Maio 22, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

ARN base em amostras de asteróides sugere as origens da vida na Terra: um estudo

ARN base em amostras de asteróides sugere as origens da vida na Terra: um estudo

Cientistas descobriram o composto químico uracil, um dos blocos de construção do RNA, em apenas 10 miligramas de material asteroide Ryugu, de acordo com uma nova pesquisa publicada na terça-feira.

A descoberta dá peso a uma teoria de longa data de que a vida na Terra pode ter se originado do espaço sideral quando asteroides carregando elementos elementares colidiram com nosso planeta.

Esta é uma das pesquisas mais recentes de uma análise de 5,4 gramas de rocha e poeira coletadas pela sonda Hayabusa-2 do asteróide Ryugu.

A Hayabusa-2 foi lançada em 2014 e voltou à órbita da Terra no final de 2020 com uma cápsula contendo uma amostra de asteroide.

A preciosa carga útil foi dividida entre equipes de pesquisa internacionais e já rendeu vários insights, incluindo que alguns dos blocos de construção da vida, os aminoácidos, podem ter se formado no espaço.

A primeira gota de água já descoberta em um asteróide próximo à Terra foi encontrada entre as amostras.

A nova pesquisa, publicada na terça-feira na revista Nature Communications, procurou outra base para a vida: as bases nucleares do RNA.

Enquanto o DNA, a famosa dupla hélice, atua como um projeto genético, o RNA de fita simples é um mensageiro muito importante, transformando as instruções contidas no DNA para execução.

Assim como o DNA, ele é formado por bases: adenina, guanina, citosina e uracila.

Os cientistas já encontraram algumas ou todas essas bases em vários asteróides que caíram na Terra como meteoritos. No entanto, eles não podiam ter certeza de que os produtos químicos vieram do espaço sideral ou foram contaminados no pouso.

“Como todo meteorito caiu na superfície da Terra, onde os microorganismos são onipresentes em todos os lugares, sempre torna mais complicado explicar a origem dessas moléculas biologicamente importantes nos meteoritos”, disse Yasuhiro Ohba, professor assistente da Universidade de Hokkaido e autor. da pesquisa.

READ  Assista ao teste crítico de reabastecimento da NASA do foguete lunar Artemis 1 gratuitamente

Como fazer café

Ohba disse que testar amostras de Ryugu era um processo de vários estágios que começava colocando-as em água quente, como “preparar café ou chá”.

O ácido foi então aplicado para extrair as partículas, que foram analisadas por instrumentos altamente sensíveis, capazes de detectar as quantidades exatas de uracil presentes.

A descoberta fornece “fortes evidências de que um componente do RNA foi fornecido à Terra antes mesmo do surgimento da vida”, disse Ohba à AFP.

“Esperamos que desempenhe um papel na evolução dos prebióticos e possivelmente no surgimento da primeira vida”, disse ele.

As outras bases de RNA não foram encontradas na amostra, embora Ohba acredite que elas possam estar presentes em níveis muito baixos para serem detectados pelo método usado para encontrar o uracil.

Ele espera analisar novas amostras coletadas do espaço nos próximos anos, incluindo material Osiris-REx do asteróide Bennu, que deve chegar este ano.

Yoshinori Takano, cientista da Agência Japonesa de Geociência e Tecnologia Marinha e autor do artigo de Ryugu, disse que está aguardando ansiosamente o Projeto de Exploração Lunar de Marte, que está programado para ser lançado do Japão no ano que vem e retornar por volta de 2029.

Ele coletará amostras de Phobos, uma das luas de Marte.

“Tenho certeza de que os químicos orgânicos estarão de olho neste evento pelos próximos 10 anos”, disse Takano.