns componentes não entraram na configuração correta. As equipes de solo tiveram que tentar o processo pop-up novamente para colocar tudo no lugar certo. Houve também um pequeno problema com os circuitos de resfriamento da Starliner, que fazem parte do sistema que regula a temperatura da espaçonave.

Todos esses problemas tiveram que ser analisados ​​ou corrigidos a tempo para que o Starliner pudesse seguir em frente, e o acoplamento acabou decolando sem muitos problemas.

“Foi realmente emocionante ver aquele carro parado por um tempo até a hora de entrar”, disse Mark Naby, gerente do programa Starliner da Boeing, a repórteres na noite de sexta-feira.

No entanto, muitos outros problemas surgiram com os propulsores da espaçonave, que manobram e orientam a nave enquanto ela navega pelo espaço. Dois desses impulsos fecharam prematuramente logo após a espaçonave atingir a órbita. Alguns outros propulsores mais tarde tiveram problemas.

Apesar dos contratempos, a espaçonave vem apresentando um desempenho “bonito”, de acordo com Steve Stitch, diretor do Programa de Tripulação Comercial da NASA, que supervisiona o Starliner e o programa Crew Dragon da SpaceX.

READ  SpaceX lançará outra missão histórica de astronautas amanhã

“É claro que este é um voo de teste e, como aqueles que assistiram ao voo provavelmente o dia todo, vi que estávamos aprendendo ao longo do caminho, o que é muito emocionante”, disse Stich em uma entrevista coletiva na noite de sexta-feira.

Funcionários da NASA e da Boeing disseram que os problemas com os propulsores não são uma grande preocupação porque o Starliner tem “muitos” backups embutidos, disse Stitch. Existem 48 desses propulsores no veículo, e os computadores a bordo da cápsula podem optar por usar um propulsor em vez de outro se detectarem algo um pouco mais distante.

Embora a Boeing queira entender por que os propulsores não estão funcionando conforme o planejado, de acordo com Nappi, pode não ser.

“Podemos nunca saber a verdadeira razão por trás disso”, disse ele.

Os engenheiros reduziram os problemas de condução a “seis ou sete” causas possíveis, com três parecendo prováveis. Concentrar-se no problema exato exigiria que os engenheiros vissem os propulsores pessoalmente, o que não pode acontecer porque os propulsores estão conectados ao módulo de serviço – uma parte que seria descartada e deixada para queimar na atmosfera antes que o Starliner o fizesse. Retorno controlado à Terra.

A expectativa é que isso aconteça nos próximos dias. O Starliner decolará da Estação Espacial Internacional, manobrará seu caminho para casa e, em seguida, usará seus motores para retornar à parte mais espessa da atmosfera da Terra antes de saltar de pára-quedas no deserto do Novo México.

Se tudo correr bem, seria uma grande vitória para a Boeing, que veio após anos de atrasos e interrupções no desenvolvimento do Starliner.

READ  Rocket Report: contratos de limpeza de vassouras da SpaceX e Astra de volta aos trilhos

A primeira tentativa da espaçonave de completar uma missão de teste orbital em 2019 do espaço teve que ser repetida prematuramente, sem completar o acoplamento na Estação Espacial Internacional, devido a problemas de software. Uma segunda tentativa de lançar o Starliner para a Estação Espacial Internacional em agosto do ano passado foi cancelada depois que as verificações pré-voo descobriram problemas com as válvulas principais que ficaram presas.

Se esta missão for concluída com segurança, o Starliner da Boeing poderá liberar astronautas até o final de 2022.