Dezembro 8, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Assembleia Geral da ONU pede que Rússia forneça reparações na Ucrânia

Assembleia Geral da ONU pede que Rússia forneça reparações na Ucrânia

(Reuters) – A Assembleia Geral das Nações Unidas pediu nesta segunda-feira que a Rússia seja responsabilizada por seu comportamento na Ucrânia, ao votar pela aprovação de uma resolução reconhecendo que a Rússia deve ser responsável por fornecer reparações ao país.

A resolução, apoiada por 94 dos 193 membros da assembleia, disse que a Rússia, que invadiu seu vizinho em fevereiro, “deve arcar com as consequências legais de todos os seus atos internacionalmente ilícitos, incluindo compensação por danos, incluindo qualquer dano resultante de algo assim. ” Funciona “.

A resolução recomenda que os Estados membros, em cooperação com a Ucrânia, estabeleçam um registro internacional para registrar evidências e alegações contra a Rússia.

As resoluções da Assembleia Geral não são vinculativas, mas têm peso político.

O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky chamou a decisão de “importante”.

“A compensação que a Rússia terá que pagar pelo que fez agora faz parte da realidade jurídica internacional”, disse Zelensky em seu discurso noturno em vídeo.

O embaixador de Kyiv nas Nações Unidas, Sergei Kislitsya, disse à Assembleia Geral antes da votação que a Rússia tinha como alvo tudo, desde fábricas a prédios de apartamentos e hospitais.

“A Ucrânia assumirá a árdua tarefa de reconstruir o país e se recuperar desta guerra, mas essa recuperação nunca será completa sem um senso de justiça para as vítimas da guerra russa. É hora de responsabilizar a Rússia”, disse Kisletsya.

Uma foto do prédio da Sede das Nações Unidas com o logotipo da ONU no bairro de Manhattan, em Nova York, Nova York, EUA, 1º de março de 2022. REUTERS/Carlo Allegri

O embaixador da Rússia nas Nações Unidas, Vassily Nebenzia, disse à Assembleia Geral antes da votação que as disposições da resolução eram “legalmente inválidas”, instando os países a votarem contra.

“O Ocidente está tentando prolongar e exacerbar o conflito e planeja usar dinheiro russo para isso”, disse Nebenzia.

READ  Marrocos: 18 migrantes mortos na tentativa de entrar em Melilla, na Espanha | notícias de imigração

“Os anglo-saxões estão claramente tentando reunir uma base legal para o confisco ilegal de bens russos”, disse o ex-presidente russo Dmitry Medvedev, que agora é vice-chefe do Conselho de Segurança da Rússia, no aplicativo de mensagens Telegram.

14 países votaram contra a resolução, incluindo Rússia, China e Irã, enquanto 73 países se abstiveram, incluindo Brasil, Índia e África do Sul. Nem todos os estados membros votaram.

Em março, 141 membros da Assembleia Geral votaram para condenar a invasão russa e 143 votaram em outubro para condenar a tentativa de Moscou de anexar partes da Ucrânia.

No sábado, Zelensky disse que as forças russas destruíram infraestruturas vitais na estratégica cidade de Kherson, no sul, antes de fugir. Moscou nega deliberadamente atacar civis, embora a invasão tenha reduzido as cidades ucranianas a escombros, matando ou ferindo milhares.

“Será necessário um amplo esforço internacional para apoiar a recuperação e reconstrução da Ucrânia, a fim de construir um futuro seguro e próspero para o povo ucraniano”, disse a embaixadora britânica nas Nações Unidas, Barbara Woodward, na assembleia.

“Mas apenas um país, a Rússia, é responsável pelos danos causados ​​à Ucrânia, e é absolutamente certo, como afirma esta resolução, que a Rússia pague por esses danos”, acrescentou.

Reportagem adicional de Daphne Psalidakis e Doina Chiaco em Washington. Reportagem adicional de Oleksandr Kozukhar em Kyiv e Lydia Kelly em Melbourne. Edição por Grant McCall

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.