Julho 18, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Atualizações ao vivo | No rescaldo da rebelião armada do chefe mercenário russo

Atualizações ao vivo |  No rescaldo da rebelião armada do chefe mercenário russo

Os últimos desenvolvimentos após a rebelião armada declarada pelo comandante mercenário russo Yevgeny Prigozhin:

——

Um ex-diretor da CIA alertou no domingo o líder de uma revolução russa fracassada para “ter muito cuidado com as janelas abertas”.

Falando no “State of the Union” da CNN, o general aposentado David Petraeus estava aparentemente se referindo ao número de russos proeminentes que morreram em circunstâncias misteriosas, incluindo cair de janelas, desde a invasão russa da Ucrânia em fevereiro de 2022.

Como parte do acordo de Yevgeny Prigozhin para conter o avanço dos mercenários de Wagner em Moscou, ele concordou em se exilar na vizinha Bielo-Rússia, cujo líder é um fiel aliado do presidente russo, Vladimir Putin.

“Prigozhin poupou sua vida, mas perdeu a Coleção Wagner”, disse Petraeus. “E ele deve ter muito cuidado com as janelas abertas em seu novo ambiente na Bielo-Rússia, para onde vai.”

Entre os mortos em circunstâncias misteriosas estava o presidente do conselho de administração da maior empresa privada de petróleo da Rússia, que criticou a operação militar russa na Ucrânia. Ele caiu da janela do hospital Em setembro do ano passado.

O Kremlin reprimiu sistematicamente os críticos da guerra, então o rápido perdão de Prigozhin pareceu mostrar a fraqueza de Putin. Mas muitos daqueles que se opuseram ou traíram Putin morreram meses ou anos depois, mesmo depois de deixar a Rússia.

Prigozhin criticou duramente a forma como os militares russos conduziram a guerra e foi mais longe na sexta-feira, chamando de mentira a justificativa de Putin para a invasão. Prigozhin acusou os militares de enganar Putin e a sociedade russa ao alegar falsamente que a Ucrânia e a OTAN planejavam atacar a Rússia.

——

O presidente Joe Biden e o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky falaram por telefone no domingo, um dia depois que um grupo mercenário frustrou uma insurreição na Rússia que enfraqueceu o presidente Vladimir Putin.

Escrevendo em seu site e no Telegram, Zelensky disse que eles discutiram “o curso das hostilidades e os processos em andamento na Rússia” e pediu mais pressão sobre a Rússia para restaurar as fronteiras da Ucrânia.

“Os eventos de ontem revelaram a fraqueza do regime de Putin”, disse Zelensky a Biden.

A Casa Branca disse que os dois líderes discutiram o contra-ataque da Ucrânia e que Biden reafirmou o apoio inabalável dos EUA, inclusive por meio de segurança contínua, assistência econômica e humanitária.

READ  A China está lutando contra uma nova onda da variante Covid, que pode testemunhar 65 milhões de casos por semana: relatório

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, disse no domingo que a tentativa de insurreição e as críticas do agora exilado líder de Wagner, Yevgeny Prigozhin, à invasão russa da Ucrânia “criam mais rachaduras na fachada russa”.

——

Principais desenvolvimentos:

O líder mercenário russo negou o fim da revolução, mas deixou dúvidas Sobre o poder de Putin

O acordo da Bielo-Rússia para assumir o líder da insurgência russa o coloca em uma posição ainda mais opressiva a mãe dele

O chefe mercenário que convocou uma revolta contra os generais russos tem longas conexões para Putin

Siga a cobertura AP da guerra na Ucrânia: https://apnews.com/hub/russia-ukraine

___

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, disse no domingo que a tentativa de insurreição e as críticas do agora exilado líder de Wagner, Yevgeny Prigozhin, à invasão russa da Ucrânia “criam mais rachaduras na fachada russa”.

Falando ao programa “Face the Nation” da CBS, o diplomata sênior dos EUA enfatizou que era uma história em desenvolvimento e que os efeitos de longo prazo da agora abandonada marcha das Forças Wagner em Moscou levariam tempo para avaliar, mas disse que prenunciava mais problemas para isso. . Líder da Rússia.

“Sabemos que Putin tem muito a responder nas próximas semanas e meses”, disse ele.

Questionado se os Estados Unidos estavam preparados para a possível queda de Putin do poder e se havia preocupações sobre a segurança das armas nucleares em seu rival estratégico, Blinken disse: “Sempre nos preparamos para todas as emergências”.

“Não vimos nenhuma mudança na posição nuclear da Rússia”, acrescentou. “Não houve mudança em nosso país. Mas é algo que observaremos com muito cuidado.”

Blinken se recusou a falar com a inteligência dos EUA sobre se Putin estava em Moscou e se recusou a revelar detalhes das relações diplomáticas entre Washington e a Rússia nos últimos dias.

“Tivemos algum contato com os russos no fim de semana para garantir que eles entendessem suas responsabilidades quando se tratava de cuidar da segurança de nosso pessoal na Rússia”, disse ele.

___

As forças russas destacadas para proteger a capital se retiraram no domingo, após a retirada das forças mercenárias que se dirigiam para Moscou.

Depois de convocar uma insurreição armada com o objetivo de derrubar o ministro da Defesa russo, o comandante mercenário Yevgeny Prigozhin e seus militantes pareciam assumir o controle do quartel-general militar russo em Rostov-on-Don que supervisiona os combates na Ucrânia.

READ  A princípio, a Europa se move para cortar o financiamento húngaro devido a danos à democracia

Então eles avançaram em direção a Moscou sem impedimentos. A mídia russa informou que abateu vários helicópteros e um avião militar de comunicações. O Ministério da Defesa não se pronunciou.

Eles foram interrompidos apenas por um acordo para enviar Prigozhin à vizinha Bielorrússia, que apoiou a invasão russa da Ucrânia. O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que as acusações contra ele de travar uma rebelião armada seriam retiradas, e Prigozhin ordenou que suas forças retornassem aos campos de campanha.

Moscou se preparou para a chegada das forças de Wagner estabelecendo postos de controle com veículos blindados e tropas no extremo sul da cidade.

Houve pouca indicação em Moscou no domingo sobre o alerta antiterror emitido depois que Prigozhin lançou sua rebelião de curta duração e nominalmente permaneceu onde estava.

Multidões se espalharam pelo centro da capital russa em um dia ensolarado e os cafés de rua estavam lotados de clientes. O tráfego voltou ao normal e os bloqueios de estradas e postos de controle foram removidos.

___

Um diplomata russo sênior voou para Pequim para conversar com o governo chinês no domingo, um dia depois que um comandante mercenário russo reprimiu uma revolta.

O Ministério das Relações Exteriores da China disse em um comunicado de uma linha em seu site que o vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia, Andrei Rudenko, se reuniu com o ministro das Relações Exteriores da China, Chen Gang, para discutir “questões internacionais e regionais de interesse comum”.

A visita de Rudenko ocorre depois que Yevgeny Prigozhin, chefe do grupo mercenário Wagner, ordenou que suas forças marchassem sobre Moscou antes de chegar a um acordo com o Kremlin no sábado para se exilar e sinalizar uma retirada.

A China não comentou oficialmente sobre a crise na Rússia.

A Rússia e a China mantiveram relações estreitas durante a invasão da Ucrânia por Moscou, que a China se recusou a condenar.

___

Houve poucos sinais em Moscou no domingo do alerta antiterror entregue depois que Yevgeny Prigozhin lançou sua rebelião e nominalmente permaneceu parado.

Multidões se espalharam pelo centro da capital russa em um dia ensolarado e os cafés de rua estavam lotados de clientes. O tráfego voltou ao normal e os bloqueios de estradas e postos de controle foram removidos.

READ  Robôs tranquilizam humanos na primeira coletiva de imprensa de inteligência artificial - DW - 07/07/2023

O “regime antiterror” anunciado pelas autoridades de Moscou e seus arredores permitiu restrições às liberdades e reforçou a segurança.

Locutores em estações de televisão controladas pelo Estado descreveram o acordo que encerrou a crise como uma demonstração de sabedoria do presidente Vladimir Putin, e transmitiram imagens de soldados do Grupo Wagner se retirando de Rostov-on-Don, no sul da Rússia. As pessoas em Rostov-on-Don entrevistadas pelo Channel One TV elogiaram Putin por neutralizar a crise.

——

Ainda não há relatos de que o líder mercenário Yevgeny Prigozhin tenha chegado à Bielo-Rússia depois de fechar um acordo com o Kremlin para se exilar e encerrar sua rebelião.

Várias outras perguntas permaneceram sem resposta na manhã de domingo, incluindo se Prigozhin seria acompanhado no exílio por qualquer uma das forças do Grupo Wagner e que papel, se houver, ele poderia desempenhar lá.

Prigozhin, que enviou uma série de atualizações de áudio e vídeo durante sua revolução, manteve silêncio desde que o Kremlin anunciou que um acordo havia sido fechado para encerrar sua marcha sobre Moscou e deixar a Rússia.

——

O Instituto para o Estudo da Guerra, com sede nos Estados Unidos, diz que o Kremlin “enfrenta um equilíbrio muito precário” após o acordo de desinsurgência fechado pelo Grupo Wagner de Yevgeny Prigozhin.

O instituto disse que a ótica do presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko, desempenhou um papel importante na interrupção do avanço militar sobre Moscou e foi “insulto” ao presidente russo, Vladimir Putin.

Ela disse que “o acordo que Lukashenko negociou é uma solução de curto prazo, não uma solução de longo prazo, e a rebelião de Prigozhin expôs graves fraquezas” no Kremlin e no Ministério da Defesa da Rússia. Ela acrescentou que a aparente surpresa do Kremlin com a rebelião de Prigozhin não refletiu bem no serviço secreto da Rússia, o FSB.

O ISW observou que Prigozhin “escalou consistentemente” sua retórica contra o Ministério da Defesa russo antes de iniciar sua insurreição “e o fracasso de Putin em mitigar esse perigo”.