Abril 13, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Arquivos científicos essenciais para falência como mordidas enigmáticas de inverno

Arquivos científicos essenciais para falência como mordidas enigmáticas de inverno

21 de dezembro (Reuters) – A Core Scientific Inc. FavoritoUma das maiores mineradoras de criptomoedas de capital aberto nos Estados Unidos disse na quarta-feira que entrou com pedido de proteção contra falência do Capítulo 11, o mais recente de uma série de falhas que atingiram o setor.

A Core Scientific, com sede em Austin, Texas, atribuiu sua falência à queda dos preços do bitcoin, aos altos custos de energia para mineração de bitcoin e US$ 7 milhões em dívidas não pagas do credor de cripto americano Celsius Network, um de seus maiores clientes.

A Core Scientific disse em documentos judiciais que registrou um prejuízo líquido de US$ 434,8 milhões nos três meses encerrados em 30 de setembro de 2022 e tinha apenas US$ 4 milhões em dinheiro no momento do pedido de falência.

A empresa contratou consultores de reestruturação em outubro e negociou um possível pedido de falência com os credores desde então.

Mais de US$ 1 trilhão em valor foi eliminado do setor de criptomoedas este ano, com o aumento das taxas de juros exacerbando os temores de uma desaceleração econômica. O crash eliminou grandes players do setor, como Three Arrows Capital e Celsius, fundos de hedge cripto.

O maior sucesso veio depois que a grande exchange de criptomoedas FTX entrou com pedido de proteção contra falência no mês passado. Sua rápida queda provocou um intenso escrutínio regulatório sobre como as empresas cripto mantêm fundos e conduzem operações comerciais.

Após um rápido crescimento em 2020 e 2021, o bitcoin – de longe a moeda digital mais popular – caiu mais de 60% este ano, pressionando o setor de mineração de criptomoedas.

READ  Elon Musk está oferecendo aos jornalistas que o baniram do Twitter a capacidade de voltar em certas circunstâncias

As transações de bitcoin e a “mineração” de novos tokens são processadas por computadores poderosos, conectados a uma rede global, que competem entre si para resolver complexos quebra-cabeças matemáticos.

Bitcoins são vistos nesta foto ilustrativa tirada em 27 de setembro de 2017. REUTERS/Dado Rovic

Mas o negócio se tornou menos lucrativo à medida que o preço do bitcoin caiu, enquanto os custos de energia subiram.

A Celsius, que entrou com pedido de proteção contra falência no capítulo 11 em julho, possui várias plataformas de mineração de bitcoin hospedadas nas instalações da Core Scientific. A falência da Celsius impediu a Core Scientific de cobrar as altas contas de energia que a empresa cobra à taxa de US$ 900.000 por mês, de acordo com documentos judiciais.

A Core Scientific disse que não vai liquidar e pretende buscar uma reestruturação com o apoio dos credores que possuem mais de 50% das notas conversíveis da empresa.

Esses credores concordaram em fornecer até US$ 56 milhões em financiamento de posse de devedores, e os detentores de títulos conversíveis acabarão com uma participação de 97% na Core Scientific se a reestruturação for aprovada no tribunal.

As ações da empresa perderam quase 98% de seu valor até agora em 2022, encolhendo seu valor de mercado para cerca de US$ 78 milhões.

As ações caíram mais 50 por cento nas negociações de quarta-feira. Ações de outros mineradores, incluindo Riot Blockchain (RIOT.O)maratona digital Favorito E a Hut 8 Mining Corp. caiu mais de 80% este ano.

Em seu pedido de falência, a Core Scientific disse que tinha ativos e passivos de US$ 1 bilhão a US$ 10 bilhões e entre 1.000 e 5.000 credores.

A Core Scientific foi lançada em 2021 por fusão com a empresa de cheques em branco em um negócio que na época avaliou a mineradora em US $ 4,3 bilhões.

READ  Biden fala sobre o estado da economia dos EUA

A primeira audiência do tribunal de falências da Core Scientific está marcada para 21 de dezembro às 0915 GMT (1515 GMT).

Reportagem adicional de Siddharth Jindal, Maria Punizath, Akriti Sharma e Manya Saini em Bengaluru, Dietrich Knuth em Nova York e Hannah Lang em Washington; Editado por Uttaresh.V, Maju Samuel, Alexia Garamfalvi e Deepa Babington

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.