Maio 25, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Arqueólogos de Pompéia descobriram que lança luz sobre a vida dos escravos

Arqueólogos de Pompéia descobriram que lança luz sobre a vida dos escravos

Arqueólogos descobriram um pequeno quarto em uma vila romana perto de Pompéia que quase certamente era usado por escravos, disse o Ministério da Cultura no domingo, esclarecendo seu baixo status no mundo antigo.

A câmara foi encontrada na Villa Civita Giuliana, cerca de 600 metros (2.000 pés) ao norte das muralhas de Pompéia, que foram obliteradas pela erupção do Monte Vesúvio há quase 2.000 anos.

Continha duas camas, das quais apenas uma continha um colchão, dois pequenos armários e uma série de jarras e tigelas de cerâmica, nas quais foram encontrados restos de ratos e camundongos.

“Esses detalhes confirmam mais uma vez as condições de instabilidade e falta de higiene em que viviam as classes populares da sociedade naquele período”, afirmou o Ministério da Cultura em comunicado.

Materiais como móveis e tecidos, cobertos pela explosão devastadora de fragmentos de rocha, gás e cinzas do Vesúvio, se deterioraram ao longo dos anos, deixando um vazio nos escombros.

Colunas em um banho romano em Pompeia. (Crédito: Wikimedia Commons)

Quando preenchido com gesso, esse vazio revela a forma original e o contorno dos materiais antigos, incluindo o contorno de um cobertor amassado deixado sobre a treliça da cama.

“Parece uma foto… mas esta é uma foto de quase 2.000 anos atrás”, disse o ministério.

Como os escravos eram controlados?

Nenhum vestígio de grades, fechaduras ou correntes foi encontrado para conter os habitantes da sala.

“Parece que o controle foi exercido principalmente por meio da organização interna da escravidão, e não por meio de barreiras e restrições físicas”, disse Gabriel Zuchtriegel, diretor do Parque Arqueológico de Pompéia.

As escavações na Villa Civita Giuliana foram realizadas em 1907-1908 e novamente a partir de 2017, quando a polícia percebeu que o local estava sendo saqueado por garimpeiros ilegais.

READ  Ucrânia busca reabrir o trânsito de grãos pela Polônia à medida que as proibições de importação aumentam

Os arqueólogos disseram que parte de um dos leitos foi destruída por um túnel usado por ladrões para chegar a outra parte da vila.

Pompéia e a paisagem circundante foram engolfadas por cinzas vulcânicas quando o Monte Vesúvio entrou em erupção em 79 dC, matando milhares de romanos que não faziam ideia de que viviam sob um dos maiores vulcões da Europa.

A erupção vulcânica enterrou a cidade em uma espessa camada de cinzas, preservando muitos de seus moradores e edifícios.

O local passou por uma enxurrada de atividades arqueológicas recentes destinadas a interromper anos de decadência e abandono, em grande parte graças a um projeto financiado pela UE de € 105 milhões (US$ 115,58 milhões).

O ministro da Cultura, Gennaro Sangiuliano, disse no domingo que os esforços de conservação e pesquisa continuarão.

“O que aprendemos sobre as condições materiais e a organização social daquela época abre novos horizontes para estudos históricos e arqueológicos”, disse ele.